Léo Kildare Louback escarafuncha relação entre mãe e filho para criar Como Matar a Mãe – 3 Atos

Léo Kildare Louback: relação com a mãe passada a limpo no palco – Foto: Guto Muniz

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Ao ver os primeiros ensaios para o texto que dissecava parte da relação que tem com o filho, a mãe não gostou. Ficou um ano sem falar com o filho artista. O tempo passou, o projeto tomou corpo. Agora, só lhe resta sentar-se na primeira fila da plateia.

As nuances da relação muitas vezes difícil entre mãe e filho estarão no palco do Teatro João Ceschiatti, no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, a partir desta quinta (24), em Como Matar a Mãe – 3 Atos, texto do mineiro Léo Kildare Louback.

Aos 29 anos completados no último dia 20, ele é um dos mais inquietos artistas da nova geração teatral de Minas Gerais. Na obra debutante de sua Sofisticada Companhia de Teatro, divide direção e atuação com as atrizes Fabiane Aguiar e Soraya Martins, suas colegas de grupo.

Além de ator e dramaturgo, Louback é formado em letras pela Universidade Federal de Minas Gerais, e atua ainda como tradutor de alemão. Atualmente, ainda faz pós-graduação em produção cultural.

Em conversa exclusiva com o Atores & Bastidores do R7, direto de Belo Horizonte, ele conta que o processo da peça foi difícil. “Investigamos limites entre ficção e memória. Nossas mães verdadeiras são tema, bem como mães da literatura e do teatro”.

Fabiane Aguiar, Soraya Martins e Léo Kildare Louback: Sofisticada Companhia de Teatro – Foto: Guto Muniz

O grupo está em processo desde julho de 2011. “Digo que esta peça foi a partir da minha mãe e das cartas não respondidas para meu pai”, revela. Louback conta que nada foi fácil. “Minha mãe chegou a ver um esboço e ficou um ano sem conversar comigo. Mas, agora, já está mais tranquila. Tanto que ela e as mães das outras atrizes estarão na estreia”.

Nome provocante

Sobre o provocante nome da obra, o ator e dramaturgo diz que vem da necessidade de “se livrar desse cordão umbilical eterno que aprisiona muitos”. E ainda avançou em seu texto para uma visão da maternidade sem dogmas. “Queremos matar a ideia de amor romântico e humanizar essa mãe. Ela é uma pessoa e não um mito”, define.

Trabalhar com memórias foi “superdramático” segundo o artista: “Porque mexe demais na caixa de pandora de cada um de nós”. O cuidado também foi necessário na finalização, para não deixar “cenas muito fortes ou pesadas para as mães”, já que sempre tiveram em mente convidá-las. “Sempre pensamos nelas, que elas estariam no palco se vendo retratadas”, revela.

Em meio a tanto drama, a peça também guarda espaço para momentos bem-humorados, segundo Louback. “Há cenas muito cômicas, que diluem um pouco deste drama”, entrega. E diz que, após BH, quer conquistar outras plateias: “Queremos viajar todo o Brasil”.

Cena da peça Como Matar a Mãe – 3 Atos: dramaturgia mistura realidade e ficção – Foto: Guto Muniz

Peça, festival e livro

Além de Como Matar a Mae – 3 Atos, Léo Kildare Louback estreia no dia 29 de abril no Rio a peça Carolina de Lorca, com sua autoria e direção. “É um trabalho que une dança, teatro e performance. Busquei inspiração na mulher misteriosa que foi Clarice Lispector”.

Léo Kildare Louback também é autor e diretor de Carolina de Lorca, com Carolina Correa – Foto: Guto Muniz

A peça foi feita a partir de uma proposição da atriz Carolina Correa, que faz o monólogo escrito e dirigido por Louback. Esta havia sido mãe e vivia o dilema de tocar a carreira artística e cuidar do filho bebê. “Tem muita espera, dor e sofrimento desta mulher social obrigada a parir o menino, a ser mãe, atenciosa, competente e tudo o que o papel social pede, enquanto que, muitas vezes, ela gostaria de estar em algum outro lugar de existência”, define o autor.

Após o Rio, a peça será apresentada em julho na Argentina, onde Kildare dará uma oficina de dramaturgia baseada em biografias.

Em maio, ele lança o livro de contos Sobrevoo ou a Literatura Nasce com a Morte de um Pássaro, pela Editora Scriptum. O conto que dá título à obra já virou peça dirigida pelo autor e também um curta-metragem em 2009, sob direção de Cardes Amâncio.

Sobre em navegar em tantas vertentes artísticas, Louback define, de forma direta e ao mesmo tempo profunda: “Tento compreender pela arte o colapso que me habita”.

Como Matar a Mãe – 3 Atos
Quando: Quinta a sábado, às 20h30, e domingo, às 19h. De 24/04/2014 a 18/05/2014
Onde: Teatro João Ceschiatti – Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1537, Belo Horizonte, tel. 0/xx/31 3236-7400)
Quanto: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)
Classificação etária: 16 anos

Carolina de Lorca
Quando: 29/4/2014, terça – Única apresentação
Onde: Solar de Botafogo (r. General Polidoro, 180, Botafogo, Rio, tel. 0/xx/21 2543-5411)
Quanto: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada)
Classificação etária: 16 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Com certeza deve ser doloroso revolver memórias de embates da relação mãe e filho. Se fosse algo fácil, os consultórios de Psicologia não estariam abarrotados de tanta gente tentando compreender certas dinâmicas familiares e certos comportamentos calcados em traumas. Que bom que Léo soube fazer sua catarse através da Arte! Certamente a peça tocará no calcanhar de Aquiles de muitos presentes na plateia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *