Crítica: Oficina faz de RoboGolpe uma RoboCopa

Acauã Sol e Giuliano Ferrari em Walmor y Cacilda 64: Robogolpe – Foto: Felipe Stucchi; veja galeria

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O Teat(r)o Oficina é atual, mesmo que o título da peça pareça algo do passado. Isso é evidente em Walmor y Cacilda 64: Robogolpe, em cartaz em São Paulo até 29 de junho.

Em um primeiro olhar, a obra coloca no palco como o golpe civil-militar de 1º de abril 1964 atingiu em cheio a classe artística, levando o horror ao teatro. Mas, um segundo olhar, mais atento, desvenda muito além disso.

A obra dialoga com seu presente, com ironia e contestação. E, em tempos de Copa, o Brasil rachado no discurso infantil de bons contra maus precisa de pensadores como os do Oficina, mais comprometidos com a função artística do que com vitória ou derrota no futebol.

Sylvia Prado e Juliane Elting em cena – Foto: Felipe Stucchi

A peça é fruto de uma inquietação do diretor José Celso Martinez Corrêa durante as rememorações do cinquentenário do golpe. Para compor a encenação, deglutiu, como sempre, tudo ao redor, expondo no palco este clima de enfrentamentos que vive o País sede da Copa do Mundo. E propondo uma reflexão para além do teatro.

No palco, o recado de Zé Celso é claro e não usa de subterfúgios. Para que tudo fique bem didático, sem ser reducionista, ele brinca com a imagem do Robocop, herói norte-americano recém ressuscitado em Hollywood pelas mãos do cineasta brasileiro e seu xará José Padilha, de Tropa de Elite.

Na peça, Robocop vira o RoboGolpe — ou seria a RoboCopa?.

É o brasileiro escondido atrás da armadura consumista, repressiva e moralista.

Zé Celso no Oficina: porrada artística – Foto: Felipe Stucchi

O Carnaval, nossa maior expressão, vira um axé baiano no qual Zé Celso e os atores do Oficina dançam e cantam junto à plateia, entoando o refrão: “Ê… Robocop, RoboGolpe, RoboCopa”. Tudo coreografado com cenas de abuso policial ainda presentes no Brasil de hoje.

A partir da provocação feita pela obra, é possível pensar:  o golpe antes vindo pela força bruta autorizada por quem detinha a grana poderia ressurgir travestido de democracia orquestrada? Até porque, no Brasil de hoje, é possível potencializar politicamente vitórias ou derrotas em campo.

Por isso, o discurso do Oficina é contundente, sobretudo por reverberar a quatro meses das eleições. E não sobra nem para a dita esquerda a favor do Mundial, tampouco para a suposta direita torcedora do fracasso do País.

O Oficina é pungente justamente por ser a favor da cultura brasileira e da resistência que ela sempre demonstrou diante de qualquer regime autoritário, seja por armas ou pelo discurso fabricado em agências publicitárias e disseminado em redes sociais. Em Walmor y Cacilda 64: Robogolpe não há situação nem oposição. Há apenas o que precisa ser dito. E este é o papel de grandes artistas: pensar para além do aprisionamento de estar ligado a qualquer forma de poder.

Veja fotos da peça Walmor y Cacilda 64: Robogolpe

Elenco aguerrido

Quem viu o palco do Oficina apinhado de artistas nas últimas montagens, sente a diminuição no número de atores, fruto da falta de verba para o teatro neste ano pré-eleições e com investimentos priorizados para o futebol.

A atriz pernambucana Nash Laila: destaque – Foto: Felipe Stucchi

Mas quem permanece é aguerrido. Não deixa a peteca cair. Jovens atores como Lucas Andrade, Roderick Himeros, Liz Reis, Tony Reis, Carolina Henriques, Alessandro Ubirajara, Otto Barros, Marcello Finimundi, Selma Paiva, Glauber Amaral e Pedro Toscano mantêm o público atento e forte.

As atrizes se destacam. A mineira Camila Mota tem atuação sutil e repleta de força, quando faz Cacilda em diálogo com Walmor Chagas (Marcelo Drummond, que tem sua melhor cena quando vive o presidente suicida Getúlio Vargas).

A exuberância da atriz baiana Danielle Rosa também é destaque. Sempre presente, é a imagem mais impactante do começo da obra — assim como a de Zé Celso em uma cadeira de rodas, desconstruída em sua volta triunfal ao fim.

Ainda merecem ser citadas a forte Letícia Coura, como Cleyde Yáconis, e a pequenina Nash Laila, uma pernambucana sem amarras e intensa.

Na representação do embate das atrizes Cacilda Becker e Maria Della Costa com o delegado do DOPS, Sylvia Prado, como Cacilda, e Juliane Elting, como Maria, também têm grandes momentos de força cênica repletas de elegância.

Acauã Sol, como o delegado e também como o RoboGolpe, representa a  crueldade inteligente por trás de tudo, sempre aliada aos entreguistas perfeitamente representadas pelo músico e ator Giuliano Ferrari. Além de Ferrari no piano, baixo e guitarra, a excelente banda do Oficina tem ainda Carina Iglecias, na percussão, Chicão, no piano, Juliana Perdigão, no saxofone, clarinete, clarone e flauta, e Letícia Coura no cavaquinho, além do DJ Jean Carlos na sonoplastia. Uma das melhores bandas em atividade em São Paulo.

 

Veja fotos da peça Walmor y Cacilda 64: Robogolpe

Walmor y Cacilda 64: Robogolpe
Avaliação: Muito bom
Quando:
Sábado, 21h; domingo, 19h. 120 min. Até 29/6/2014
Onde: Teat(r)o Oficina (r. Jaceguai, 520, Bixiga, São Paulo, tel. 0/xx/11 3106-2818)
Quanto: R$ 40 (inteira); R$ 20 (meia-entrada) e R$ 5 (moradores do bairro com comprovante)
Classificação etária: 16 anos

Veja fotos da peça Walmor y Cacilda 64: Robogolpe

Veja o vídeo da peça do Oficina:

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Phillipe disse:

    RoboGolpe está fazendo um questionamento interessante, pois hoje se vê que quanto a dita Esquerda (hoje Situação) e a antiga Direita (atualmente Oposição) têm seus discursos e cabe ao cidadão buscar ter um discernimento para não absorver discursos de forma acrítica.

  2. Phillipe disse:

    Agora eu vou fazer uma correção do meu próprio comentário: onde se lê “quanto”, leia-se “tanto”. Veja que eu também me corrijo.:)
    E obrigado pela resposta!

  3. Luan Gomes disse:

    Oi Miguel,tenho duas perguntas pra te fazer:o Hector Othon saiu do Teatro Oficina?E por que você não faz uma entrevista com o Roderick Himeros?bj,você continua arrasando nas matérias como sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *