Crítica: Cheio de Brasil, Gonzagão envolve público e faz brilhar Laila Garin e Adrén Alves em Curitiba

Com voz potente e carisma cênico, Adrén Alves conquistou a plateia – Foto: Emi Hoshi/Clix

Por Miguel Arcanjo Prado*
Enviado especial do R7 ao Festival de Curitiba

No meio da programação da mostra oficial, que trouxe poucos espetáculos que realmente mexeram com o público do Festival de Teatro de Curitiba, caso do sul coreano Pansori-Brecht, ver uma obra que envolve os espectadores é alentador.

Este é o caso de Gonzagão – A Lenda, musical dirigido por João Falcão com a história do Rei do Baião, Luiz Gonzaga, cujo centenário foi celebrado em dezembro do ano passado.

Com um elenco afinado e coeso formado por nove atores-cantores e quatro músicos virtuosos, o espetáculo faz, com simplicidade e ar mambembe, um gostoso passeio por 30 canções do mestre pernambucano nascido em Exu (PE).

Apesar da unidade presente no elenco, dois atores ainda conseguem se destacar, por suas possibilidades vocais e artísticas.

Com voz suave e carisma, Laila Garin é a estrela do espetáculo – Foto: Emi Hoshi/Clix

A primeira é Laila Garin. Única mulher em cena, ela tem uma voz inacreditavelmente suave, além de presença e carisma que a faz desejada não só por todos os homens da trupe quanto por qualquer espectador com alguma libido.

O ator Adrén Alves também é outro que tem a mesma qualidade. Com uma aparência andrógina, reforçada pela direção, ele cabe tanto em papeis masculinos quanto femininos – e faz todos muito bem. O mesmo que Ney Matogrosso faz na música o garoto consegue fazer no palco teatral. Daí seu destaque inquestionável.

Se o cenário de Sergio Marimba não impressiona tanto – mas que seja dado o destaque para os adereços, como as sanfonas estilizadas -, o figurino assinado por Kika Lopes enche o tablado de cor e vida.

Apesar de a proposta de contar uma vida riquíssima, a encenação consegue agilidade, fazendo com que o público não desanime. As músicas bem executadas contribuem para o crescente interesse do espectador.

Outro acerto é a iluminação de Renato Machado, que dialoga o tempo todo com a dramaturgia, servindo para reforçar sentimentos que surgem, sejam de felicidade ou de tristeza. Duda Maia é responsável pela direção de movimento, e não coreografia, que fique bem claro. Se a dança fosse assumida em alguns momentos com maior profissionalismo e inventividade, o espetáculo ganharia muito mais.

Apresentado no gigante Teatro Positivo, o espetáculo deu aquela sensação de que seria um êxito retumbante se fosse levado para as ruas. Porque é uma obra com exagero de Brasil, do jeito que nosso povo gosta.

Gonzagão – A Lenda
Avaliação: Bom

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite do Festival de Curitiba.

Curta nossa página no Facebook!

Veja a cobertura completa do R7 do Festival de Curitiba

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Felipe disse:

    Que bom que Gonzagão esteja sendo celebrado! E parabéns à Laila, Adrén e aos demais integrantes do espetáculo!

  1. agosto 18, 2013

    […] cênica já havia chamado a atenção deste crítico, que a colocou como um dos destaques na crítica do musical Gonzagão, que esteve este ano no Festival de Curitiba, e também no musical Eu Te Amo Mesmo Assim, […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *