Tadeu Ibarra substitui Alberto Guzik em duas peças e diz: “Lido com respeito a uma memória presente”

Tadeu Ibarra fez o mesmo papel de Guzik em Liz e em Vestido de Noiva – Fotos: Miguel Arcanjo Prado

Por Miguel Arcanjo Prado

O grupo de teatro Os Satyros se despede, nesta sexta-feira (28), no Sesc Santo André, em São Paulo, da peça Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues.

A montagem dirigida por Rodolfo García Vázquez traz uma curiosidade: a participação do jovem ator carioca Tadeu Ibarra substituindo pela segunda vez o ator Alberto Guzik, que morreu em 2010.

Em conversa com o R7, em um café no centro de São Paulo, Tadeu revela que a primeira peça que viu dos Satyros foi Liz, no Rio, que tinha Guzik no elenco. Esta foi a única imagem que guardou do ator, já que acabou não o conhecendo pessoalmente.

A paixão pelo teatro que o grupo da praça Roosevelt fazia foi tão grande que levou Tadeu a abandonar a incipiente carreira como advogado – havia acabado de se formar em direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – para se juntar à trupe paulista.

Quando chegou, Guzik já estava internado. Contudo, viu de perto a dor do grupo com a perda do ator e também jornalista de respeito na área cultural.

O ator dos Satyros e jornalista Alberto Guzik, morto em 26 de junho de 2010, vítima do câncer – Divulgação

Com os novos amigos, foi à missa de sétimo dia de Guzik, na Igreja da Consolação, em frente à sede dos Satyros.

— Quando o Guzik morreu estávamos no processo do espetáculo Roberto Zucco. Foi muito difícil para todos. Era uma tristeza tão grande que achamos que a peça nem estrearia. Os Satyros são como uma família. E havíamos perdido um membro.

Em meio à dor, a arte precisou continuar, e Tadeu foi chamado pelo diretor Rodolfo García Vázquez para substituir Guzik na mesma peça Liz, que foi decisiva para a vinda dele a São Paulo.

Depois, com a remontagem de Vestido de Noiva, espetáculo originalmente de 2008, mais uma vez Tadeu ficou no lugar deixado vago por Guzik.

— A responsabilidade é maior por substituir alguém tão querido. Sinto que estou lidando com uma memória presente. Tenho um respeito enorme por isso.

Tadeu lembra que a peça Vestido de Noiva é “muito de coxia” e que as lembranças estão por todos os lados.

— A Helena Ignez, atriz da peça, me disse que olhava para mim e se lembrava do Alberto Guzik. A Phedra de Córdoba, que também é do elenco, fala do Guzik o tempo inteiro. Eu fico arrepiado…

Leia também:

Alberto Guzik fez do teatro sua vida

 
 
 
 

 

 

Leia também:

O Retrato do Bob: Juliana Mesquita

Cacá Carvalho tenta virar homem ordinário

Leia mais:

Saiba quem é a rainha de Antonio Fagundes

Leia a coluna:

Por trás do pano – Rapidinhas teatrais


Leia ainda:

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *