Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

Enquanto o ar está irrespirável, ainda há o riso da criança: peça lembra poesia artesanal – Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

Sorriso de criança
Enquanto a rua pega fogo, a coluna tentou achar alguma imagem de esperança trazida pelo teatro. Porque a coisa está difícil. Mas encontrou este sorriso genuíno das crianças que participam do espetáculo Artesão da Alegria. A montagem as faz recordar que o brinquedo artesanal é melhor e bem mais poético que o industrial. A peça infantil circula por quatro cidades do Paraná neste mês, pelo projeto de circulação do Grupo Malasartes no Vale do Ribeira, que levou o Prêmio Funarte Myriam Muniz de 2012. Na obra, as crianças conhecem o ofício de quem constrói brinquedos. E todas colocam a mão na massa. Já foi vista por 10 mil pessoas em mais de 200 apresentações. A direção é de Luis Carlos Teixeira da Silva. No elenco, estão Adriane Havro e Vinícius Mazzon, que fizeram a dramaturgia ao lado do diretor. Ricarod Garanhani assina cenário e figurinos. Já Luciano Coelho fez o vídeo. Ainda há apresentações em Cerro Azul, no dia 20, em Ulysses, no dia 21, em Bocaiúva do Sul nos dias 27 e 28 de junho. Um toque de paz.

Agenda Cultural da Record News

Toque incômodo
Na estreia para convidados da peça Aos Nossos Filhos, no Sesc Santana, na última sexta (7), um celular insistia em tocar nos momentos mais dramáticos da obra. E tocou duas vezes. Uma vergonha.

Saiu à francesa
Após os aplausos às atrizes Maria de Medeiros e Laura Castro em Aos Nosso Filhos, a última chamou ao palco o diretor, João das Neves. Avesso a este tipo de exposição, ele fugiu para o saguão do teatro assim que escutou seu nome no palco. A coluna viu.

A repórter Giuliana Vallone, da Folha de S.Paulo, foi atingid ano olho por bala de borracha disparada pela PM – Foto: Diego Zanchetta/Estadão Conteúdo

Existe Guerra em SP 1
A quinta-feira (13) foi marcada pela violência policial contra manifestantes e a imprensa nas ruas de São Paulo. A manifestação não é só pelo aumento de 20 centavos no transporte público, a discussão vai bem mais além. Além de estudantes, vários artistas do teatro também fizeram parte da manifestação. A coluna falou com vários deles. Todos confirmaram que a polícia, como mostraram as imagens na TV, foi quem começou o confronto e partiu para a violência. A coluna prefere não dar os nomes dos artistas que tomaram as ruas, já que a repressão está de volta, urgindo feito gorila por aí. Assustadoramente.

Existe Guerra em SP 2

Na estreia da peça Uma Vida no Teatro, com Francisco Cuoco e Angelo Paes Leme, na noite desta quinta (13), o assunto no saguão era um só: a guerra em São Paulo entre polícia e manifestantes.

Existe Guerra em SP 3
A grande maioria apoiava o movimento na luta contra o aumento das tarifas do transporte público. “Eles estão mais do que certos”, era a frase que mais se ouvia no saguão do Teatro Vivo.

Existe Guerra em SP 4
As assessoras de imprensa da peça, Célia Forte e Daniela Bustos, ficaram presas no caminho na rua Augusta, no meio do confronto, no qual policiais atiraram balas de borracha e bombas vencidas nos manifestantes. Conseguiram sair ilesas por muito pouco. Chegaram ao teatro assustadas e dando todo o apoio aos manifestantes.

Existe Guerra em SP 5
A estreia da peça Festa no Covil no Sesc Consolação, próximo à rua Maria Antônia, onde houve parte da batalha, precisou ser adiada em 40 minutos por conta da guerra nas ruas.

Enquanto isso, a patriota
Na penúltima sessão da peça WWW para Freedom, no sábado (8), uma espectadora cantou junto com o ator Esio Magalhães o Hino da Proclamação da República, em uma das cenas da peça em que o palhaço Zabobrim ironiza o discurso patriótico bélico. Ela não deve ter entendido nada.

O fim
A coluna termina com estas tristes imagens das ruas de São Paulo. Sem mais.

Imagens da violência policial contra a imprensa e os manifestantes em SP nesta quinta (13) – Montagem/R7

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *