Príncipe feio e chato mostra o avesso do galã

Peça Pandolfo Bereba será apresentada gratuitamente em bibliotecas de São Paulo – Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O mundo dos contos de fadas é povoado por príncipes galãs, repletos de dádivas. Só que, na vida real, a qualidade nem sempre vem conjunta com a beleza. Muitas vezes, estão até separadas.

E é bom que as crianças saibam disso desde pequeninas, para não comprar gato por lebre no futuro.

Pois a peça infantil Pandolfo Bereba justamente descontrói o mito do príncipe encantado. A montagem será apresentada gratuitamente em bibliotecas de São Paulo [veja serviço abaixo].

A obra da Cia. Circo de Trapo tem direção de Fábio Brandi Torres e conta a história baseada no livro homônimo escrito por Eva Furnari.

Pandolfo não é bonito, nem encantador. Mas, é príncipe. Assim, vive solitário em seu castelo. Como adora julgar os outros, não tem muitos amigos. Até que conhece uma garota que modifica sua visão de mundo.

No elenco, estão artistas saídos de importantes escolas de artes cênicas do Estado de São Paulo: Marco Ponce, Rosana Borges e Verônica Nóbili, vindos, respectivamente, do Teatro-Escola Macunaíma, da ELT (Escola Livre de Teatro) e da EAD (Escola de Arte Dramática) da USP (Universidade de São Paulo).

O diretor afirma que a peça quer mesmo revê padrões e que seu protagonista “mostra que toda imagem pode ter o seu avesso, até mesmo um príncipe encantado”.

Está coberto de razão.

Pandolfo Bereba
Quando: 2/8/2014 (sábado), 14h
Onde: Biblioteca Pública Hans Christian Anderson (av. Celso Garcia, 4.142, Tatuapé, São Paulo, tel. 0/xx/11 2295-3447)
Quando: 3/8/2014 (domingo), 11h
Onde: Biblioteca Pública Padre José de Anchieta (r. Antônio Maia, 651, Perus, São Paulo, tel. 0/xx/11 3917-0751)
Quanto: Grátis
Classificação etária: livre

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Tomara que a peça viaje pelo Brasil!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *