Bienal Sesc de Dança de Santos foi vista por 70 mil

Cena do espetáculo mineiro Mono-Blocos, apresentado na Bienal Sesc de Dança – Foto: Roberto Assem

Por Miguel Arcanjo Prado
Enviado especial do R7 a Santos (SP)*

O Sesc São Paulo informou o balanço final de público da 8ª Bienal Sesc de Dança, realizada no Sesc Santos, no litoral paulista, entre 5 e 12 de setembro de 2013.

Segundo a instituição, o evento foi visto por 70 mil pessoas.

Foram 22 espetáculos ao todo, vindos do Brasil, Bélgica, França, Chile e Uruguai. Estes trabalhos foram selecionados pela curadoria entre 546 projetos inscritos de 445 grupos de 16 Estados Brasileiros e 15 países.

Como visto pelo R7, que cobriu o evento, a curadoria optou por trabalhos mais próximos da performance do que da dança tradicional.

O que se viu, em grande parte das apresentações, foram “performances cabeça” e de pegada “egotrip”.

Luiz Ernesto Figueiredo, o Neto, gerente do Sesc Santos, afirma ao R7 que “os objetivos foram atingidos”.

Segundo ele, houve 15% de crescimento de público em espetáculos nos quais houve cobrança de ingresso em relação à edição de 2011.

— Isso mostra nossos acertos. O público está entendendo cada vez mais o movimento da dança. Acho que gostar ou não gostar faz parte do processo democrático.

O festival pretende continuar na mesma linha nas próximas edições, de acordo com Neto.

— A dança convencional não é nossa proposta. O movimento do corpo é que é nosso objetivo. Não tem pecado nenhum fazer a dança tradicional, mas nosso conceito é outro. O Sesc continua com a proposta do movimento. Propor, provocar e discutir está dentro do nosso contexto.

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite da Bienal Sesc de Dança.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Felipe disse:

    Concordo com o “propor” e o “discutir”. Já quanto ao “provocar”, acho que há um limite para tudo na vida. Mas celebro a dança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *