Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

O carioca Frederico Reder quer conquistar São Paulo com seu Theatro NET – Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Homem de teatro
O carioca Frederico Reder, de apenas 30 anos, tem uma só missão em frente: conquistar o seletivo teatro feito em São Paulo. O moço adora um desafio e deseja fazer nome na área de gestão em entretenimento. Tanto que vai inaugurar na metrópole, no bairro Vila Olímpia, o Theatro NET São Paulo, cuja versão carioca é sucesso há dois anos. A abertura está marcada para o dia 16 de julho, em um show exclusivo para convidados com o grande Gilberto Gil. Nada mais apropriado, já que Gil começou a fazer sucesso em todo o País nos tempos em que vivia em São Paulo na década de 1960. Reder já mexe seus pauzinhos para que a nata dos palcos paulistas esteja presente na festa.

Dose dupla
A Cia. das Artes acaba de emplacar mais dois espetáculos nos palcos de São Paulo. Além de estar em cartaz com a peça Bar d’Hotel, no bar do Hotel Cambridge, velho conhecido da turminha alternativa no Vale do Anhangabaú, o grupo se prepara para estrear Foi Boto, Sinhá?. Apesar do nome, a obra é adulta e estreia no Teatro Commune, na rua da Consolação, 1218, no dia 28 de junho, às 21h. Vai, gente!

Agenda Cultural da Record News

Phedra D. Córdoba: ela deveria ter sido convidada para a abertura da Copa – Foto: Bob Sousa

Diva
Por que a Fifa não chamou Phedra D. Córdoba para fazer performance na abertura da Copa? Teria feito mais sucesso…

Justiça seja feita
A Cia. Nau de Ícaros representou bem o teatro paulistano na abertura da Copa do Mundo, no Itaquerão. As coreógrafas Erika Rodrigues e Letícia Doretto fizeram a coreografia do segundo ato, com 180 pessoas envolvidas. O problema foi que a diretora belga que comandou tudo não entende nada de Brasil. Faltou mesmo ziriguidum.

Autógrafo
O dramaturgo e ator Leonardo Cortez, que é irmão do apresentador da Record Rafael Cortez, vai lançar um livro com suas peças. O nome da obra é Comédias Urbanas. Será no dia 16 de junho, às 18h, no Livraria Cultura do Conjunto Nacional, aquela linda, da avenida Paulista. Todos estão convidados.

Atrizes do Oficina na capa da revista Trip ao lado de Xico Sá: livres e lindas – Foto: Divulgação

Liberdade
Atrizes do Teat(r)o Oficina estão lindas na capa da revista Trip, já nas bancas, ao lado do escritor Xico Sá. Entre elas, a nossa musa Danielle Rosa. Em pauta: cadê o tesão?

Repercussão internacional 1
Beto Mettig, o charmoso baiano que comanda a comunicação do Oficina, comemora que as legendas em inglês na peça Walmor y Cacilda 64: Robogolpe trouxeram sorte ao grupo. O portal internacional de crítica de arte Art Fórum fez uma matéria especial sobre a produção do Tea(r)o Oficina, que disse ser “o grupo” de vanguarda no Brasil e que “continua a ser uma das vozes críticas mais fortes na produção cultural do Brasil. Leia tudinho.

Repercussão internacional 2
O Teat(r)o Oficina também está prestigiado na Alemanha, onde o jornal Sueddeutsche Zeitung publicou extensa reportagem de Kia Vahland sobre o grupo dirigido por Zé Celso Martinez Corrêa.

Repercussão na Europa: reportagem no jornal alemão sobre o Teat(r)o Oficina – Foto: Reprodução

Repercussão internacional 3
O jornal alemão Zeit! parece querer repetir a dose e vai mandar repórter assistir a obra, que chega ao fim no dia 29 de junho. Um sucesso!

Lembrança
Neste sábado (14), o Oficina fará sessão especial de Walmor y Cacilda 64: Robogolpe para lembrar os 45 anos da morte da atriz. Ou 45 anos de Ethernidade, como eles dizem lá na rua Jaceguai.

O retorno de Jedi
Seis anos em cartaz de forma ininterrupta e ainda tem público sedento por ver. A peça Toc Toc, dirigida por Alexandre Reinecke, já foi vista por 400 mil pessoas. Mas ele, sempre ambicioso, quer aumentar este número. Tanto que marcou data de retorno da montagem ao Teatro APCD, na zona norte de São Paulo. A obra, que entra em rápido recesso a partir deste domingo (15), voltará com tudo no dia 19 de julho. Anotou na agenda?

José Roberto Jardim, só dá ele no palco e também nos bastidores – Foto: Bob Sousa

Carinhoso
José Roberto Jardim é o mais querido no elenco da peça Vidas Privadas, em cartaz no Hotel Jaraguá. Também pudera. Ele é um doce de pessoa.

Peça no Capô
A produtora cultural Fernanda Capobianco, querida da cena teatral paulistana, já está nos preparativos da nova peça que vai ocupar o Instituto Capobianco a partir do segundo semestre: Gotas D’água sobre Pedras Escaldantes, dirigida por Rafael Gomes. No elenco, estão grandes nomes como Luciano Chirolli e Gilda Nomacce. Gildinha também pode ser vista nos cinemas, no longa de Rafael Primot Gata Velha Ainda Mia, com a namoradinha do Brasil, Regina Duarte.

Mãos ao alto
Daniel Alvim está revoltado com o Brasil. O ator foi assaltado em São Paulo, na esquina das avenidas Dr. Arnaldo e Rebouças, a mão armada, e resolveu desabafar. Disse que a violência é resultado da Copa. Eita.

Mistura fina
A diretora Silvana Garcia pediu a coluna para avisar todo mundo que a estreia de sua peça Não Vejo Moscou da Janela do Meu Quarto será no dia 21 de junho, às 21h, na SP Escola de Teatro na praça Roosevelt. A obra é mescla referências de dois nomes da literatura mundial: o argentino Julio Cortázar e o russo Anton Tchekhov. Que interessante.

Cléo De Páris foi ver Praia do Futuro: não se impressionou com sexo gay – Foto: Bob Sousa

Aviso
Cléo De Páris, a maior musa da história do teatro da praça Roosevelt, foi ver o filme Praia do Futuro, com Wagner Moura. Dormiu parte do filme, de tão entediada. E nem ficou impressionada com a bendita cena de sexo gay. Se a tal cena provocou avisos ao público no estado do Rio de Janeiro, Cleozinha acha que deveriam avisar outra coisa: que o elenco foi preparado por Fátima Toledo.

Navegantes
O Grupo Magiluth, atravessou o oceano Atlântico rumo a Portugal, onde preparam peça nova. Esses Novos Pernambucanos são fogo…

Estudantina
Cibele Forjaz, queridíssima do teatro de grupo, vai começar a segunda edição do Festival Pé Dentro e Pé Fora. O evento leva peças de grupos recém-saídos de escolas teatrais para encarar o público de verdade na Casa Livre, na Barra Funda, em São Paulo. Três peças integram a programação: Cogitação Feita de Farinha Leite e Ovos, com alunos da ELT (Escola Livre de Teatro de Santo André), A Rainha do Rádio, com alunos da Unesp, e Viajante, com egressos da Fundação das Artes de São Caetano do Sul. O festival começa no dia 28 de junho, às 21h. A entrada será sempre R$ 16 a inteira e R$ 8 a meia. Cibelinha avisa que estão todos convocados.

Cena da peça Viajante: direto de São Caetano do Sul para o palco da Casa Livre – Foto: Divulgação

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Dá uma certa tristeza saber que está sendo encenado um espetáculo sobre Walmor e Cacilda, sabendo que a causa atestada para a morte dele foi suicídio. Que eles descansem em paz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *