Crítica: Com dramaturgia confusa, elenco guerreiro e tarimbado sustenta espetáculo A Última Sessão

Elenco potente segura o espetáculo A Última Sessão, em cartaz em SP – Foto: João Caldas

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Um time de atores tarimbados nos palcos dá ao espetáculo A Última Sessão o suporte que a dramaturgia deixa faltar. Por isso, o elenco guerreiro é o grande destaque desta montagem.

É claro que merece forte aplauso a realização de um espetáculo com atores na faixa etária acima dos 60, 70 e até 80 anos. Em um País onde se cultua o jovem incessantemente, a iniciativa do autor e diretor Odilon Wagner merece elogios fartos.

Contudo, a sensação que se tem ao ver a peça é que o texto não está à altura do elenco que a produção conseguiu reunir.

No palco, Laura Cardoso, Nívea Maria, Etty Fraser, Sylvio Zilber, Miriam Mehler, Sonia Guedes, Gésio Amadeu, Yunes Chami, Gabriela Rabelo e Marlene Collé formam um grupo de pessoas na terceira idade que acabam por fazer um embate revelador de seus respectivos passados de erros, culpas e ressentimentos.

Se a montagem acerta ao mostrar estes idosos como pessoas comuns, com erros e acertos, não infantilizando a velhice, falta estopo a alguns personagens e há ainda situações incômodas: como o racismo explícito sofrido pelo personagem de Gésio Amadeu, com palavras duras que deixam a plateia constrangida. E o pior: depois a cena é vergonhosamente justificada e atenuada pelo próprio texto. Alguns personagens não se desenvolvem: a de Gabriela Rabelo parece sequer ter função na história. Em alguns momentos, a trama mergulha em enredos dignos da novelista cubana Glória Magadan.

Cena de A Última Sessão: elenco é mais potente do que a dramaturgia – Foto: João Caldas

Mesmo com tais empecilhos, a peça consegue, aos poucos, abarcar o público para a convenção proposta. Contudo, quando o espectador consegue finalmente mergulhar na história, ele é sacudido na cadeira por uma guinada perigosa da trama, que mergulha num abismo profundo de emoções psicodramáticas, quebrando o clima e a convenção até então estabelecidos.

O elenco faz milagre com o que tem. Laura Cardoso se destaca como uma senhora moderníssima, libertária e livre de culpas. É realmente uma atriz conhecedora de seu ofício e sabe como dominar a plateia. Sonia Guedes, com sua personagem contida e angustiada, também é outro destaque justamente indo por outro lado: com uma proposta sutil e crível. Etty Fraser também é outra que conquista a plateia sobretudo com os fartos palavrões na boca de sua personagem – coisa que os brasileiros adoram ouvir.

O elenco de A Última Sessão é realmente guerreiro, porque consegue segurar a verossimilhança e carisma de seus personagens mesmo quando a peça imerge em uma confusão psicodramática.

A Última Sessão
Avaliação: Bom
Quando:  Quinta, 16h; sexta e sábado, 21h; domingo, 18h. 90 min. Até 27/4/2014
Onde: Teatro Shopping Frei Caneca (r. Frei Caneca, 569, 7º piso, metrô Consolação, São Paulo, tel. 0/xx/11 3472-2229)
Quanto: R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia-entrada)
Classificação etária: 12 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Felipe disse:

    Vou discordar do comentário de que brasileiro adora ouvir palavras chulas. Sou brasileiro e eu não só as evito, como acho bem feio quem as emprega. A pessoa pode externar a raiva sem se valer desse artifício. Acho bem desagradável conversar com quem emprega esse tipo de linguajar, principalmente quando é gente da turminha dos “Descoladinhos de Plantão”, que se usa dessa artimanha para chocar simplesmente por chocar os outros.
    Quanto ao elenco, concordo totalmente com o que escreveu. Excelente elenco e texto oportuno.

  2. Bea Couto disse:

    Assisti a peça nesse sábado. Minto, sai no meio da apresentação. Não gostei. Apelação dramatica e cômica. Muito drama por nada e muito palavrão por nada. Me cheirou a peça caça niqueis com um elenco de primeira,mas diga-se de passagem: péssima a dicção de Laura Cardoso… Péssimo texto, cansativo, bobo. Uma pena …..esperava mais desse espetaculo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *