João Ubaldo Ribeiro abriu nossas cabeças

João Ubaldo Ribeiro nos ensinou em seus romances que desejo não é pecado – Foto: Flávio Moraes

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

João Ubaldo Ribeiro, que morreu nesta sexta (18), aos 73 anos, em sua casa, no Rio, foi o maior libertador de nossa sexualidade na literatura brasileira.

Fernanda Torres na adaptação para os palcos de A Casa dos Budas Ditosos, com direção de Domingos de Oliveira: texto emblemático de João Ubaldo Ribeiro – Foto: Divulgação

Seu romance A Casa dos Budas Ditosos, adaptado brilhantemente para o teatro por Domingos de Oliveira no melhor espetáculo da carreira de Fernanda Torres, é uma aula de sensualidade, sem repressão, sem culpa.

O escritor baiano, nascido na paradisíaca Ilha de Itaparica, soube como ninguém construir com maestria em sua prosa elegante o fogo de nosso povo. Povo que ele amava e que deu título a outro romance seu reconhecido mundialmente, Viva o Povo Brasileiro. Vinha da mesma forma de Jorge Amado, outro baiano romântico e sensual.

Ler João Ubaldo Ribeiro é tornar-se seu cúmplice. E também de seus personagens abrasados, que sucumbem ao chamado do instinto, do corpo, da vida.

O Brasil, sem João Ubaldo Ribeiro, fica ainda mais careta. Mais quadrado. Mais chato.

Vai fazer uma falta enorme este homem debochado e ao mesmo tempo sincero, que mostrou a todos que não há pecado do lado de baixo do Equador. Ele nos ensinou que ter fogo não é feio, não é errado. Muito pelo contrário, é o que somos. E é o que nos faz belos. Vivos.

Por isso, os romances que criou são à base do desejo. Quem não pode ser reprimido nem acusado.

João Ubaldo Ribeiro abriu nossas cabeças.

Ai, que falta enorme que ele já faz…

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Embora não faça ode ao hedonismo (muito pelo contrário), é impossível não reconhecer o talento literário de João Ubaldo. No mesmo estilo de Jorge Amado – mas com identidade autoral bem evidente (frise-se) -, João Ubaldo realmente apresentou um estilo literário bem sensual, no qual os personagens se deixam dominar pelas sensações corporais. Seu comentário, neste aspecto, Miguel, é irretocável. Pessoalmente, acho que o ser deve ser pautado pelo equilíbrio entre razão e emoção e certamente bem menos instintivo. Mas, enfim, cada um lê o que gosta e o que quer. Eu, por exemplo, adoro os personagens absolutamente virginais, até porque, atualmente, só autores incrivelmente criativos conseguem desenvolvê-los face à cultura hedonista que pipoca por aí.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *