Crítica: Apesar da entrega de Francisco Cuoco, Uma Vida no Teatro não está à altura de seus 80 anos

Angelo Paes Leme e Francisco Cuoco estão em Uma Vida no Teatro, em cartaz em São Paulo – Foto: João Caldas

Por Miguel Arcanjo Prado

Francisco Cuoco resolveu celebrar no palco seus 80 anos, que completará em 29 de novembro próximo. Afinal, o grande ícone da televisão deus seus primeiros passos na carreira na Escola de Arte Dramática da USP, onde se formou ator. Assim, a comemoração tinha mesmo de ser em São Paulo, sua cidade natal – Chico é do Brás, como diz com muito orgulho.

Entretanto, apesar da efeméride pomposa, o ator não encontrou produção à altura, infelizmente. Uma Vida no Teatro, peça escrita pelo norte-americano David Mamet e dirigida por Alexandre Reinecke é calcada no embate de ego entre dois atores de diferentes gerações: o experimente e solitário Robert, vivido por Cuoco, e o jovem prepotente John, papel de Angelo Paes Leme.

Com sua premissa inicial, a montagem poderia resultar em uma interessante e contundente discussão do fazer teatral, mostrando seus meandros, medos, erros e acertos. Contudo, a obra prefere sublinhar ininterruptamente o embate de egos de duas estrelas, um modelo de teatro velho e bem distante do feito na contemporaneidade, calcado, sobretudo, no trabalho coletivo.

Não há na obra uma visão do teatro como elemento político de transformação social. Nem vontade de discutir o que o fazer teatral tem de mais profundo e belo. O que se vê é um olhar superficial para as artes cênicas. Se o texto não propõe muito além do óbvio, a direção segue pelo mesmo caminho de falta de criatividade. É óbvia e aparenta ter sido feita a toque de caixas, sem doses de reflexão ou desejo de inovação.

Apesar dos pesares, Francisco Cuoco resiste bravamente e dá veracidade a seu personagem. É um bom ator, é respeitoso com seu ofício. Mesmo nos momentos mais arrastados da obra, Cuoco seduz e diverte a plateia, e se sobressai ainda mais nos embates com seu colega de cena. Cuoco, além de mais experiência, tem verdade cênica de sobra.

Falta a Uma Vida no Teatro o desenvolvimento do argumento inicial. A peça, que cria expectativa no começo, frustra seu expectador ao repetir o embate mesquinho entre os dois atores. Não surgem conflitos interessantes e a sensação é de que nada acontece, por mais que Cuoco se esforce. Uma pena.

Uma Vida no Teatro
Avaliação: Regular
Quando: Sexta, 21h30; sábado, 21h; e domingo, 18h. 70 min. Até 4/8/2013
Onde: Teatro Vivo (av. Dr. Chucri Zaidan, 860, Brooklin, São Paulo, tel. 0/xx/11 97420-1520)
Quanto: R$ 50 (sex. e dom.) e R$ 60 (sáb.)
Classificação etária: 12 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Felipe disse:

    Eu iria ver a peça para reverenciar o talento majestoso desse intrépido sagitariano do 1º Decanato, Francisco Cuoco.

  1. julho 1, 2013

    […] Rizzo. A comédia é seu grande filão. Costuma lotar as plateias. No momento, dirige a obra Uma Vida no Teatro, no Teatro Vivo, em São Paulo, com Francisco Cuoco e Ângelo Paes Leme no elenco. Está sempre […]

  2. agosto 26, 2013

    […] José do Egito, ele também dá expediente ao lado do grande Francisco Cuoco, no espetáculo Uma Vida no Teatro, no Teatro Vivo, em São Paulo. Foi lá, no palco, que ele posou para o nosso Bob Sousa. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *