Após dez anos fora do palco, Vanessa Lóes é disputada por dois homens em Traição

Texto de Harold Pinter encerra temporada no Solar Botafogo, no Rio - Foto: Guga Melgar/Divulgação

Por Nina Ramos, do R7, no Rio

Depois de cinco anos de existência, o Centro Cultural Solar de Botafogo, no Rio de Janeiro, recebe novamente, como comemoração, a remontagem de Traição, de Harold Pinter.

A peça traz a volta de Vanessa Lóes ao teatro, após dez anos afastada dos palcos, ao lado de Pablo Padilha e Leonardo Franco.

A montagem traz de volta a inteligência do texto do renomado autor inglês ao público carioca.

Dessa vez sob direção de Ary Coslov, a obra foi montada pela primeira vez no Solar em 2008. Para quem não teve a chance de ver, este é o momento.

O espetáculo conta a história de um triângulo amoroso e suas pontas tortuosas. Robert (Leonardo) é casado com Emma (Vanessa), que por sua vez tem um caso com Jerry (Pablo), melhor amigo do seu marido.

A grande sacada é que a narrativa, que começa em 1977, é contada de trás para frente. O inverso de emoções resgata perguntas, respostas e o motivo que levou, em primeiro lugar, um casal a trair.

Com pitadas de humor, além de entreter, a peça instiga o espectador. Leonardo está excelente em cena e é responsável pela maior parte das falas descontraídas – e igualmente irônicas. Vanessa ainda pode se soltar mais, e quando isso acontecer, os laços com Pablo ficarão intocáveis.

Merece palmas também o cenário de Marcos Flaksman. Cheio de compartimentos, os móveis dispostos ali criam, entre uma passagem de tempo e outra, os mais diversos ambientes, como um restaurante, uma sala de estar ou o quarto do apartamento dos amantes. Tudo aos olhos do público.

Uma trilha de qualidade embala a história, com canções de Eric Clapton, como Layla e Please Be With Me.

Traição
Avaliação:
bom
Quando: Sextas e sábados, às 21h; domingos às 20h. Até 13/4/2012
Onde: Teatro Solar de Botafogo (r. General Polidoro, 180, Botafogo, Rio, tel. 0/xx/21 2543-5411)
Quanto: R$ 40 (sexta e domingo); R$ 50 (sábado)
Classificação: 12 anos

Leia outras críticas de teatro!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *