Artistas se contorcem feito lagarta debaixo de papel no Museu do Café durante a Bienal Sesc de Dança

Artistas do Paraná criam formas com o corpo debaixo do papel na Bienal de Sesc Dança – Foto: Ed Figueiredo

Por Miguel Arcanjo Prado
Enviado especial do R7 a Santos (SP)*

O Museu do Café, tradicional prédio turístico do centro histórico de Santos, no litoral paulista, virou cenário de uma inusitada performance artística na Bienal Sesc de Dança.

Na sala principal do edifício, um grupo de três intérpretes se enfiou debaixo de uma quantidade enorme de papel branco, como se fosse lagartas em casulos.

Karenina de Los Santos, Bruna Spoladore e Ana Beatriz Figueiredo fizeram movimentos lentos debaixo do amontoado de papel, criando formas poéticas e até surpreendentes durante 40 minutos, no espetáculo Big Bang Boom, da paranaense Michele Moura.

O público, no começo, demonstrou surpresa e curiosidade diante da performance. Mas, houve também quem fizesse cara de tédio ou até cochilasse diante dos lentos movimentos feitos abaixo do papel, como observou a reportagem do R7. Boa parte da plateia da performance era constituída de outros artistas que participam da Bienal de Sesc de Dança, que termina nesta quinta (12).

Tradicional edifício histórico do centro de Santos, Museu do Café foi palco para Big Bang Boom – Foto: Ed Figueiredo

O programa de Big Bang Boom diz que “entre camadas de papel sobrepostas” as artistas criam “relevos, texturas e figuras abstratas”. E ainda informa que “o processo de destruição e criação é evidenciado de forma lenta, e a intensidade da ação é capaz de abalar a percepção que se tem do tempo e do espaço”.

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite da Bienal Sesc de Dança.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Felipe disse:

    Já nessa peça eu não faria cara de tédio e nem cochilaria. Isso posso afirmar com certeza. Só pelo fato de não estar explorando nudez (o que parece ser uma “febre”), essa peça já ganha minha simpatia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *