Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

Aclamada pela crítica, Recusa faz temporada gratuita no Bom Retiro, em SP – Foto: Alê Catan/Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Brincar de índio
Recusa, peça da Cia. Teatro Balagan, volta ao cartaz no próximo dia 19. Dessa vez, fica até dia 12 de abril na Oficina Cultural Oswald de Andrade, que fica na rua Três Rios, 363, no Bom Retiro, em São Paulo. A entrada será grátis, de quarta a sábado, sempre às 20h, até 12 de abril. Os ingressos serão distribuídos meia hora antes. Vai ter gente se estapeando para ver Antonio Salvador e Eduardo Okamoto de indiozinhos…

Embarque imediato
Na sequência, a peça segue para Rondônia, onde será vista em Porto Velho e Ji-Paraná, cidade do índio que inspirou a peça dirigida por Maria Thaís e escrita por Luis Alberto de Abreu. Depois, vão para Belém e Altamira, no Pará. Tudo com o apoio do Prêmio Myriam Muniz, da Funarte, é claro.

Números
Além de ganhar APCA e Shell, Recusa já esteve em 18 cidades de oito Estados, além de ter sido apresentada em todas as comunidades indígenas da cidade de São Paulo. Eita.

Significado
Ah, Balagan, que dá nome ao grupo que faz Recusa, pode significar teatro de feira, baderna, bagunça ou confusão. O internauta escolhe a definição que melhor lhe apetecer.

Classe artística se despede do ator Paulo Goulart (foto) nesta sexta-feira (14) – Foto: Divulgação/Globo

Adeus, Paulo
A classe artística se despede nesta sexta (14) de Paulo Goulart, que morreu aos 81 anos na quinta (13), vítima do câncer. O velório vai até a hora do almoço no Theatro Municipal de São Paulo. Depois, o corpo segue para o Cemitério da Consolação, onde será enterrado às 14h.

Troca-troca
Oscar Magrini precisou sair da peça Tudo sobre os Homens. Partiu para outros projetos profissionais. Em seu lugar, assume Juan Alba, a convite do diretor Flávio Faustinoni. Reestreia dia 4 de abril, no Teatro Bibi Ferreira, em São Paulo. Recado dado.

Fuzuê
A sessão de Sobre o Conceito de Rosto no Filho de Deus, de Romeo Castellucci, que abriu a MITsp (Mostra Internacional de Teatro) no sábado passado (8) ficou marcada pelo número de convidados que superava o número de lugares disponíveis. Gente graúda do teatro paulistano ficou do lado de fora e foi embora para casa revoltada. Com razão.

Estrela
A atriz espanhola Angelica Liddell, que apresentou a peça Eu Não Sou Bonita nesta quinta (13) dentro da programação da MITsp, mandou avisar que não receberia jornalistas nem fotógrafos. Na montagem, ela se corta ao vivo e contracena com um cavalo de verdade no palco. Então, tá.

Ricardo Corrêa, na peça Edgar: drama de um homem que sofre de enxaqueca eterna – Foto: Divulgação

Peça da meia-noite
O drama psicológico Edgar fica em cartaz no Espaço dos Parlapatões, na praça Roosevelt, em São Paulo, todo sábado à meia-noite, até 31 de maio. Thiago Balieiro dirige o elenco formado por Alex Houf, Angela Ribeiro, Marisa Paiva, Roberto Rezende e Ricardo Corrêa. A dramaturgia é fruto de obra conjunta do grupo Eco Teatral. Conta a história de um homem cuja cabeça não para de doer, coitado.

Shows grátis
O Memorial da América Latina, em São Paulo, celebra seus 25 anos com três grandes shows gratuitos, sempre às 18h: no domingo (16), tem Elba Ramalho. Na segunda (17), Felipe Catto. Já na terça (18), para encerrar a festa, sobe ao palco Marcelo Jeneci. Imperdível.

Festibero
Falando em Memorial, o presidente da instituição, João Batista de Andrade, contou à coluna que mesmo com a reforma do auditório Simón Bolívar, que pegou fogo no fim de 2013, está mantido o Festibero, o Festival Ibero-americano de Teatro de São Paulo. Este ano o evento deve priorizar espetáculos de rua ou que possam ser feitos em tendas. Ele só está esperando sair o laudo final do prédio atingido pelo fogo, o que deverá ocorrer até maio, para marcar a data do evento. O Festival Latino-Americano de Cinema de São Paulo também está mantido, com exibição de filmes em tendas.

Agenda Cultural da Record News

Encontro marcado
A Cia. Elevador Panorâmico marcou para o dia 22 de março, no Teatro do Sesc Bom Retiro, em São Paulo, a estreia de sua nova peça: O Jardim das Cerejeiras, de Anton Tchekhov. Marcelo Lazzaratto comanda tudo.

Cena de Bandeira de Retalhos: os cariocas do Nós do Morro fazem turnê com a peça – Foto: Divulgação

Circulando
O musical Bandeira de Retalhos, do grupo carioca Nós do Morro, será apresentado na periferia do Rio e no litoral fluminense. Nos próximos dias será encenado no Teatro Armando Gonzaga, em Marechal Hermes, na Arena Carioca Jovelina Pérola Negra, na Pavuna, e no Teatro Carlos Zéfiro, em Anchieta.

Novos tempos
Muita gente ainda sente a saída da jornalista Erika Riedel do posto de diretora de Comunicação e Ideias da SP Escola de Teatro.

Alice Braga, na festa da APCA: só simpatia – Foto: Eduardo Enomoto

Lição
Alice Braga, nossa atriz que faz sucesso em Hollywood e já protagonizou filme ao lado de Will Smith, deu exemplo de simpatia e humildade na entrega do Prêmio APCA. Foi carinhosa com todos. Atendeu a todos os pedidos de entrevista e mais: chegou sozinha e foi embora do mesmo jeito, andando sem nenhum temor pelas ruas do bairro Pinheiros, em São Paulo, até encontrar um táxi. Gente como a gente.

Frase
A melhor frase do Prêmio APCA foi dita nos bastidores, pelo jornalista João Fernando, do Estadão. Ele não entendeu como a funkeira Anitta não foi buscar seu troféu de revelação em música popular. “Gente, se até a Tomie Ohtake, que tem cem anos, veio buscar o seu APCA, ninguém mais pode dar desculpa para faltar”. Disse tudo. Leia a cobertura completa. Veja as fotos também.

Shell SP
Depois do APCA, é a vez da entrega do Prêmio Shell de Teatro de São Paulo. Será na noite da próxima terça (18), na Estação São Paulo, também no bairro de Pinheiros, na zona oeste paulistana. Renata Sorrah vai apresentar. E também vai ter jantar, viu, gente?

Shell Rio
Falando em Shell, no dia da entrega da versão carioca do prêmio, que aconteceu no mesmo dia da APCA, na terça (11), uma pessoa na plateia gritou “Nazaré Tedesco” assim que viu Renata Sorrah subir ao palco. É o preço de uma personagem bem-feita.

A atriz Sofia Botelho lambuza a cara em cena da peça Lenz, um Outro, da Cia. 28 Patas Furiosas – Foto: Divulgação

Gente nova na área
Um novo grupo teatral anda chamando a atenção na cena paulistana. Chama-se 28 Patas Furiosas. A trupe já está chegando com tudo, com direito a espaço próprio na Vila Clementino, na zona sul de São Paulo. Eles estreiam no dia 22 de março a peça Lenz, um Outro. Fica em cartaz até dia 4 de maio. A obra é uma adaptação de uma novela alemã.

A nova da Hiato 1
Leonardo Moreira, diretor da Cia. Hiato, vai passar o fim de semana dando os retoques finais de 2 Ficções. Resolveu estrear a nova peça no mesmo dia do Prêmio Shell de São Paulo, na terça (18), no Sesc Pompeia. Luciana Paes, uma das melhores da trupe, não vai estar na temporada por conta da novela Além do Horizonte. Uma pena.

A nova da Hiato 2
Thiago Amaral, ator da Hiato, vive um drama sem fim. Ele concorre ao Prêmio Shell como melhor ator. Mas não poderá ir à festa da premiação, porque tem de estar na estreia de sua peça. Está com o coração despedaçado, pobrezinho.

Peça Bull vai abordar o inferno que pode se tornar o ambiente de trabalho – Foto: João Caldas

Gente maldita
Sabe aquelas pessoas insuportáveis que ficam atormentando os colegas de trabalho com piadinhas maldosas? Elas são o foco da peça Bull, que vai abordar o espinhoso tema do bullying profissional. Estreia dia 9 de abril, no Tucarena, em São Paulo. A direção é de Eduardo Muniz e Flávio Tolezani. Cynthia Falabella, irmã de Débora Falabella, fará uma das vilãs da história. O texto é do inglês Mike Bartlett.

Viagem marcada
Falando em Débora Falabella, assim que voltar da lua de mel com Murilo Benício na Índia, a atriz cumprirá extensa agenda de viagens com a peça Contrações pelo Brasil. A montagem lhe rendeu o Prêmio APCA de melhor atriz, que dividiu com a colega de cena Yara de Novaes, que foi buscar o troféu na última terça (11) acompanhada de Nina, filha de Débora. A primeira apresentação é no Festival de Teatro de Curitiba, que começa no próximo dia 25.

Vai fazer falta: Nany People não é mais apresentadora do Risorama em Curitiba – Foto: Divulgação

Está acabando
Falando no Festival de Teatro de Curitiba, o diretor do evento, Leandro Knopfholz pede para avisar que está tudo pronto para o maior festival teatral do País. O Risorama, a mostra de stand-up que sempre é o maior sucesso de público, já está com entradas esgotadas para praticamente quatro dias. Após dez anos na apresentação, Nany People, querida da coluna, deixou o evento por não chegar a um denominador comum que agradasse ambas as partes. Confirmaram Diogo Portugal, Marcio Ballas, Marco Luque, Rafael Cortez, Fabio Porchat, e Rafinha Bastos e até Sérgio Mallandro.

Crítica vale meia
Na Mostra Ademar Guerra, que acontecerá dentro do Fringe, a mostra Paralela do Festival de Curitiba, o espectador poderá pagar meia-entrada se comprometer-se a escrever uma crítica da peça ao fim dos oito espetáculos que serão apresentados no Teatro Experimental da Universidade Federal do Paraná entre 27 de março e 6 de abril. Desse jeito, vai faltar vaga na APCA…

Gula
O festival Gastronomix terá mais uma edição no Festival de Teatro de Curitiba. Desta vez, dois chefs internacionais vão participar: o italiano Luciano Boseggia e o argentino  Guido Tassi. A comilança vai acontecer nos dias 5 e 6 de abril no Museu Oscar Niemeyer. Aquele do olho.

Tal pai, tal filho
Assim como o pai, Chico Anysio, o ator Bruno Mazzeo agora também tem um espetáculo solo para chamar de seu. Ele vai se apresentar no Festival de Teatro de Curitiba com Sexo, Drogas & Rock’n’roll, no Teatro Guaíra. Na montagem, dirigida por Victor Garcia Peralta, vive variados personagens que vão desde um sem-teto a uma estrela do rock. Esta será a primeira vez que o moço faz teatro fora do Rio. “Não tenho a menor ideia de como será a reação do público curitibano”, diz. Logo, veremos.

Vida livre
Silvero Pereira representa a diversidade sexual no Festival de Teatro de Curitiba na peça BR-Trans. Vai dar vida a travestis, transformistas e mulheres transexuais.

Grupo Buraco D’Oráculo em cena: exemplo de cidadania em São Miguel Paulista – Foto: Adilvan Nogueira

Exemplo
O grupo Buraco D’Oráculo movimenta a região de São Miguel Paulista, no extremo da zona leste de São Paulo, em abril, com sua oitava Mostra de Teatro de São Miguel. A população da região, carente de bons projetos culturais, abraça a mostra com todo o carinho possível. A coluna dá parabéns à trupe pela brilhante iniciativa. Que venha muito mais!

Homenagem
O diretor teatral João das Neves, que fez história com o Grupo Opinião na década de 1960, é o grande homenageado do 2º Prêmio Acessibilidade 2013. Será entregue na próxima quarta (19), na sede da praça Roosevelt da SP Escola de Teatro. Na primeira edição, a homenageada foi a atriz Maria Alice Vergueiro. Aquela do Tapa na Pantera.

Em tempo
João das Neves dirigiu no ano passado a atriz portuguesa Maria de Medeiros na peça Aos Nossos Filhos, que fez sucesso em São Paulo.

Xico no palco
O inteligentíssimo jornalista Xico Sá é autor do livro que originou a peça homônima Big Jato. Estreia neste sábado (15), no Teatro Café Pequeno, no Rio. No palco, Diogo Camargos sob direção de Morgana Kretzmann. Estão todos convidados.

Existe amor em SP
Lucinha Lins está adorando sua temporada em São Paulo por conta da peça Palavra de Mulher, em cartaz no Teatro Renaissance até o dia 23 deste mês. Está cada vez mais paulistana…

Busão
A coluna não entendeu o espanto de um jornal carioca em ver a atriz Lucélia Santos andar de ônibus no Rio. Em São Paulo, praticamente toda a classe teatral anda de metrô. E até famosos como Camila Pitanga, que pegava a linha Vermelha para ensaiar na Casa Livre, na Barra Funda. Usar transporte público não é vergonha. Muito pelo contrário, é exemplo de cidadania e consciência. Afinal, a coluna também anda de ônibus e de metrô sem nenhuma vergonha. Estamos com Lucélia!

Nelson sentimental
Nilton Bicudo volta com o espetáculo Myrna Sou Eu no dia 12 de abril, no Teatro Eva Herz, em São Paulo. A direção é de Elias Andreato. Já o texto é de ninguém menos do que Nelson Rodrigues. O nosso grande mestre.

Meninos do Coletivo de Teatro Os Crespos farão performance no largo do Arouche, em SP – Foto: Divulgação

Beijo gay
Os arretados integrantes do Coletivo de Teatro Os Crespos farão uma intervenção que promete causar no Largo do Arouche, no centro paulistano, no dia 23 de maio, um domingo, a partir das 16h. Vão abordar a homoafetividade entre homens negros. O nome da intervenção é Terra Estranha – Fragmentos a James Baldwin. Eugênio Lima assina a direção, que contou com a ajuda de Lucélia Sergio. Atuam Sidney Santian Kuanza, Luís Navarro, Vitor Bassi, Sírius Amen e ainda há a participação do Coletivo Elo da Corrente. Aos domingos, o largo do Arouche vira point de paquera jovem.

Noite de Improviso vai levar comédia ao vivo para o CIT-Ecum, em São Paulo – Foto: Divulgação

Riso farto
O CIT-Ecum, em São Paulo, vai abrigar entre os dias 21 e 23 de março a Noite de Improviso, com direção de Márcio Ballas. Ao lado dos humoristas Marco Gonçalves e Guilherme Tomé, ele promete uma hora e meia de muito riso. Sexta e sábado, 21h, domingo, 19h, com entrada a R$ 30. Quem for ver rirá.

Eu voltei…
Dagoberto Feliz, o melhor diretor de 2013 pela APCA, avisa que seu espetáculo Folias Galileu estará de volta ao Galpão do Folias a partir de 19 de abril. Ficará em cartaz até 1º de junho. Coisa boa.

Torneira fechada
Enquanto São Paulo vive o drama de um possível racionamento de água, por conta da chuva que não cai na região da Cantareira, que tal levar seu filho para ver a peça Água, que conscientiza as crianças sobre este precioso bem de todos nós? Ficará em cartaz no Teatro Cacilda Becker, na Lapa, em São Paulo, de 28 de março a 27 de abril. Sábado e domingo, às 16h, com ingresso a R$ 10. Ótima pedida para a criançada.

Espetáculo infantil água ensina as crianças a cuidar deste importante bem natural – Foto: Divulgação

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Felipe disse:

    Tenho respeito por RECUSA porque ela trabalha o tema do indígena e traz visibilidade à toda uma população que merece todo e qualquer resgate social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *