Entrevista de Quinta: “Teatro precisa de apoio, só bilheteria não o mantém”, diz Eloisa Vitz, do Gattu

Eloisa Vitz: em meio ao caos, diretora do Grupo Gattu escreveu peça – Foto: Eduardo Enomoto

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Fotos de EDUARDO ENOMOTO

Geralmente, momentos de caos costumam aguçar a criatividade artística. Foi assim com o aguerrido Grupo Gattu de Teatro, que acaba de abrir uma sala própria na zona norte de São Paulo: o Teatro do Sol, no bairro Santana, onde encena a comédia política Reino. O espaço é uma vitória após um grande pesadelo.

O nome é uma forma de espantar a tristeza que a companhia sentiu ao ter de fechar sua antiga sede, um belo casarão na rua dos Ingleses, na Bela Vista, região central de São Paulo, por não conseguir mais dar conta do alto aluguel.

Contudo, em vez de se afundar na depressão, o Gattu resolveu levantar a cabeça e seguir em frente com sua arte, mesmo sem apoio governamental.

Nesta Entrevista de Quinta ao Atores & Bastidores do R7, a diretora da trupe, Eloisa Vitz, conta como foi o processo que culminou na criação do espetáculo Reino, que conta os ditames de uma rainha que não quer abandonar o poder. O público que interprete o recado como quiser.

Eloisa, que é formada pela Escola de Arte Dramática da USP (Universidade de São Paulo) e já integrou o Grupo Tapa, faz observações importantes nesta conversa, como a dificuldade de sobrevivência teatral sem o apoio governamental — o que é oferecido atualmente não dá conta de toda a produção teatral paulistana.

Leia com toda a calma do mundo.

Eloisa Vitz: Grupo Gattu passou por um pesadelo de sobrevivência – Foto: Eduardo Enomoto

Miguel Arcanjo Prado – Vocês chegaram a abrir sede na Bela Vista, mas que teve de ser fechada depois. Foi o preço do aluguel que expulsou vocês do centro?
Eloisa Vitz – Foi. Abrimos a sede e não conseguimos arcar com o aluguel. Ficou muito pesado e sem apoio nenhum, foi difícil, falimos, mas conseguimos nos recuperar!

Miguel Arcanjo Prado – O que acha de outros teatros estarem sofrendo com a especulação imobiliária?
Eloisa Vitz – Não acho que seja a especulação imobiliária que está afetando outros teatros, ou pelo menos não só. Há outros fatores que afetam grupos de pesquisa teatral como o Grupo Gattu. Muitos grupos precisam do apoio do Fomento ao Teatro [programa de incentivo da Prefeitura de São Paulo] para manter suas sedes. A bilheteria não consegue mais manter o grupo. E aí ficamos em uma encruzilhada, porque poucos grupos são contemplados e muitos ficam de fora. O apoio governamental seria fundamental para dar continuidade à pesquisa teatral.

Miguel Arcanjo Prado – Por que o Gattu foi para a zona norte paulistana?
Eloisa Vitz – Primeiro, porque tenho uma relação afetiva com o bairro, sou de Santana, nasci lá e amo aquele bairro. Depois, achamos interessante descentralizar a opção de cultura e levar para a zona norte mais um polo teatral. E construímos o Teatro do Sol, que ficou lindo, e charmoso. E agora é mais um teatro para a cidade de São Paulo. Parece que temos esta missão de construir teatros [risos].

Eloisa Vitz é formada pela Escola de Arte Dramática da USP e criou o Grupo Gattu – Foto: Eduardo Enomoto

Miguel Arcanjo Prado – Como é voltar à região onde você cresceu?
Eloisa Vitz – Você sabe que fomos tão bem recebidos, a região norte pareceu bastante receptiva com a nossa vinda. Fiquei lisonjeada pela acolhida. Este reencontro está sendo muito produtivo. Estamos criando laços com várias outras companhias que também estão na região.

Miguel Arcanjo Prado – Você acha que o teatro precisa descentralizar e criar o hábito de frequentá-lo em outras regiões da cidade?
Eloisa Vitz – A cidade de São Paulo é enorme e temos um problema de mobilidade. Acreditamos ser de fundamental importância criar polos de Cultura em todas as regiões, garantindo acessibilidade à cultura de qualidade. Ainda mais que esta peça está com ingressos gratuitos. É lindo e apaixonante poder oferecer este espetáculo assim, totalmente sem empecilhos para a população e seguirmos com a nossa outra missão a de formação de plateia.

Miguel Arcanjo Prado – Como o público tem reagido?
Eloisa Vitz – O público está reagindo de forma fantástica ao espetáculo. As gargalhadas são nosso maior trunfo!

Miguel Arcanjo Prado – Como surgiu a ideia da peça; como foi o processo?
Eloisa Vitz – O processo da peça foi muito interessante. Eu estava destruída, devolvendo a casa, meus atores faziam a mudança e eu não conseguia ajudar a desmontar o teatro lá na rua dos Ingleses. Então, sentei no sofá no meio do caos e comecei a escrever a peça. Foi minha salvação! Depois, estávamos exaustos, eles de carregar refletores, tapetes, cenários e eu de escrever. Parávamos e eu lia as cenas para eles. Estava nascendo O Reino no meio do caos. Estávamos pesquisando a comédia. Depois dos quatro Nelson Rodrigues, queríamos estudar a comédia. Aí, eles me desafiaram a escrever. A princípio não tive coragem de assinar o texto e arranjei o pseudônimo Tito Sianini. Como Tito, fiz Frizante e Rapunzel. Com a peça Reino, tomei coragem e assino [risos].

Eloisa Vitz, com a coroa, posa com o elenco de O Reino, nova peça do Gattu – Foto: Amanda Semerjion

Miguel Arcanjo Prado – Já estava na hora! Como é o enredo?
Eloisa Vitz – O Reino é uma comédia política que tem como mote a trajetória de uma rainha que faz de tudo para manter-se no poder. O humor é nossa maior arma. Não temos como mudar nada. Mas denunciamos. Apontamos.

Miguel Arcanjo Prado – Como foi a seleção do elenco?
Eloisa Vitz – Somos um Grupo com repertório e atores que já trabalham comigo há muitos anos. Então, só escolho dentro do meu elenco, aquele que se encaixa melhor para o personagem.

Miguel Arcanjo Prado – Como o Gattu sobrevive há 14 anos?
Eloisa Vitz – Com paixão. Vivemos com paixão pelo teatro. Isso inclui muito trabalho, de seis a oito horas de ensaio por dia. E o desafio de captar recurso através de Leis de Incentivo Fiscal.

Miguel Arcanjo Prado – Você acha que a Copa prejudicou o teatro?
Eloisa Vitz – Não. Eu acho a Copa maravilhosa para o Brasil. A questão com a Copa não é o evento em si, mas sim como os políticos aplicaram a verba pública. O que irrita é a corrupção. O desvio de verbas e o superfaturamento das obras. Poderia ser um evento maravilhoso, trazendo divisas, turismo e prosperidade para o País.

Miguel Arcanjo Prado – O Gattu faz também teatro infantil. Qual a importância disso na formação de público?
Eloisa Vitz – Antes não fazíamos, mas confesso que depois da Rapunzel, eu me apaixonei pelo teatro infantil. Amo estar na plateia e ouvir as gargalhadas das crianças! Acho que queremos mais e penso que fazer um teatro infantil de qualidade forma um público fiel ao teatro.

Miguel Arcanjo Prado – Quais são os projetos para 2014 do grupo? E para 2015?
Eloisa Vitz – Primeiro é ficarmos ricos [risos]. Depois, temos o projeto de uma longa temporada com o Reino e outra peça adulta para o segundo semestre, que já estamos ensaiando. Para 2015, um infantil sobre uma lenda brasileira e outra peça adulta!

Miguel Arcanjo Prado – Qual é a cara do teatro que o Gattu faz?
Eloisa Vitz – A excelência artística é a cara do Grupo Gattu. É nosso norte. Depois, temos o humor que nos acompanha sempre e certo ar despretensioso [risos].

Eloisa Vitz: “O Grupo Gattu tem humor e certo ar despretensioso” – Foto: Eduardo Enomoto

Reino, com Grupo Gattu
Quando: Sexta, 21h30; sábado, 21h; domingo, 20h. 75 min. Em cartaz por tempo indeterminado
Onde: Teatro do Sol (rua Damiana da Cunha, 413, Santana, São Paulo, tel. 0/xx/11 3091-2023)
Quanto: Grátis
Classificação etária: 14 anos

Conheça a trajetória de Eloisa Vitz

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *