Ruiva e grávida, atriz Mel Lisboa faz aula de canto para viver Rita Lee no teatro

Mel Lisboa se prepara para a chegada de Clarice e de Rita Lee - Divulgação

A atriz Mel Lisboa, mãe do pequeno Bernardo e grávida de seis meses de Clarice, frutos de seu casamento com o músico Felipe Roseno, está fazendo aulas de canto.

O objetivo é fazer bonito no musical Rita Lee Mora ao Lado, previsto para estrear em São Paulo entre outubro e novembro deste ano. Mel dará vida à própria Rita Lee e cantará os sucessos da nossa rainha do rock.

A atriz contou ao blog Atores & Bastidores que foi aprovada pela própria cantora para vivê-la nos palcos. Mel ainda estará amamentando Clarice quando os ensaios começarem, no segundo semestre. Mas não tinha como recusar.

– É uma oportunidade única de viver uma mulher da qual sou fã e que rompeu tantas barreiras e ainda continua rompendo.

Para ir se acostumando com o papel, ela já adotou os cabelos ruivos de Rita.

Além do projeto futuro, Mel continua em cartaz com o espetáculo Cine Camaleão – A Boca do Lixo até 2 de abril, quando entra em licença-maternidade.

O musical sobre Rita Lee é produzido por Marcio Macena e terá Paulinho Moska como diretor musical e iluminação por ninguém menos que Ney Matogrosso.

Veja Mel Lisboa no programa NBlogs na Record News

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Marlene disse:

    Rita Lee … quem te viu e quem te vê! Era uma jovem bonitinha, com belos cabelos castanho-avermelhado. Apareceu nos Mutantes, se bem me lembro. Era apenas uma pobre menina vítima das drogas e com talento musical. Assim viveu, se drogando, compondo, cantando. Foi presa, mas, que eu saiba, o motivo da prisão não foi político, mas por porte e uso de drogas. Depois casou com um rapagão, bonitão, gente fina. Fazia shows com o maridão na guitarra. Produziu três filhos e muitas músicas. Fez sucesso. Quando Elis Regina morreu por overdose de cocaína com álcool, todos começaram a dizer “a próxima é Rita Lee”. Lembro de ter assistido na televisão uma entrevista dela ao lado do Roberto. Fiquei assustada. Ela estava um estrepe. Parecia avó do marido. Todos sabemos como as drogas acabam com a pessoa. Daí, ela desapareceu. Soube que havia sido internada para tratamento. Parece-me que andou sumida por uns dois anos. Sua sorte foi ter como companheiro o Roberto, senão, provavelmente, tivesse morrido. Ela foi se degradando, mas, sobreviveu e deve ter tido muita atenção, muito tratamento. Nesses casos, a inteligência fica preservada, os talentos também. Mas, as sequelas permanecem e, normalmente, aparecem várias comorbidades. São doenças mentais, muitas das quais anulam a auto-crítica. Tenho visto, as últimas aparições dela. Sua fisionomia está assustadora. Fico triste ao vê-la assim. Enfim, seja como for, ela é a galinha dos ovos de ouro da família. Sem ela, tanto o marido quanto o filho provavelmente não farão sucesso. Vítima da dependência química, ela deveria, em prol da saúde dos jovens, levantar a bandeira contra as drogas. Creio que estaria contribuindo muito mais para o bem do próximo do que com suas músicas. Se cada pessoa pública, em recuperação permanente, se dedicasse voluntariamente a fazer palestras, seminários, estaria praticando um ato divino de salvação de nossa mocidade, conduzindo-a para o caminho do bem, de conquistas pessoais, do estudo, do trabalho, do progresso. A isto eu aplaudiria. Mas, dizer o que quer de modo mal-educado, e não dar força à sobriedade, aos princípios de vida saudável, é contribuir para que se continui vendo esse bando de “zumbis”, inúteis para si próprios, para a família e para a sociedade. Eles perambulam, a qualquer hora, em qualquer lugar, usando, à luz do dia, todo tipo de drogas e, assim, desgraçadamente, se auto-destruindo. O governo não dispõe de condições efetivas de tratá-los, de recuperá-los e devolvê-los à sociedade como cidadãos responsáveis e produtivos. Por que essa senhora não dá início a um trabalho no sentido de ajudar tantos necessitados, tantas famílias desesperadas, enfim, deixar não só músicas e uma riqueza própria pessoal, mas um trabalho sério de fazer o bem à humanidade. Já que seus shwos são de despedida, então, Rita Lee, adeus e boa sorte.

  2. maria disse:

    Grávida pode pintar o cabelo? Que eu saiba, não deveria…

  1. março 11, 2012

    […] Mel Lisboa será Rita Lee em musical […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *