Crítica: Comédia Divórcio alfineta “personalidades da mídia” e tem Suzy Rêgo como destaque

Suzy Rêgo, Pedro Henrique Moutinho, Renata Brás e José Rubens Chachá – Divulgação

Por Miguel Arcanjo Prado

Fazer comédia não é nada fácil. Convencer o público a dar risada de forma espontânea e ainda com certa dose de reflexão é tarefa para poucos.

Pois o humor crítico é a tônica da comédia Divórcio, em cartaz no Teatro Fernando Torres, em São Paulo — já vista por 40 mil pessoas.

O texto de Franz Keppler, dramaturgo que vem se destacando na cena teatral brasileira contemporânea, apresenta o dilema de um ex-casal de advogados que se odeia e acaba se reencontrando profissionalmente em uma ação de divórcio: ele defende uma moça que se define “atriz, modelo, bailarina e personalidade da mídia”, enquanto ela, o jogador de futebol em ascensão com quem a garota foi casada e agora de quem deseja arrancar todo dinheiro possível.

Inteligente, o texto de estreia de Klepper na comédia enfia o dedo na ferida do comportamento atual da sociedade brasileira e da imprensa, mergulhados ambos no frenesi de acontecimentos fabricados das subcelebridades, feitos sob medida para repercussão imediata e “espontânea”.

O diretor Otávio Martins também se faz presente, encontrando soluções que dão leveza e envolvimento maior do público – a cena do flagrante feito por um paparazzi da briga do casal midiático é um grande achado.

José Rubens Chachá, como o advogado, mostra domínio preciso de um bom ator de comédia. Sabe fazer as deixas que provocam gargalhadas no público no tempo certo.

Mesmo assim, é Suzy Rêgo quem traz o público consigo nesta montagem: mais do que técnica, a atriz está crível na pele da advogada, personagem que ela agarra com unhas e dentes. O público não sente só o trabalho de corpo e voz da atriz, como também sua alma – o que é mais importante. Suzy Rêgo está ali naquele palco por inteira. E o espectador a segue, porque não sobra alternativa.

O outro casal da peça, formado por Renata Brás e Pedro Henrique Moutinho, fica atrás do par de advogados. Não porque seus papéis sejam coadjuvantes – muito pelo contrário, a dramaturgia de Klepper dá peso praticamente igual aos quatro personagens –, mas, porque a verdade possível é engolida pela caricatura.

Isso até pode ser enxergado como uma proposta, já que tais tipos na vida real realmente chegam a ser caricatos; contudo, os que povoam a TV e sites ainda conseguem maior verossimilhança em sua construção bizarra do que os tipos apresentados no palco.

Divórcio é uma comédia para divertir a plateia ao mesmo tempo em que busca uma reflexão profunda da maneira como a nossa sociedade – e a grande mídia está embutida aí – valoriza as pessoas pela quantidade de cliques de paparazzi que elas rendem e não pelo seu real talento ou valor. O espetáculo é feito de humor inteligente e está ligado ao seu tempo, e ainda traz o brilho de uma atriz entregue chamada Suzy Rêgo.

Divórcio
Avaliação: Bom
Quando: Sexta, 21h30; sábado, 21; e domingo, 19h. 80 min. Até 17/11/2013
Onde: Teatro Fernando Torres (r. Padre Estevão Pernet, 588, metrô Tatuapé, São Paulo, tel. 0/xx/11 2227-1025)
Quanto: R$ 40 (sexta e domingo) e R$ 50 (sábado)
Classificação etária: 14 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Suzy disse:

    Miguel Arcanjo, fiquei muito emocionada por sua crítica ao nosso espetáculo e especialmente ao que disse sobre meu desempenho. “Divórcio” é uma peça que eu cuido feito filho deve ser cuidado e amado, fico muito feliz que isso seja claro para quem nos assiste.

  2. Felipe disse:

    Bom saber que Suzy Rêgo está bom e encantando a todos com sua arte. Torço também pelo Moutinho! Chachá já é um nome conhecido, com seu espaço no Teatro, fato que não se discute. Boa sorte também à Renata Brás! Um elenco de pessoas muito boas.

  3. sandra mascarengas da silva disse:

    Ri muito, me diverti por 3 vezes ao repetir a dose vendo divórcio, um elenco delicioso de se ver

  4. Felipe disse:

    Só uma correção na minha mensagem: onde se lê “está bom”, leia-se “está bem”. E um adendo: muito cortês da artista citada, Suzy Rêgo, vir aqui agradecer a crítica. Isso, além de demonstrar educação, é também mostrar humildade. Educação cabe em qualquer lugar. Parabéns, Suzy, pelo desempenho e pela educação! E parabéns à família de Suzy, que soube educá-la bem para saber como se portar socialmente com dignidade!

  5. Felipe disse:

    Pois é, Miguel. Suzy deveria ser convidada a dar aulas de etiqueta para alguns deslumbrados com o mundo da fama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *