Domingou: E o que a gente faz sem eles?

João Ubaldo Ribeiro, Rubem Alves e Ariano Suassuna: o que nós faremos sem eles? – Fotos: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO*

O ano está sendo cruel com nossos grandes nomes da literatura. Acabamos de perder Ariano Suassuna, Rubem Alves e João Ubaldo Ribeiro. Numa tacada só, cruel, de uma vez.

A chaga do Gabriel García Márquez ainda não havia sido fechada… Tampouco a do Jorge Amado e a de Zélia Gattai, que já se foram há mais tempo, mas ainda fazem muita falta.

Foi nas bibliotecas das escolas públicas de Belo Horizonte onde estudei que conheci e me apaixonei por todos eles.

Ficavam lá, na estante, à espreita, esperando que os escolhesse. E não titubeava nunca. Alguns, a leitura se dava fácil, de cara. Outros, demandavam tempo. Em ambos os casos, sempre era bom.

Sempre é bom ter um bom livro de companhia.

E eles estão desaparecendo, diante da urgência do novo, do rápido, do tecnológico, da pouca paciência para se dialogar realmente com um autor.

A pergunta fica no ar: será que os tempos atuais, tão velozes e líquidos, não nos deixa mais ter tempo de conhecer os novos gênios da literatura? Ou será que eles não existem mais?

E o que faremos sem eles? Como vamos nos entender? Como vamos nos enxergar?

Será que o que nos resta é ficar no limbo da falta de palavras, da falta de poesia, em um luto constante?

*Miguel Arcanjo Prado é jornalista e gosta de ler. A coluna Domingou, uma crônica semanal, é publicada todo domingo no blog Atores & Bastidores do R7.

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    De fato, estes novos tempos líquidos estão surtindo um indesejado efeito. A comunicação empobreceu. Algumas pessoas parecem desaprender como se dialoga. Tudo é imediato e, muitas vezes, superficial. Há uma louvação ao culto ao corpo e, para muitos, imagem é tudo, nem que para isso seja preciso pisotear quem está ao lado, fazendo o colega de escada para subir alguns degraus. É cruel, porém é uma realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *