Musical New York, New York volta a preço popular

Juan Alba foi mantido do elenco original e agora fará par com Kiara Sasso - Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

Quem não viu o musical New York, New York no ano passado, porque os ingressos achava os ingressos caros, tem uma grande chance a partir do próximo mês. A superprodução volta ao cartaz em Sao Paulo, entre 17 de agosto e 7 de outubro com ingresso a R$ 40 a inteira e R$ 20 a meia-entrada.

Tudo é grandioso em New York, New York.São 16 atores-cantores, 25 músicos, 13 bailarinos… Contudo, a volta aos palcos perde a voz límpida de Alessandra Maestrini, substituída por Kiara Sasso, queridinha no mundo dos musicais.

Ela viverá agora a cantora Francine Evans, apaixonada pelo músico Johnny Boyle, interpretado por Juan Alba, mantido do elenco original. Kiara tem uma missão e tanto pela frente, já que Alessandra arrebatava o público com seu carisma e voz.

Esta é a primeira vez que o texto escrito em 1977 por Earl Mac Rauch se transforma em musical – o que parece inacreditável, tamanho encaixe perfeito que ele faz com as canções apresentadas.

Tudo só foi possível graças à iniciativa do maestro brasileiro Fábio Gomes de Oliveira, que teve o atrevimento de mandar um e-mail ao escritor, pedindo autorização para transformar sua obra em um musical no Brasil.

Já adaptado ao cinema por Martin Scorsese, com Liza Minnelli e Robert De Niro de protagonistas, no Brasil New York, New York tem o comando do tarimbado diretor José Possi Neto, que confere ritmo, cor e pulso forte à montagem.

Apesar da luz ser confusa em alguns momentos e haver muita movimentação no palco nas primeiras cenas, com interpretações paralelas em excesso, desconcentrando o público dos primeiros diálogos dos protagonistas, logo o musical se acerta no talento dos artistas escolhidos com esmero.

A competente Big Band faz execuções primorosas de clássicos norte-americanos feitos entre os anos 1930 a 1950, com Sing, Sing, Sing e New York, New York, que são cantados no original em inglês.

Anselmo Zolla ousou em coreografias acrobáticas e bem executadas por seu time de bailarinos, bem como acertou em chamar Kika Sampaio para criar os números de sapateado cheios de ritmo.

O cenário de J. C. Serroni mescla projeções com armações de ferro para criar os edifícios de Nova York, assim como os figurinos do Atelier Chris Daud para Claudeteedeca e Miko Hashimoto ajudam a colocar a plateia na atmosfera de reconstrução de uma vida de “american dreams”, no pós 2ª Guerra Mundial.

Ver New York, New York é voltar aos tempos românticos, no qual a gente parecia acreditar, mesmo a duras penas, que o sonho é possível. E por que não?

New York, New York – O Musical
Avaliação: Muito bom
Quando: Quintas, às 21h, sextas, às 21h30, sábados, às 17h e 21h, e domingos, às 16h. De 17/8/2012 até 7/10/2012.
Onde: Teatro Sérgio Cardoso (r. Rui Barbosa, 153, Bela Vista, São Paulo, tel. 0/xx/11 3288-0136)
Quanto: R$ 40
Classificação: 12 anos

Sarau reúne artistas na zona leste paulistana

Companhia Dom Caixote leva Saci-Pererê ao Japão

Descubra agora o segredo de cada miss

O Retrato do Bob: Samir Yazbek, sem fronteira

Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

Cristiano Kunitake, o bravo samurai do teatro

Veja dicas da Agenda Cultural do Record News SP

Peça desvenda o homem Kurt Cobain

Satyros’ Satyricon faz túnel sexual no submundo

Sérgio Ricardo assina musical do Nós do Morro

SP Escola de Teatro apresenta novidades no palco

O Canto de Gregório coloca o homem em xeque

Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

Malu Mader aplaude amiga Maria Luisa Mendonça

Nando Viana mostra stand-up gaúcho em São Paulo

Saiba quem já concorre ao Prêmio Shell no Rio e SP

Em mês olímpico, atores correm 42 km no palco

Surdos ganham linguagem de sinais nos teatros

Véspera tem filosofia de botequim em meio ao caos

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. VINICIUS MARANGONI disse:

    Assistimos nesse fim de semana a peça New York, New York e foi simplesmente maravilhosa!! Interpretação impecável de todos, trilha sonora e orquestra muito boas, os atores excelentes. O Teatro Sergio Cardoso é ótimo, bem localizado e gostei bastante que as músicas tinham tradução em uma tela “acima” do palco. Muito bom! Parabéns a todos, produtores e artistas. Grato. Vinicius Marangoni

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *