Peças abordam diversidade sexual em São Paulo

O ator Sidney Santiago Kuanza em cena da peça Cartas a Madame Satã… – Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

São Paulo recebe neste fim de semana um contingente de mais de 4 milhões de turistas, que são atraídos à cidade por conta da 18ª Parada Gay, ou Parada do Orgulho LGBT, o maior evento do calendário da cidade. Eles gastam cerca de R$ 188 milhões. E boa parte deste contingente costuma ser público interessado em atividades culturais. O Atores & Bastidores do R7 selecionou alguns espetáculos na cidade que dialogam com este público. Veja só:

Peça da Cia. Os Crespos na Roosevelt – Foto: Divulgação

Cartas a Madame Satã ou Me Desespero Sem Notícias Suas 
A nova produção da Cia. Os Crespos mostra um homem, vivido por Sidney Santiago Kuanza. Ele está em um quarto, onde que escreve cartas para Madame Satã, o lendário personagem da Lapa, bairro boêmio do Rio. Os atores Vitor Bassi e Luis Navarro participam em vídeo. Lucélia Sergio dirige a obra que aborda a homoafetividade de homens negros. “Vamos falar do assunto sem nos deixar intimidar por tabus”, diz a diretora.
No Teatro Studio Heleny Guariba (praça Roosevelt, 184, metrô República, tel. 0/xx/11 3259-6940). Dia 2/5, 21h; 3/5, 21h; 4/5, 19h; 9/5, 21h; 10/5, 23h59; 11/5, 22h; 17/5, 21h; e 18/5, 19h. 14 anos. R$ 15. Até 18/5/2014.

Dark Room: descobertas – Foto: Divulgação

Dark Room
O texto de Mário Viana conta a história de um jovem chamado Wesley (Márcio Lima), que vai descobrir uma verdade desconcertante sobre seu pai. O mundo gay serve de cenário para esta descoberta, que promete deixar a plateia com o coração na mão em muitos momentos. No elenco, também estão Murillo Effe, que dirige a obra, e Natasha Rasha.
No Teatro do Ator (praça Roosevelt, 184, metrô República, tel. 0/xx/11 3257-3207). Sexta, 21h30. 16 anos. R$ 50. Até 25/7/2014.

O Amante do Meu Marido: riso e preconceito – Foto: Divulgação

O Amante do Meu Marido
Um senhor aposentado tem um velho sonho: encenar uma peça de teatro. Até que consegue trabalho no palco, como um homossexual em uma peça. A situação gera situações complicadas para ele. Por meio do riso, a peça deixa evidente que o preconceito ainda está arraigado em boa parte da população.
No Teatro Ruth Escobar (r. dos Ingleses, 209, metrô Brigadeiro, tel. 0/xx/11 3289-2358). Sexta e sábado, 21h30; domingo, 19h30. 12 anos. R$ 50 e R$ 60 (sáb). Até 29/6/2014.

Cena de As Moças: amor delicado – Foto: Ricardo Martins

As Moças – O Último Beijo
Na tumultuada década de 1960, com a ditadura e a repressão de pano de fundo, enquanto os jovens vivem o começo da era de liberação sexual, uma jornalista e uma jovem atriz dividem um apartamento e fazem importantes descobertas.
No Espaço dos Parlapatões (praça Roosevelt, 158, metrô República, tel. 0/xx/11 3258-4449). Quarta e Quinta, 21h. 14 anos. R$ 40. Até 15/5/2014.

Cena da peça Não Fornicarás – Foto: André Stefano

E se Fez a Humanidade Ciborgue em 7 Dias
O grupo Os Satyros encena sete diferentes montagens todo domingo, a partir das 14h, cada uma com 50 minuto s de durção. Todas abordam a relação do homem contemporâneo com as novas tecnologias. E com o sexo também. Em Não Morrerás (15h30), a diva Phedra D. Córdoba canta Beatles.
No Espaço dos Satyros 1 (praça Roosevelt, 214, metrô República, tel. 0/xx/11 3258-6345). Domingo, entre 14h e 23h59. 16 anos. R$ 20. Até 28/9/2014.

 

Phedra D. Córdoba canta Beatles em Não Morrerás: todo domingo, às 15h30, no Satyros 1 – Foto: André Stéfano

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Confesso que estou ficando cansado de ler e principalmente de ver esses temas recorrentes de “dark room” e similares no Teatro. Será que está faltando assunto? Tudo bem, eu sei que o Teatro (quando crítico) fala de nossa realidade, mas ainda há pureza no mundo. Há meiguice, há doçura, há pessoas puras. Há canalhice, corrupção, safadeza e tudo o mais de negativo, mas essa sexualização exacerbada se soa estratégia de “Marketing” para atrair público. E quando o objetivo de fundo é esse, toda a tentativa de se discutir uma realidade vai pelo ralo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *