Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

Georgette Fadel retratada pelo fotógrafo Bob Sousa: esta mulher não para

Por Miguel Arcanjo Prado

Corra, Georgette, corra!
Georgette Fadel, nossa talentosa atriz, terá um fim de semana de puro corre-corre. Mas, antes, conseguiu um tempinho para posar para nosso grande fotógrafo, Bob Sousa. Ela finaliza temporada no CIT-Ecum (r. da Consolação, 1.623, Metrô Paulista) de dois espetáculos. Nesta sexta (24), às 23h, faz a última apresentação de Entrevista com Stela do Patrocínio, na qual atua com Juliana Amaral e Lincoln Antonio. Já no sábado (25), também às 23h, é a vez de encerrar Música de Gaveta – Com(s)certo para Piano e Atrizes, com ela, Isabel Teixeira e piano de Lincoln Antonio. Para acabar, no domingo (26), às 15h, ela termina Breviário – Gota D’Água. Ah, lembrando que nesta sexta e sábado, também às 15h, Georgette ainda encontra fôlego para fazer o consagrado espetáculo de rua Barafonda, que sai sempre da praça Marechal Deodoro, em frente ao Minhocão. Essa mulher é um trator teatral.

Otto Jr. encerra temporada como o deus grego Apolo no Teatro Augusta – Foto: Bob Sousa

Otto, o deus grego
Otto Jr., o ator pé quente na coluna, encerra neste fim de semana temporada da peça Oréstia, no Teatro Augusta, em São Paulo. Tem esta sexta (24) e sábado (25), 21h, e domingo (26), 18h. Ele vive Apolo, o deus grego. Otto, que é uma simpatia só, posou, encabulado, para o nosso Bob Sousa no palco, pouco antes de começar uma sessão. Beleza pura. A quem já está com saudade, o mineiro radicado em São Paulo avisa que retorna aos palcos paulistanos em setembro, com Nada – Uma Peça para Manoel de Barros, com direção dos Irmãos Guimarães e Miwa Yanagizawa, no Sesc Belenzinho. Vamos aguardar ansiosos.

Sucesso no Rio: Ed Moraes em Limpe Todo Sangue Antes que Manche o Carpete – Foto: Cabéra

Sucesso carioca
Olha, aí, acima, o nosso inquieto Ed Moraes, no palco do Teatro Gamboa, no Rio, no último fim de semana, como o introvertido Wilson. Ele levou a peça Limpe Todo Sangue Antes que Manche o Carpete para o projeto Cena Carioca, de Jô Bilac, autor do texto. A montagem da Cia. dos Inquietos foi um sucesso. Que bom.

Vem coisa boa por aí: Maria Carolina Dressler está mergulhada nos ensaios de Monga – Foto: Andréa Iseki

Monga
A atriz Maria Carolina Dressler está mergulhada até a cabeça no espetáculo Monga, que deve chegar aos palcos paulistanos ainda neste ano. A peça é inspirada no famoso número da mulher que vira gorila e também na criadora da personagem, a mexicana Julia Pastrana, que tinha o corpo coberto de pelos e virou atração pública. A obra tem influência do cineasta italiano Marco Ferrreri, que fez o filme La Donna Scimmia, de 1964, sobre a impressionante história. Maria foi para a Itália no ano passado, para pesquisar a obra, e já está na fase final de ensaios da peça. A montagem está em busca de patrocínio para finalizar a produção e chegar aos palcos no segundo semestre. É coisa de primeiríssima qualidade.

Agenda Cultural
Veja no vídeo os destaques na Record News

Com edição de Nathalia Boscolo, editora da Record News

Viva os musicais!
O Sesi-SP lançou com toda a pompa na última segunda (20) seu Projeto Educacional em Teatro Musical, que nada mais é do que uma escola para artistas que desejam trabalhar neste tipo de produção, em franco crescimento no País. “O teatro musical é umsegmento muito importante da nossa indústria cultural. Tem público, tem talentos à disposição, mas ainda enfrenta carência de formação profissional”, discursou Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Sesi-SP. A entidade vai patrocinar ainda o musical A Madrinha Embriagada, que terá direção de Miguel Falabella. A temporada será de quase um ano e o público esperado é de 150 mil pessoas. O orçamento é de R$ 14 milhões e não usa verba de leis de incentivo. Grandes nomes do teatro musical, como Saulo Vasconcelos, Sara Sarres e Cleto Baccic participam do projeto.

Cobertura
Fissuradas nos musicais, as meninas do site Cena Musical, amigas da coluna, avisam que fizeram cobertura completa do evento. Você pode ver aqui.

Quem te viu, quem te vê: o ator Cleto Baccic – Foto: Divulgação

Subiu à cabeça?
Ao que tudo indica, o ator Cleto Baccic já não é mais o mesmo. O moço, que costumava ser uma simpatia só na época em que atuava nos musicais Mamma Mia e Cats, agora parece ter se esquecido dos velhos tempos, sobretudo após ficar amigo do global Miguel Falabella e ser produtor do musical do Sesi-SP. A coluna ficou sabendo que Cleto tratou com arrogância e desdém alguns jornalistas que tentaram abordá-lo na última segunda (21), para divulgar justamente o trabalho dele, no evento que lançou a escola de musicais do Sesi. A coluna torce para que o moço reflita e volte a ser o que era.

Espera, Joaquim!
Angela Ribeiro, nossa talentosa atriz, fez um pacto com seu bebê, Joaquim, por enquanto ainda dentro de sua barriga (veja O Retrato do Bob com ela). Ele não pode nascer até terminar a última sessão da peça Zucco (leia a crítica), neste domingo (26), no Teatro Laboratório da EAD, na USP. Parece que Joaquim está cumprindo sua parte do acordo.

Para os manos e minas
O Grupo Gattu fará cinco apresentações da comédia policial Frisante no Teatro do Corinthians, no Parque São Jorge, em São Paulo. Todos os sábados de junho, às 21h. Eloisa Vitz, a diretora, conta que a peça tem uma pegada cinematográfica. 

Coisa do passado: Zé Celso postou uma foto dos tempos em que ele e Gerald eram amigos – Arquivo Zé Celso

Gerald Thomas x Zé Celso 1
Após tentar tocar as partes genitais da panicat Nicole Bahls, Gerald Thomas resolveu criar coragem no Facebook para atacar José Celso Martinez Corrêa. Disse que o líder do Teatro Oficina “conseguiu milhões” da Petrobras e que o mesmo não deveria tirar dinheiro de “grupos novos” na Lei do Fomento de São Paulo. E ainda disse que “Zé Celso nunca foi torturado”.

Gerald Thomas x Zé Celso 2
Gerald Thomas respondeu ao diretor Rodolfo García Vázquez, do Satyros, que se dizia indignado na rede social com o fato de o Oficina ter ficado sem a verba municipal.

  Gerald Thomas x Zé Celso 3
Diante do fuzuê, Zé Celso postou em seu blog resposta ao ataque. Disse que “Gerald não tem noção do que está falando” e que é injusto “receber uma porrada dessas como se eu fosse um corrupto”. Ela ainda falou que “não se vangloria” de ter sido torturado e jamais fez marketing disso. Zé Celso lembrou também sua militância pela Lei do Fomento e contou que só foi beneficiado pela mesma uma única vez. 

 Gerald Thomas x Zé Celso 4
Zé Celso ainda fez questão de esclarecer: “Tenho 52 anos de Oficina, sou um homem que não tem propriedades, seguro saúde, uso táxi porque sou cardíaco. Vivo modestamente e apenas com o dinheiro da anistia”. Os R$ 9.000 que recebe mensalmente por ter sido torturado (leia reportagem deste vosso colunista no R7 na época em que ele foi indenizado pelo governo federal) financiam, segundo Zé Celso, suas “contas, remédios para o coração e para uma ou outra coisa no Oficina”.  

 Gerald Thomas x Zé Celso 5
O novo espetáculo do Oficina, Cacilda!!! Glória no TBC receberá em julho patrocínio da Petrobras. Há cinco meses, segundo o diretor, o grupo ensaia a obra sem dinheiro. “Não fazemos teatro por conta de edital. Aqui a gente não para de trabalhar, simplesmente porque eu vivo de teatro, não só economicamente, é uma questão de vitalidade. A minha vida depende do meu trabalho, do teatro”, concluiu Zé Celso.

Zé Celso chora ao receber indenização por ter sido torturado – Foto: Julia Chequer/Arquivo R7 – 7/4/2010

Camila Pitanga: ela agora é do teatro alternativo – Divulgação

Global debaixo do Minhocão
Como a coluna já informou, Camila Pitanga agora é figurinha fácil na linha vermelha do Metrô de SP. A linda atriz sempre desce na Estação Marechal Deodoro e cruza a pé a avenida São João, passando debaixo do Minhocão, em direção à Casa Livre, na rua dos Pirineus. É lá que ela ensaia nova peça com Aury Porto sob direção de Georgette Fadel. Os moradores da Barra Funda já estão acostumados com a visitante ilustre.

Global debaixo do Minhocão 2
Falando em Camila, a diva da TV foi ver no último fim de semana o espetáculo Barafonda, da Cia. São Jorge de Variedades. Levou a filha, Antônia, de quatro anos.

O secretário Juca Ferreira: diálogo com a classe teatral – Foto: Divulgação

Vamos ver o Juca!
O secretário de Cultura do município de São Paulo, Juca Ferreira, se encontra com a classe teatral nesta segunda-feira (27), a partir das 18h30, na sala Adoniran Barbosa do Centro Cultural São Paulo. Os ingressos serão distribuídos duas horas antes. Na pauta, as políticas municipais para a turma das artes cênicas, dentro do projeto #existedialogoemsp. É a chance de ficar cara a cara com quem realmente decide as coisas.

ZL, não!
Falando em políticas culturais, tem grupo teatral graúdo de São Paulo que recusou se apresentar em espaços culturais públicos na zona leste. Que feio.

Exemplo
Pois a melhor atriz de 2012 do R7, Einat Falbel, deu exemplo ao se apresentar no Teatro Martins Penna, na Penha, com a peça Ensaio para Inverno, baseada no texto A Mulher Desiludida, de Simone de Beauvoir. Einat é das nossas. E que sirva de lição.

Livro, revista e homenagem
O colega da coluna de APCA Jefferson Del Rios vai lançar seu livro O Teatro de Victor Garcia – A Vida Sempre em Jogo, com edição do Sesc São Paulo, na noite da próxima segunda (27), na SP Escola de Teatro, no centro de São Paulo. Na mesma noite, Maria Alice Vergueiro receberá homenagem e será lançada a quarta edição da revista A[L]Berto, especializada em textos sobre teatro.

De volta
A turma do Núcleo Experimental manda avisar que a peça Universos volta ao cartaz no dia 7 de junho. Em cena, Bruna Thedy e Thiago Ledier sob direção de Zé Henrique de Paula com a história de amor entre um apicultor e uma cientista escrita pelo jovem inglês Nick Payne.

Gente de teatro
Falando em Núcleo Experimental, o fotógrafo Eduardo Enomoto invadiu para a coluna o escritório do teatro e registrou Sergio Mastropasqua em sua mesa de trabalho. Por lá, os espetáculos, sempre muito bem produzidos por ele, não param. E, apesar de trabalhar tanto nos bastidores, Sergio consegue ainda arrebentar no palco, como protagonista da peça Cândida, na qual faz triângulo com Patrícia Pichamone e Thiago Carreira. A obra está em cartaz no espaço da rua Barra Funda, 637, de sexta a segunda. Todo mundo tem de ver. Afinal, Sergio Mastropasqua é, sem sombra de dúvidas, um grande homem de teatro.

O ator e produtor Sergio Mastropasqua: à frente das produções do Núcleo Experimental – Foto: Eduardo Enomoto

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Felipe disse:

    Embora a Otto Júnior tenha chegado o papel de Apolo – por mérito -, a excelente foto de Bob Sousa (d´A FOTO DE BOB) nos faz lembrar mais um ARES. Creio que ele faria um ARES com perfeição. Quem sabe numa outra peça. Mudando de assunto e falando sobre MONGA, achei a ideia genial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *