Veja antes que acabe: este fim de semana é a última chance de ver sete espetáculos em cartaz

Por Miguel Arcanjo Prado

São Paulo é um verdadeiro frenesi quando o assunto é teatro. Afinal, as cerca de 200 salas da capital paulista vivem em constante movimento de entra e sai de espetáculo. O Atores & Bastidores do R7 selecionou sete montagens que chegam ao fim na cidade neste fim de semana. Se você já havia pensando em ver alguma delas, é bom correr. Divirta-se!

O ator Roberto Reineger é o protagonista da peça com saga farmacológica de um rapaz – Foto: Silvia Boriello

Roberto e a Filologia das Estrelas
A primeira peça do grupo A Tragédia Pop, com direção e dramaturgia do jovem Marcio Tito Pellegrini, conta a história de Roberto, um rapaz em meio a remédios, drogas e relações superficiais ao seu redor. Tudo diante de um contato dele com alienígenas. O texto é uma viagem biográfica e pós-moderna que é a cara de São Paulo e, sobretudo, da praça Roosevelt, onde está instalado o espetáculo. Preste atenção na atriz Marina Calvão, a que tem sotaque carioca. Ela é um verdadeiro charme. A peça ainda serve para refletir sobre como lidamos com um mundo cada vez mais tecnológicos e com contato humano cada vez mais fragmentado. Na trilha, Caetano Veloso canta com seu sotaque baiano a clássica canção do rock Come As You Are, do Nirvana. Duas vezes.
Sáb (25), 19h, no Espaço dos Satyros 1 (praça Roosevelt, 210, centro, São Paulo, tel. 0/xx/11 3258-6345). R$ 20 ou nada. 16 anos. Até 25/5/2013.

Melissa Vettore e Leopoldo Pacheco vivem caso lendário de amor no mundo das artes – Foto: João Caldas

Camille e Rodin
Um tórrido amor uniu os artistas Auguste Rodin (1840-1917) e Camille Claudel (1864-1943). O romance não poderia ganhar palco melhor para sua adaptação teatral: o elegante do Teatro do Masp, um dos principais museus da cidade no coração da avenida Paulista. Leopolodo Pacheco e Melissa Vettore vivem o casal de artistas. As nuances de uma paixão que juntou mestre e discípula na mesma cama envolvem o público inteligente. Preste atenção no texto de Franz Klepper, um dos melhores dramaturgos do teatro brasileiro atual. A direção, assinada por Elias Andreato, também é cheia de poesia. Um drama romântico para ser visto com o amor ao lado.
Sex. (24) e sáb. (25), às 21h; dom. (26), às 19h30. No Grande Auditório do Masp (av. Paulista, 1578, Metrô Trianon, tel. 0/xx/11 3171-3627). R$ 20 a R$ 40. 12 anos. Até 26/5/2013.

Atriz Gislaine Nascimento integra o elenco da Cia. do Mofo em Hotel Trombose, no Tusp – Foto: Julieta Bacchin

Hotel Trombose
A peça é uma adaptação do romance de Felipe Valério pelo diretor Fernando Gimenes. A obra conta a história de cinco estrelas decadentes que vivem em um hotel de quinta categoria. A obra expõe o caráter duro das metrópoles, onde poucos se importam com o outro. A montagem tem histórias fortes, como a de um pedófilo que finge ser um super-heróis para atrair suas vítimas, as crianças. Ainda há espaço para dois irmãos que assistem à mãe morrer afogada em uma banheira, enquanto ambos comem docinhos de festa. Um espetáculo denso com a Cia. do Mofo. Só vá se não estiver deprimido. Ou não.
Sex. (24) e Sáb. (25), às 21h; dom (26), às 20h. No Tusp (rua Maria Antônia, 294, Metrô República, São Paulo, tel. 0/xx/11 3123-5233). R$ 20. 14 anos. Até 26/5/2013.

Malu Rodrigues é a menina Dorothy no musical O Mágico de Oz – Foto: Amauri Nehn/AgNews

O Mágico de Oz
O musical rompe barreiras entre o mundo das crianças e dos adultos, fazendo com que todos embarquem na fantasia da menina Dorothy, vivida pela talentosa Malu Rodrigues, que canta deslumbrantemente. A montagem da tarimbada dupla Charles Möeller e Claudio Botelho tem figurino preciso de Fause Haten e cenários de impressionar qualquer um. André Torquato confirma o talento de sempre como o Espantalho. O italiano Nicola Lama dá a simplicidade necessária a seu Homem de Lata. Heloísa Périssé, como a Bruxa Má do Oeste, mantém seu humor de sempre em improvisações que levam todos às gargalhadas. O único erro é Lúcio Mauro Filho e sua construção caricata do Leão Covarde. Mas a gente logo se esquece dele quando Luiz Carlos Miéle, o pai do showbizz brasileiro, entra em cena como o Mágico. As crianças ainda ficam encantadas com o cachorrinho de verdade que dá vida a Totó, o mascote da protagonista. Na verdade, o “personagem” é “interpretado” por três diferentes cãezinhos. Fofo.
Sex. (24), 21h30; sáb. (25), 16h e 20h; dom. (26), 15h e 19h. No Teatro Alfa (r. Bento Branco de Andrade Filho, 722, CPTM Santo Amaro, São Paulo, tel. 0/xx/11 5693-4000). R$ 40 a R$ 180. Livre. Até 26/5/2013.

Texto de Tennessee Williams mostra homem perdido com suas lembranças – Divulgação

Longo Adeus
O drama escrito pelo norte-americano Tennnesse Wiliams (1911-1983), um dos maiores dramaturgos de todos os tempos, ganha direção de Flávio Tolezani. O enredo conta a história de um escritor que precisa deixar o apartamento da família onde foi criado. Enquanto os carregadores vão levando os móveis e objetos de seu passado, ele acaba se perdendo em suas lembranças daquele lugar tão importante para a sua trajetória. Um espetáculo denso para refletirmos de como somos frutos de onde viemos.
Sex. (24), 21h30; sáb. (25), 21h; dom. (26), 19h. No Viga Espaço Cênico (r. Capote Valente, 1323, Metrô Sumaré, São Paulo. Tel 0/xx/11 3801-1843). R$ 30. 12 anos. Até 26/5/2013.

Drica Moraes e Mariana Lima fazem embate cênico no Sesc Pompeia – Foto: Enrique Diaz

A Primeira Vista
Duas ótimas atrizes, Drica Moraes e Mariana Lima vivem o embate de duas mulheres que têm uma relação de amor e carinho uma pela outra. A comédia dramática é do canadense Daniel MacIvor, um dos nomes fortes da atual dramaturgia mundial. As recém-conhecidas se tornam amigas e logo viram amantes, mas se separam, discutem a relação, enfim, vivem encontros e desencontros. A direção de Enrique Diaz aposta no talento das atrizes, que não deixam a dever. Uma peça para entender as DRs que fazem a cabeça das mulheres.
Sex. (24) e sáb. (25), 21h; dom. (26), 19h. No Teatro do Sesc Pompeia (r. Clélia, 93, Pompeia, São Paulo, tel. 0/xx/11 3871-7700). R$ 24. 14 anos. Até 26/5/2013.

Musical com 16 atores só tem dois negros no elenco para cantar obra de Milton Nascimento – Foto: Guga Melgar

Milton Nascimento – Nada Será como Antes – O Musical
A obra de Milton Nascimento, um dos maiores compositores e cantores da MPB, merecia homenagem melhor. O musical traz atores com cara de Malhação e vestidos como modelos de lojas de departamento para cantar, de forma corrida, os sucessos do astro que melhor representou a música mineira no cenário nacional. A obra empacota a produção de Milton em uma embalagem comercial para degustação de uma classe média sem referência cultural e que se deslumbra diante de qualquer coisa com roupagem Broadway. Preste anteção nas coreografias óbvias e em como os intérpretes parecem não saber o que estão cantando. Se assistir ao musical, depois que chegar em casa, tente ouvir todas as canções no original. Será um grande alívio.
Sex. (24), às 18h30 e 21h30; sáb. (25), às 21h; dom. (26), às 20h. No Teatro GEO (r. Coropés, 88, Metrô Faria Lima, São Paulo, tel. 0/xx/11 3728-4930). R$ 100 a R$ 150. 18 anos. Até 26/5/2013.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Felipe disse:

    Assim como a obra de Milton Nascimento foi empacotada para digestão de uma classe média não tão erudita, a MTV propaga as ideias de sua agenda com a outra peça. Nisso tudo, quem brilha é Malu, no papel de Dorothy em O MAGO DE OZ. E ainda que discorde do discurso da obra, aplaudo a interpretação de Roberto Reineger.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *