Ator Luciano Quirino revela como é interpretar o cantor Jair Rodrigues no musical Jair em Disparada

Claudia Ohana viverá Elis Regina, já Luciano Quirino será Jair Rodrigues no musical - Divulgação

Por Ana Paula Xavier, do R7

São Paulo vai reviver os tempos áureos dos Festivais da MPB da Record na década de 1960 no espetáculo Jair em Disparada, o Musical, que estreia no próximo dia 6 de setembro, no Teatro Brigadeiro, com direção de Sebah Vieira.

O Atores & Bastidores conversou com exclusividade com Luciano Quirino sobre o desafio de viver nos palcos o ídolo Jair Rodrigues. Ele vai contracenar com Claudia Ohana, que será Elis Regina.

Leia a entrevista:

R7 – Como é que é ser Jair Rodrigues?
Luciano Quirino – Olha, é uma honra muito grade. Em primeiro lugar, porque ele é um dos nossos grandes ícones da musica popular brasileira, então, é um artista realmente espetacular, sensacional, além do talento, dessa questão toda profissional, ele é muito querido! É de uma energia, uma luminosidade… Ele é solar, né?

R7 – Como você tem se preparado?
Luciano Quirino – Eu tenho feito muitas pesquisas, ouvido muitas musicas… É uma pessoa, é um artista que transitou em todos os gêneros. Ele cantou desde bossa nova, música popular brasileira, samba, samba canção, samba partido alto. Ele inaugurou o rap no Brasil! Você vai descobrindo coisas ao longo dessa pesquisa. E além de tudo isso, desse grande artista, desse grande músico, compositor, ele é um cidadão na sua integridade. É um cara que conseguiu realmente uma família linda. Os dois filhos, também maravilhosos, seguem a mesma trilha do pai, e acho que isso deve dar muita alegria a ele. Espero conseguir interpretar um Jair Rodrigues na sua essência.

R7 – Você está a cara do Jair…
Luciano Quirino – [Risos] Eu já estou… Já tirei o bigode. Eu termino A Dama do Mar [espetáculo em cartaz no Teatro Nair Bello] no dia 3 e no dia 6 estreio o Jair. Mas fico feliz de você falar que eu estou a cara dele. A ideia é essa.

R7 – Você fez aulas de canto? Vai cantar em cena?
Luciano Quirino – Vou cantar, com auxílio de uma banda, ou melhor, uma orquestra, já que são 16 músicos. E temos outros atores que cantam também. A gente revive alguns momentos dos festivais, da época do Aírton Rodrigues e Lolita Rodrigues [casal que apresentava o célebre programa Almoço com as Estrelas] A gente reviu o Dois na Bossa que era ele com a Elis, que é a Claudia Ohana que faz, então, foi muito bacana. Realmente é um espetáculo bonito, que as pessoas vão gostar, porque a gente vem desde a época dele lá que ele imitava o Agostinho dos Santos, que ele era crooner.

R7 – Realmente é uma história riquíssima.
Luciano Quirino – É lindo demais. Estou pesquisando no Youtube… Eu descobri que ele cantou na abertura de uma novela que foi marco da teledramaturgia brasileira, que é Irmãos Coragem. Estou sendo auxiliado por uma coach que é a Maria da Glória Stevam, eu tenho uma pessoa que está fazendo toda pesquisa, me ajuda, a gente ensaia, batemos textos, enfim, estamos trabalhando, fazendo um trabalho bem bacana. Espero que o público goste, porque está sendo feito de coração.

R7 – Este espetáculo é totalmente diferente de tudo o que você já fez. Você curte cantar?
Luciano Quirino – Eu já fiz alguns musicais nos quais cantei, mas não com essa responsabilidade. O pessoal vai me ver cantando realmente. Eu canto o espetáculo inteiro. Estou sendo preparado vocalmente pela Bianca Tadini, tive aulas com a Fernanda Maia, uma professora minha que eu já comecei a me preparar quando me convidaram pra fazer. Trabalho corporal também. O Elias Jó é o nosso maestro, direção de Sebah Vieira. E temos vários atores no elenco, gente muito bacana que vai interpretar essas pessoas que estiveram orbitando em torno do Jair nessa Disparada.

R7 – Como é que foi seu primeiro contato com o Jair? Ele te ajuda, vocês conversam?
Luciano Quirino – Eu ainda não o conheci pessoalmente, por causa das nossas agendas. Ele é um cara que tá viajando, faz shows e tudo o mais, mas nosso encontro está marcadao. A gente tem um encontro essa semana agora, e depois, antes da estreia, vai ter uma making of com ele presente, com toda imprensa… Espero que ele goste, porque é realmente uma homenagem. E o que dá um friozinho na barriga é que ele está por aí. É um artista muito presente na vida de todos nós.

O Retrato do Bob: o talento corajoso de Dani Barros

Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

“Ao celebrar centenário de Nelson Rodrigues, Brasil vê sua hipocrisia”, diz diretor Marco Antonio Braz

Mormaço é retrato de uma geração perdida

Ivam Cabral e SP Escola de Teatro: um sonho real

Vanessa Jackson faz show grátis em São Paulo

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *