O Retrato do Bob: Dan Stulbach, o homem

Foto de BOB SOUSA
Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O ator paulistano Dan Stulbach no momento é ninguém menos do que Deus nos palcos. Ele vive o Todo-Poderoso na peça Meu Deus!, em cartaz no Teatro Faap até 27 de julho. Na obra, contracena com a grande atriz Irene Ravache. Apesar do papel nas alturas, Dan gosta da simplicidade. Afinal, começou nos bastidores do teatro, fazendo funções técnicas e conquistou, degrau por degrau, o posto de destaque que hoje ocupa na dramaturgia brasileira, seja nos palcos, cinema, televisão ou como diretor do Teatro Eva Herz da Livraria Cultura. É formado em atuação na EAD (Escola de Arte Dramática) da USP e também concluiu o curso de comunicação social da ESPM. Não à toa, tem se saído muito bem como comunicador, seja em seu programa de rádio ou cobrindo a Fátima Bernardes nas manhãs da Globo. Mas, a praia onde se sente em casa, é mesmo o teatro. Tanto que foi retratado pelo nosso Bob Sousa no CPT (Centro de Pesquisa Teatral), grande templo teatral paulistano do mestre Antunes Filho. Em foco, mais do que o artista, o grande homem.

Visite o site de Bob Sousa

Baixe o livro Retratos do Teatro, de Bob Sousa

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Fique por dentro do que rola no mundo teatral

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer ler está em um só lugar. Veja só!

 

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Luan Gomes disse:

    Esse ator é muito instigante.Gosto muito do trabalho dele!

  2. Phillipe disse:

    Sem sombra de dúvidas, é um excelente ator e uma pessoa inteligente. Confesso que não gosto dele no programa ENCONTRO COM FÁTIMA BERNARDES, porque ainda o sinto engessado e não tão espontâneo como a Fátima. Em todos os casos, certamente é bem melhor e superior em termos de comunicação do que Ana Furtado, que, na minha opinião, é péssima. Aquilo dali não é o “Vídeo Show”, o público é diferente, mais maduro. Preferiria que os substitutos da Fátima fossem apenas o Lair e o Stulbach; a Furtado está deslocada ali. Aliás, acho aborrecido quando um apresentador força ser “bacana”. A Fátima é esse sucesso justamente porque é muito natural, controla quando tem de controlar, mas também se permite rir de vez em quando, tudo de forma muito espontânea, sem forçar postura de “pessoa legal”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *