Crítica: Magiluth debocha de tudo e é sensação no Festival de Curitiba com Viúva, porém Honesta

Magiluth assume seu caos sem nenhuma culpa e com muita ironia e vira destaque no Festival de Curitiba em 2013 – Foto: Victor Jucá/Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado*
Enviado especial do R7 ao Festival de Curitiba

O Grupo Magiluth, de Recife (PE), estreou nesta quarta (3) sua montagem de Viúva, porém Honesta no Festival de Curitiba.

A trupe composta por seis atores pernambucanos – Pedro Vilela, Giordano Castro, Erivaldo Oliveira, Mario Sergio Cabral, Lucas Torres e Pedro Wagner – apresenta uma versão irreverente e cheia de personalidade para o texto escrito por Nelson Rodrigues, conterrâneo centenário do grupo. É de se espantar que a obra não tenha feito parte da mostra oficial do evento.

Apesar do ingrato horário das 13h, a estreia aconteceu com casa cheia e vigorosos aplausos no TEUNI. A apresentação se repete sempre às 13h até sábado (6).

Magiluth faz Nelson Rodrigues com deboche e irreverência – Foto: Sergio Silvestri/Clix

Em Viúva, porém Honesta, o Magiluth reforça o deboche presente na “farsa irresponsável”, como denominou o próprio Nelson Rodrigues quando a escreveu na década de 50. Integrantes da geração que adora ironizar a tudo e a todos em frases sob encomenda para as redes sociais, os Novos Pernambucanos do Teatro Brasileiro não salvam ninguém, nem a eles mesmos.

Descascam a hipocrisia sexual brasileira, a imprensa fazedora de manchetes, os críticos teatrais – com sua pompa de arrogância e excesso de sensibilidade – e o próprio teatro, ao desconstruir todas as estruturas cênicas sob os olhos do público.

Nem a expressão “batata”, lugar-comum na obra de Nelson Rodrigues, se salva e é personificada no palco para desespero do elenco e diversão do público diante da obviedade transgressora da proposta.

Até a faxineira do teatro, que teimou em ver a estreia pela fresta da cortina lateral, tornando evidente sua presença, contribuiu sem querer para que a balbúrdia fosse instaurada.

Sabedores de que a originalidade é o maior trunfo que um artista pode ter, os rapazes arretados do Magiluth recriam a obra de Nelson Rodrigues com seus olhares e corpos ímpares cheios de vigor.

Caos e pênis de borracha

Com a libido em riste, brincam com os personagens da peça sobre a jovem viúva filha de um dono de jornal, que passam pelas mãos de todos. A mistura é tanta que até eles se confundem. Ou não. E o público ri e os acompanha na festa quase sem fim.

A iluminação contribui para o caos, bem como os figurinos e os objetos cenográfico cheios de significados que ajudam na composição dos personagens – sejam tranças loiras, boinas, blocos ou até mesmo um pênis de borracha.

A desconstrução começa de cara. Enquanto a plateia se acomoda e recebe rosas vermelhas para serem atiradas nos aplausos final, os meninos do Magiluth se despem aos poucos do figurino elegante com o qual estão vestidos.

O espírito de grupo é presente em todos os momentos. Até nas atuações. Os garotos se defendem, se ajudam, se empurram e formam um todo bonito e coeso. Tudo converge para um destaque conjunto.

O caos está presente o tempo todo, seja nos pulos, nos berros, nos corpos, na mistura eclética ou mesmo nas coreografias cafonas para as músicas bizarras que passam por sucessos, como É Bom para o Moral, de Rita Cadillac, ou do Loco Mía, aquele grupo composto por garotos espanhóis que cantavam no Xou da Xuxa nos anos 1980.

Em Viúva, porém Honesta, o Grupo Magiluth é coerente com a trajetória arriscada e hipnotizante que desenham para si mesmos. Se arriscam. Pulam de cabeça sem medo. Há tanta verdade na loucura deles que ninguém consegue passar incólume à presença dos rapazes. É como se, num passe de mágica, todos ficássemos magiluthzados.

Meninos do Magiluth no palco do Festival de Curitiba – Foto: Sergio Silvestri/Clix

Viúva, porém Honesta – Grupo Magiluth
Avaliação: Muito bom

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite do Festival de Curitiba.

Veja a cobertura completa do R7 do Festival de Curitiba

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. Felipe disse:

    Este será um “post” difícil para mim… Como dizer? Admiro a criatividade e tenho certeza que o pessoal do Magiluth deve divertir bastante a quem assiste ao espetáculo, entretanto, não creio que acharia graça em certas partes. O conceito do que é engraçado é relativo, variando de pessoa para pessoa. Entretanto, aplaudo a atitude do Magiluth porque eles usam um espaço PRIVADO (assim, com caixas altas) para apresentar sua arte. Sim, porque quando há algo que pode soar ofensivo aos outros, o espetáculo deve ser exibido em espaços privados, com clara restrição/classificação de faixa etária. Aí vê quem quer e não há problema algum. É opção da pessoa. Simples assim!

  1. julho 28, 2013

    […] montagem, que já causou frisson no Festival de Teatro de Curitiba deste ano (leia a crítica do R7) e é aguardada com ansiedade em São Paulo, foi apresentada na cidade do interior pernambucano com […]

  2. setembro 14, 2013

    […] Grupo Magiluth celebram os nove anos da trupe em sessão especial de gala da impactante montagem de Viúva, porém Honesta, neste domingo (15), às 19h, no Teatro Santa Isabel, em Recife. Nestes nove anos, foram sete […]

  3. novembro 3, 2015

    […] Marques, diretor do Grupo XIX de teatro. No ano passado, em 2014, foi a vez da versão para a peça Viúva, porém Honesta, de Nelson Rodrigues, concebida em São Paulo, durante a permanência do grupo pernambucano na […]

  4. novembro 4, 2015

    […] Marques, diretor do Grupo XIX de teatro. No ano passado, em 2014, foi a vez da versão para a peça Viúva, porém Honesta, de Nelson Rodrigues, concebida em São Paulo, durante a permanência do grupo pernambucano na […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *