Musicais investem R$ 60 milhões no Brasil

À esq., Amanda Acosta e Daniel Boaventura atuam em My Fair Lady, de 2007; à dir., Marisa Orth encarna Morticia em A Família Addams, em 2012: musicais movimentam R$ 60 milhões - Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

A afirmação de que o teatro é uma arte sem dinheiro não cabe no mundo dos grandes musicais.

Há cerca de dez anos, o Brasil entrou na rota das superproduções internacionais e formou mercado técnico e artístico para atuar nestes espetáculos, que já investem anualmente R$ 60 milhões por aqui e geram 25 mil postos de trabalho.

São Paulo é a Broadway brasileira. A cidade possui três grandes salas dedicadas quase que exclusivamente a musicais: os teatros Abril, o maior de todos, com 1.530 lugares, Bradesco (1.457 lugares) e Alfa (1.110 lugares). Além disso, outras salas da capital sediam musicais de estrutura cenográfica menor, como os teatros Frei Caneca (600 lugares), Sérgio Cardoso (856 lugares) e Procópio Ferreira (671 lugares).

Oferta ao público é o que não falta na maior metrópole nacional. Neste fim de semana, por exemplo, estão em cartaz em São Paulo, ao mesmo tempo, cinco grandes musicais: Tim Maia – Vale Tudo, no Procópio Ferreira, Hair, no Frei Caneca, O Violinista no Telhado, no Alfa, A Família Addams, no Abril, e Priscilla – Rainha do Deserto, no Bradesco.

Se o brasileiro já se apaixonou em ver atores cantando e dançando, ainda se queixa dos preços altos deste tipo de produção. Os ingressos para um musical em São Paulo podem variar de R$ 40 a R$ 250. É a forma que produtores encontram de ter lucro diante de investimentos que muitas vezes ultrapassam os R$ 6 milhões.

A atriz e cantora Amanda Acosta, que protagonizou um dos musicais mais vistos no Brasil, My Fair Lady, que levou 150 mil pessoas ao Alfa em 2007, afirma que a era dos musicais veio para ficar.

– Os artistas brasileiros estão se aperfeiçoando cada vez mais, fazendo cursos se dedicando. E o público percebe essa qualidade e prestigia nossos espetáculos. Acho que os musicais só tendem a crescer cada vez mais.

Tal crescimento atrai novos artistas ao gênero, como a atriz Vanessa Barros, que resolveu se aprofundar nos estudos para fazer bonito nas audições.

– Decidi me especializar em teatro musical quando eu enxerguei que essa atividade podia ser uma profissão. Fazia show de patinação artística e já tinha repertório de musical na cabeça. Além disso, era uma forma de aliar três artes que, separadamente, já têm uma enorme capacidade de comunicação: a dança, o teatro e o canto.

Em Nova York, musical é levado a sério. E merece estudos especializados, por aqui ainda coisa rara. Uma pesquisa feita entre junho de 2010 e junho de 2011 apontou dados sobre o público que frequenta a Broadway. Dos 12,5 milhões de espectadores no período (65% mulheres), cerca de 10,3 milhões assistiram a musicais e apenas 2,1 milhões prestigiaram peças tradicionais, enquanto só 55 mil espectadores viram especiais.

Entre junho de 2008 e junho de 2009, a Broadway gerou quase US$ 10 bilhões para a economia nova-iorquina, criando 84,4 mil empregos. Os musicais ainda servem para atrair público de outros lugares à cidade. Do público que frequenta os teatros da 5ª Avenida, 62% são turistas e apenas 38% é de população local. E trata-se de um público qualificado, já que 41% dos espectadores têm curso superior.

Leia o perfil de Carol Puntel, protagonista de Hair

Leia o perfil de Luciano Andrey, protagonista de Priscilla

Para Marisa Orth, a Mortícia de A Família Addams, os musicais dialogam diretamente com o povo brasileiro.

— A música é a arte preferida do brasileiro. Então, a plateia  ama quando se misturam teatro e música. Acho que o Brasil tem público para musical, sim. E é um espectador apaixonado.

Pelo jeito, o Brasil está no rumo certo, já que, com a ascensão da nova classe média, há público de sobra para os musicais. Resta saber cativá-lo, coisa que nossos artistas já vêm fazendo muito bem.

Veja o NBlogs especial sobre os musicais, exibido na Record News nesta sexta (20):

[r7video http://videos.r7.com/musicais-conquistam-gosto-dos-brasileiros-saiba-como-e-a-preparacao-do-espetaculo/idmedia/4f919f95fc9bf253bae5bb32.html]

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Rafael Lopes disse:

    acho que os ingressos dos musicais ainda sao caros. mas ´também sei que tem que pagar muita gente. o governo deveria dar incentivos já que emprega tanta gente!

  2. Isabela disse:

    meu sonho é fazer um musical. o que eu preciso fazer para conseguir ser uma boa atriz de musical?

  1. maio 24, 2012

    […] mundo já sabe que os musicais são um sucesso no País. O blog mesmo já publicou uma reportagem especial mostrando os números dessa indústria do entretenimento que se firma no […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *