Morre Fauzi Arap aos 75 anos em SP – “Ele se preparou e morreu sereno”, diz sobrinho

Fauzi Arap morreu aos 75 anos – Foto: SP Escola de Teatro

Por Miguel Arcanjo Prado

Será velado na noite desta quinta (5) na Catedral Ortodoxa do bairro do Paraíso, em São Paulo, o corpo do diretor, dramaturgo e ator Fauzi Arap.

Ele morreu em casa, na capital paulista, aos 75 anos, na madrugada desta quinta, segundo divulgou o site da SP Escola de Teatro, ligada ao governo estadual paulista. O artista sofria de câncer na bexiga.

O enterro do corpo será nesta sexta (6), às 11h, no Cemitério São Paulo, em Pinheiros, na zona oeste.

Leia também: Morre Nelson Mandela

O R7 conversou com Fábio Atui, sobrinho de Fauzi Arap que é médico e cuidou do familiar. Segundo ele, a partida do tio foi do modo como ele queria.

– Ele morreu sereno e viveu a vida como ele quis. Ele se preparou para este momento. Ele detestava as coisas materiais e arrumou tudo para partir.

Crítico teatral e ex-presidente da APCA, Aguinaldo Cristófani Ribeiro da Cunha afirmou que ficou “profundamente chocado” com a morte de Arap. Ele conheceu o diretor por meio de sua prima, Myriam Muniz.

– É uma perda enorme para o teatro brasileiro, por seu talento e postura como homem de teatro. Perda irrecuperável para nós, seus amigos. Seu teatro era autoral, personalíssimo, desde sempre.

Claudia Mello, que está em cartaz na obra Chorinho, dirigida e escrita por Arap, ao lado de Denise Fraga, falou, emocionada ao R7. A atriz era amiga do diretor havia mais de 40 anos.

– Ele deixa uma contribuição incrível ao teatro brasileiro. Ele uniu estética e ética. Ele tinha uma sensibilidade única e revolucionou a forma de se fazer teatro. Eu sempre ia visitá-lo.

Claudia Mello revelou que ela e Denise Fraga irão homenagear Fauzi Arap em Brasília, neste fim de semana, onde apresentam Chorinho no Teatro Brasil 21 Cultural, de sexta (6) a domingo (8). Ela ainda contou que planejava com Denise Fraga montar um novo texto de Arap, Doutor, Eu Quero Alta, em 2014.

Homem do teatro

Arap integrou o Teatro Oficina no começo do grupo, ao lado de José Celso Martinez Corrêa. Ganhou o Prêmio Saci, oferecido pelo jornal O Estado de S. Paulo, e também o Prêmio Governador do Estado, como melhor ator coadjuvante na peça A Vida Impressa em Dólar, de 1961.

Natural de São Paulo, onde nasceu em 1938, Arap era engenheiro civil pela USP (Universidade de São Paulo). Ele também trabalhou no Teatro de Arena.

Como diretor, apresentou textos de autores que se consagrariam mais tarde, como Plínio Marcos e Antônio Bivar. Em 1971, dirigiu Maria Bethânia no show Rosa dos Ventos. Recentemente, escreveu e dirigiu a peça Chorinho, que estreou em 2007 com Claudia Mello e Caio Blat, depois substituído por Denise Fraga no elenco.

Fauzi Arap, à esq., conversa com José Wilker, Glauce Rocha, Clarice Lispector e Dirce Migliaccio sobre o espetáculo Perto do Coração Selvagem, primeira vez de um texto de Clarice no teatro, dirigido por Fauzi, em 1964 – Foto: Acervo Funarte

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

É uma perda enorme para o teatro brasileiro, por seu talento e postura como homem de teatro. Perda irrecuperável para nós, seus amigos. Estou profundamente chocado. Fauzi era muito querido. Homem e artista de grande e singular personalidade. Ganhou o Grande Prêmio da Crítica da APCA não faz muito tempo, não foi buscá-lo pessoalmente, é claro, mas enviou seus queridos amigos Nilton Bicudo, Cláudia Mello e Denise Fraga para representá-lo na cerimônia no Teatro Paulo Autran. Seu teatro era autoral, personalíssimo, desde sempre, que me lembre (Rosa dos Ventos e tantos outros grandes espetáculos). Muito amigo de Flávio Império. Eu o conheci através de Miriam Muniz, de quem era amigo e cuja casa frequentava com assiduidade. Ficamos amigos. Lembro-me dele, extraordinário ator, ao lado de Guarnieri e de Miriam, em O Inspetor Geral, e ao lado de Cleyde Yáconis em O Fardão. Fauzi era muito querido. Homem e artista de grande e singular personalidade. Ganhou o Grande Prêmio da Crítica da APCA não faz muito tempo, não foi buscá-lo pessoalmente, é claro, mas enviou seus queridos amigos Nilton Bicudo, Cláudia Mello e Denise Fraga para representá-lo na cerimônia no Teatro Paulo Autran. Seu teatro era autoral, personalíssimo, desde sempre, que me lembre (Rosa dos Ventos e tantos outros grandes espetáculos). Muito amigo de Flávio Império. Eu o conheci através de Miriam Muniz, de quem era amigo e cuja casa frequentava com assiduidade. Ficamos amigos. Lembro-me dele, extraordinário ator, ao lado de Guarnieri e de Miriam, em O Inspetor Geral, e ao lado de Cleyde Yáconis em O Fardão.Seu teatro era autoral, personalíssimo, desde sempreSeu teatro era autoral, personalíssimo, desde sempre.

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Felipe disse:

    Curto muito o trabalho de Caio Blat. Ele é um dos melhores de sua geração, sem qualquer dúvida. E é um ator versátil, pois faz papeis tão dóceis nas telenovelas que levei um susto ao vê-lo em personagens marginais em obras cinematográficas!
    Que Fauzi Arap descanse em paz!

  1. dezembro 5, 2013

    […] Morre Fauzi Arap aos 75 anos em SP – “Ele se preparou e morreu sereno”, diz sobrin… […]

  2. dezembro 8, 2013

    […] Arap morreu aos 75 anos – Foto: SP Escola de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *