Diretor dos Satyros diz que “classe média medíocre” vai expulsar o teatro da praça Roosevelt

Adeus, Roosevelt: Satyros dizem que foram expulsos do local que ajudaram a recuperar – Foto: Eduardo Enomoto

Por Miguel Arcanjo Prado

Nesta semana só se falou em uma coisa no mundo teatral: o anúncio de que o grupo teatral Os Satyros vai deixar a praça Roosevelt. Afinal de contas, o grupo é praticamente sinônimo do lugar e, justiça seja feita, foi o grande responsável pela revitalização do local, antes um fétido e violento ponto de tráfico de drogas e prostituição.

García Vázquez: culpa da classe média – Foto: Bob Sousa

Rodolfo García Vázquez, diretor dos Satyros, acusa a “classe média medíocre” e a especulação imobiliária pela “expulsão” do grupo do local. Em entrevista à Folha de S.Paulo desta semana, Ivam Cabral, o outro fundador dos Satyros, disse que o grupo pode ir para a Luz, onde atualmente está a região da Cracolândia.

Vázquez resolveu usar a internet para explicitar os motivos do anúncio de que os Satyros deixam a Roosevelt em 2013.

Com vocês, as palavras do diretor:

“A especulação imobiliária tem duas consequências. A primeira é visível e numérica: são os aluguéis exorbitantes. Depois de seis meses de alugueis atrasados, estamos, enfim, regularizando as contas. Meses e meses os artistas sem receber nada, pois tínhamos só contas em atraso. Dificuldades mil.

Mas nunca tivemos medo da falta de dinheiro. Isso não nos impede de ter vontade de lutar pelo espaço. Mas há outra coisa ainda pior. A crise de identidade que a Praça enfrenta hoje.

Os novos moradores, aliados aos antigos vingadores, sonham que a Praça se transforme no Itaim Bibi do centro. Mas isso não tem nada a ver com o histórico dela vindo lá dos anos 50 e 60, nem com a chegada dos skatistas, nem com o que os teatros fizeram para sua recuperação. Alguns querem que a Praça seja um local tranquilo para a moradia, algo como uma Perdizes controlada, com bares cult para bons moços frequentar até certa hora e boas instalações para novas padarias badaladas com nome afrancesado…

Até algumas pessoas que se dizem de esquerda estão caindo nesse jogo também. Estamos isolados. O que a Praça Roosevelt quer ser para a cidade e qual é o nosso papel nisso? Essa é a questão principal. Nós contribuimos para uma transformação radical de uma das regiões mais deterioradas da cidade e agora a classe média-medíocre quer transformar esse espaço no seu quintal, mais preocupados com o cachorródromo do que com a força cultural que ela pode trazer para a cidade…

Isso nos inquieta de verdade. Estas pessoas tão bem educadas são muito mais difíceis do que os traficantes que tivemos que enfrentar quando chegamos à Praça, na época em que éramos ameaçados de morte, e não de morte espiritual.”

Vídeo faz sucesso com a classe teatral ironizando situação dos Satyros

Como brasileiro é um ser cheio de bom humor, faz sucesso na internet, sobretudo entre a classe teatral, um vídeo que parodia toda essa situação usando aquela clássica cena do filme A Queda, subido na rede por Alex Gruli.

Já foi visto até o momento por quase 6.000 pessoas. Você pode vê-lo também aqui. É rir para não chorar.

Leia também:

Fique por dentro do que os atores fazem nos bastidores

Descubra agora tudo o que as belas misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Mariana Parra disse:

    Ah, também é ótimo lembrar que os moradores estão muito felizes com a especulação imobiliária, com a coca-cola custando 5 reais nos bares, e para quem paga aluguel então, estão saltitando de alegria.
    é óbvio que vocês estão saindo da praça por causa da especulação imobiliária, qualquer imbecil sabe disso, e você coloca a culpa nos moradores? e você ainda quer ser de esquerda? sério, sem comentários…

  2. Mauricio disse:

    Estes senhores desde que se instalaram nunca fizeram qualquer esforço para se aproximar dos moradores. No máximo cumprimentam o outro socialmente, colocam suas mesinhas na calçada para vender cerveja, apresentam, é verdade, algumas peças de teatro alternativo e se utilizam da praça para evento próprio uma vez por ano, ignorando por completo os moradores. Pensemos um instante, se os novos moradores têm a mesma opinião que os velhos, quem será que está errado? Já não bastava ter sido chamado de retardado por ver o Pica-Pau, agora sou chamado de medíocre. Esta nova intelectualidade me assusta…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *