R7 invade o Tusp e revela os bastidores da peça Zucco, da estreante Ordinária Companhia

Por Miguel Arcanjo Prado
Fotos de Bob Sousa

O Atores & Bastidores do R7 estava perambulando pela rua Maria Antônia, quando teve a ideia de entrar sem avisar no Tusp, no subsolo do histórico prédio da USP no centro paulistano. Eis que encontramos os atores da novíssima Ordinária Companhia, formada por atores recém-saídos da Escola de Arte Dramática da USP, que faziam o aquecimento para a peça Zucco, primeira montagem da trupe dirigida por José Fernando de Azevedo com a história do famoso serial killer italiano. Veja, abaixo, que beleza de imagens fez o nosso Bob Sousa. Ao fim, leia a crítica, veja o serviço da peça e saiba tudo sobre a festa que os meninos da Ordinária Companhia vão dar no próximo sábado (14), a Ordinight, para a qual todos já estão convidadíssimos.

Recém saídos da EAD, atores da Ordinária Companhia se aquecem para a peça Zucco, no Tusp – Fotos: Bob Sousa

Crítica: Formandos da EAD mostram vigor em Zucco

Por Miguel Arcanjo Prado

Estudar na mais tradicional escola de formação de atores do País tem seu peso. E os formandos da turma 61 da EAD, a Escola de Arte Dramática da USP (Universidade de São Paulo), parecem saber disso. É preciso avançar. Se mostrar. Dar cara a tapa.

E o fazem na montagem Zucco, com direção firme do diretor da escola, José Fernando de Azevedo.

Pós-moderna e repleta de recurso tecnológicos no palco e fora dele, a montagem conta a história do serial killer italiano Roberto Zucco, que se matou em 1988 aos 26 anos após cometer uma série brutal de crimes pela Europa, incluindo aí o assassinato de seu pai e de sua mãe.

A tragédia paira na obra do francês Bernard-Marie Koltès, que ficou impressionado com a força daquela história e a transformou em um bem sucedido texto, escrito pouco antes da morte do autor. O personagem parece saído de uma tragédia shakespiriana diretamente para os frenéticos anos 1980, sutilmente lembrados nos figurinos de Aurea Teixeira.

Rafael Lozano, em primeiro plano, faz Roberto Zucco – Foto: Cau Vianna

O espetáculo já foi montado há três anos, com sucesso, pelo grupo Os Satyros, com direção de Rodolfo García Vázquez, também na capital paulista. Na montagem, Robson Catalunha assumiu o papel-título.

Na montagem da EAD quem protagoniza é Rafael Lozano. O ator possui corpo rijo e sedutor, mas, falta-lhe, em muitas cenas, a densidade que o papel pede. Mas o  jovem se sobressai na cena cinematográfica que acontece fora do teatro e é acompanhada pelo público pelo telão que invade a bem resolvida cenografia clean de Danilo Eric, em formato de casa.

Outra que faz desta cena o seu grande momento no espetáculo é Melissa Campagnoli, na pele de uma madame segura e destemida em seu encontro com o serial killer. A mesma atriz exala sensualidade desmedida quando interpreta a prostituta.

A atriz Aurea Barros Teixeira também vai bem como a irmã que se torna garota de programa. Já Giuliana Oliveira fica melhor no papel de prostituta do que quando faz a mãe de Zucco. Luis Gustavo Luvizzotto e Paulo Balistieri se desdobram em variados personagens. O primeiro se sobressai quando faz o menino que é despido aos olhos de todos, em corajosa entrega. Já o segundo tem seu melhor momento como o cafetão.

Mãe recente, a atriz Angela Ribeiro emociona como a mãe da menina interpretada com segurança por Juliana Belmonte.

O drama do espetáculo, fragmentado, se desenrola em episódios, cada qual com sua gama de suspense. A tragédia não para e a montagem segue seu rumo com canções arranjadas por Vítor Caffaro e executadas pelo afinado elenco – mérito para o preparo vocal de Monica Montenegro –, acompanhado dos músicos Chico Ribas e Raul Lozano. Denilson Marques assina luz fria, tal qual a história que se desenrola no tablado.

Zucco tenta escrutar a cabeça de um assassino. Mas sabe que é algo sem explicação, tal qual é a violência nua e crua. E a montagem da EAD embarca na história com vigor e entrega de quem chega com garra à profissão de ator. Bem-vindos e boa sorte a todos da turma 61.

Zucco
Avaliação: Bom
Quando: Sexta e sábado, 21h, domingo, 19h. 90 min. Até 29/9/2013
Onde: Tusp  (r. Maria Antônia, 294, Consolação, São Paulo, Metrô Santa Cecília, tel. 0/xx/11 3123-5233)
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Classificação etária: 16 anos

Detalhes dos cartazes da festa Ordinight, dos meninos da Ordinária Companhia – Divulgação

Ordinight (festa da Ordinária Companhia)
Quando: 14/9/2013 (sábado), 23h
Onde: Espaço Maquinaria (r. 13 de maio, 240, Bela Vista, São Paulo)
Quanto: R$ 10 (nome na lista [email protected]) ou R$ 15 na porta (pagamento apenas em dinheiro)
Classificação etária: 18 anos
DJs convidados: Carol Biachi, Tomás Decina, Fernanda Mandagará, Roberto Audio, Angela Ribeiro, Conrado Caputto, Livia La Gatto, Carla Zanini e Hélio Flanders; participação especial de Thiago Amaral ou Amoral

Veja as dicas da Agenda Cultural da Record News (toda sexta, meio-dia):

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Felipe disse:

    Respeito o esforço da Turma 61 e desejo boa sorte a todos, porém confesso ter preguiça dessa verdadeira obsessão em ficar mostrando a infelicidade, o amargor, enfim, o nada. Esse culto à violência para mim é uma chatice. Prefiro peças menos complexas com valores cristãos como bondade, generosidade e companheirismo ou até ver uns filmes antigos e bem açucarados estrelados pela Doris Day.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *