Crítica: Com texto de Franz Keppler, Só… Entre Nós é ousada no tema, mas conservadora na forma

Peça Só… Entre Nós aborda o tema da traição e do amor em polêmico triângulo – Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Um triângulo amoroso é algo tido como ousado. Mas, todo mundo já viu um. Seja na vida fantasiosa dos palcos ou na vida real, na qual também pipoca em abundância.

Se é tema controverso, torna-se ainda mais, pelo menos pelos padrões morais conservadores da atual sociedade brasileira, quando há uma mulher e dois homens.

Aí mora a ousadia da peça Só… Entre Nós, de Franz Keppler, um dos dramaturgos da nova cena paulistana; escreveu também as recentes Córtex e Divórcio.

Só por subverter o triângulo da ótica machista costumeira o espetáculo já ganha pontos. Ainda mais por usar como referência explícita textos de Caio Fernando Abreu, nosso gaúcho que poetizou o sofrimento solitário na metrópole paulistana. Os prédios ao fundo, sempre espreitam tudo, mas não oferecem ajuda.

Se é ousada no tema, a montagem é conservadora na forma.

Pelo jeito, em vez de jogar gás na polêmica, o diretor da obra, Joca Andreazza, prefere transformá-la em delicadeza e usa um tom quase que reverente para contar a história, excessivamente narrada. Apresenta aqueles três seres humanos com seus amores concomitantes.

Andreazza impõe sua direção, segurando seus atuadores e demonstrando um respeito ao texto que soa excessivo em alguns momentos. Uma pequena dose de ousadia tivesse feito bem à obra e subvertesse um pouco a narrativa desprovida de ação.

O elenco respeita a marcação e faz o que pode. Os movimentos são básicos, quase robóticos. Os atores Marcia Nemer-Jentzsch, Ricardo Henrique e Tiago Martelli são talentosos, mas, se  tivessem ficado mais soltos, talvez conseguissem conversar mais com os sentimentos presentes no texto em sua atuação.

Afinal, um teatro narrativo não precisa ser estático emocionalmente. Pode, e é um alento, ser invadido pelo vigor. Fernanda Montenegro, na peça Viver sem Tempos Mortos, com direção de Felipe Hirsch, deu uma verdadeira lição de como isso é possível.

Só… Entre Nós
Avaliação: Bom
Quando:
Terça, 20h (último dia). Até 15/7/2014
Onde: Espaço Beta do Sesc Consolação (r. Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque, São Paulo, tel. 0/xx/11 3234-3000)
Quanto: R$ 10
Classificação etária: 12 anos

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Triângulo amoroso é um tema polêmico. Concordo que eles existem. Sem dúvida. Daí a concordar com eles, vai uma grande diferença… O que vejo – do que soube – é que uma parte sempre sai bem machucada. Geralmente é a parte traída, quase sempre a última a saber. Acho deslealdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *