O Retrato do Bob: Mario Sergio Cabral, a chama acesa do caçula do Magiluth

Foto de Bob Sousa


Por Miguel Arcanjo Prado

Mario Sergio Cabral é o caçula do Magiluth. Literalmente. É irmão mais novo de Pedro Wagner, também ator do grupo que faz e acontece em Recife. E foi por influência do irmão que Mario começou a fazer teatro em Guaranhuns, no interior de Pernambuco, onde viveu até os 18 anos.

Começou nos palcos em 2001 e logo ficou “maravilhado”. Aos 17, se enturmou com Erivaldo Oliveira, hoje também no Magiluth, e criou o grupo Abre as Pernas Cacilda!. Queriam “entrar pelas entranhas” do teatro nacional.

A primeira peça, Âmago, já abocanhou troféus no Festival de Inverno de Guaranhuns. “Dos 11 prêmios, ganhamos dez”, lembra, orgulhoso. Logo, Erivaldo e ele rumaram para Recife, a capital, onde o irmão Pedro já estava. Foi em 2009. “Cheguei em um tempo que já estava tudo fechado, então fiquei acompanhando os meninos do Magiluth na técnica”.

Em 2012, surgiu a grande chance. O diretor, Pedro Vilela, o convidou para a temporada do grupo na Funarte de São Paulo. “Ele me ligou no Dia das Mães. Disse para ele que eu não precisava pensar. Que eu ia”. Trancou a curso de artes cênicas da Universidade Federal de Pernambuco, largou o emprego e foi.

E valeu a pena. Na capital paulista, ganhou, aos 23 anos, seu primeiro papel como ator na companhia, na versão dos rapazes para Viúva Porém Honesta, de Nelson Rodrigues. Desde então, se apresentou com o grupo no Rio, em Salvador e na consagradora sessão no Teatro Santa Isabel, no Recife: “Tinha fila que dava volta no quarteirão”.

Sobre ter sido eleito Muso do Teatro do R7 no último mês de agosto, com 8.650 votos – a maior votação já conquistada por um ator no concurso até o momento –, ele brinca, lembrando de uma frase que Thiago Liberdade, ator que integrou o começo do Magiluth, gostava de falar. “Ele sempre dizia: ‘Gente, vocês precisam chamar o Mario Sergio, tem de ter um homem bonito no Magiluth’” [risos]. Conta que a rapaziada não ficou com ciúme. “Eles abraçaram minha campanha”. E faz questão de ressaltar uma ajuda fundamental: “Da minha namorada, Clarice Mendes”. O amor é lindo.

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *