Domingou: O que a gente quer no Natal

“E, no fundo, por mais que alguns relutem na dureza da vida líquida, cheia de relações inconsistentes, o que importa realmente no Natal é a veracidade dos sentimentos demonstrados” – Foto: Eduardo Enomoto

Por Miguel Arcanjo Prado*
Fotos de Eduardo Enomoto

O Natal é um grande espetáculo cênico. Em um cenário com árvores, luzes e até Papai Noel, personagens de todos os setores da sociedade se movimentam em seus papéis na festa.

“No Natal, há as crianças que esperam o Bom Velhinho e tentam vencer o sono persistente para vê-lo chegar, crentes da veracidade da fantasia que um dia lhe contaram” – Foto: Eduardo Enomoto

Há o pai e a mãe apressados que enfrentam lojas lotadas para comprar os presentes de última hora. Há as crianças que esperam o Bom Velhinho e tentam vencer o sono persistente para vê-lo chegar, crentes da veracidade da fantasia que um dia lhe contaram.

Há também aqueles que sofrem por perdas atuais ou do passado nesta época do ano e ficam tristes no dia de Natal. Enquanto outros preferem acreditam na tal magia e enchem suas casas de luzes e cores para um momento especial em família.

E, no fundo, por mais que alguns relutem na dureza da vida líquida, cheia de relações inconsistentes, o que importa realmente no Natal é a veracidade dos sentimentos demonstrados.

Porque, ao contrário de um bom espetáculo, no qual os atores são convincentes em sua atuação da mentira, no dia em que o mundo celebra o nascimento de Cristo, o que a gente quer realmente, seja no barraco ou no palácio, é aquele abraço carinhoso de quem nos ama de verdade.

Feliz Natal!

*Miguel Arcanjo Prado é jornalista e acredita no amor. A coluna Domingou, uma crônica semanal, é publicada todo domingo no blog Atores & Bastidores do R7.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Felipe disse:

    No Natal, a gente quer dignidade, paz e segurança. E, se possível, um pouco mais de doçura no quotidiano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *