Por trás do pano – Rapidinhas teatrais

Os atores Maria Cecília Mansur e Jorge Mesquita no curta Toystation – Foto: Filipe Luchessi

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Curta na praça
O curta-metragem Toystation acaba de ser lançado e já chama a atenção da classe artística com seu ar surreal. A produção é da Ritmo Visual Filmes, feita de forma independente, na base da garra mesmo. O diretor Pedro H. Marques conta à coluna que “o objetivo é ajudar o espectador a apreciar mais e tomar conhecimento da beleza”. Quer que todos deixem a imaginação bem livre.  O que é ótimo, por sinal. Quer viajar também?  Veja o curta.

O cineasta Pedro Marques está lançando seu curta-metragem Toystation – Foto: Filipe Luchessi

Labuta
Ah, o jovem cineasta Pedro H. Marques também cuida da parte de vídeos do grupo teatral Os Satyros. Aliás, essa turma da praça Roosevelt não é boba, nada.

Gerald Thomas provocou fúria ao falar sobre teatro brasileiro – Foto: Nil Caniné

Barraco no teatro
Causou nervosismo em parte da classe teatral as polêmicas declarações de Gerald Thomas, que disse que o teatro brasileiro é “mesquinho, bobo e provinciano“. Teve diretor que tomou as dores e foi para o Facebook do Gerald esbravejar até ser bloqueado por este. Depois, foi para a própria timeline dizer que é vítima da “inveja” alheia. E mandou mensagem para Gerald, in box, prometendo quebrar os dentes do diretor assim que ele colocar os pés no Brasil.

Barraco no teatro 2
Lá em Brasília, o dramaturgo Sergio Maggio concluiu: “Volta e meia, Gerald põe um fogo na roda”. Em São Paulo, o jornalista Bruno Machado, conhecedor dos pormenores do teatro, definiu para a posteridade: “Essa discussão deveria se chamar Casos de Teatro, com Christina Rocha — Tema de hoje: Vocês ainda estão falando de Beckett?”.

Comida de grife
A turma do Teat(r)o Oficina manda avisar que o bistrô Le Cassarole, aquele do Largo do Arouche que até apareceu em música do Criolo, é o responsável pela gastronomia do Nick Bar, onde o público e atuadores de Cacilda!!!!! A Rainha Decapitada se reúnem antes (a partir das 18h), no intervalo e depois das sessões do musical, no terreno do entorno Oficina, todo sábado e domingo. As comidinhas e bebidas custam entre R$ 8 e R$ 20. É pelo bar que o público entra desta vez, já que a bilheteria foi realocada nos fundos do prédio projetado por Lina Bo Bardi, cujo centenário é celebrado nesta temporada. Leia a Entrevista de Quinta que Zé Celso deu ao blog no banheiro de seu apê.

Agenda Cultural da Record News

Encontro marcado
A Cia. EnvieZada, do Rio, agendou para 7 de agosto a estreia da peça Meu Caro Vizinho, no Teatro Aliança Francesa, em São Paulo. O texto é do canadense Thomas Morgan Jones. Vai, gente!

Papai, mamãe, titia
Um dia antes, no dia 6 de agosto, Blota Filho e Eduardo Martini reestreiam no Teatro Itália, em São Paulo, a comédia Chá das 5. Dizem por aí que é um verdadeiro acerto de contas familiar. Eita.

Iepe tem sessão grátis neste sábado, às 19h, em São Bernardo do Campo – Foto: Divulgação

Príncipe ou mendigo?
Um dos mais prestigiados dramaturgos da região do ABC Paulista, Luís Alberto de Abreu, terá texto encenado neste sábado (2), às 19h, com entrada grátis. Mas fique esperto: é apresentação única. Depois, não reclame. Trata-se da peça Iepe. Será no Centro Livre de Artes Cênicas, o Clac, em São Bernardo do Campo (praça São José, 240, Baeta Neves). A montagem da trupe Temdona é dirigida por Pedro Alcântara e tem no elenco André Felix, Rodrigo Sampaio, Rosane Rodrigues e Thais Irentti, artistas saídos da Fundação das Artes de São Caetano do Sul. O enredo conta a história de um camponês que vive bêbado e, de repente, é colocado no lugar de um barão. Quem dera se isso acontecesse sempre…

Trio masculino mostra sua visão sobre as mulheres na primeira peça de Marcelo Serrado – Foto: Divulgação

O homem que amava as mulheres
Após o estouro como o personagem gay Crô, na TV e no cinema, Marcelo Serrado resolveu escrever e dirigir uma peça para falar do universo masculino. Chama-se A História dos Amantes. Estreia no dia 15 de agosto no Teatro dos Grandes Atores, no Rio. No elenco, estão Bruno Gissoni, Daniel Rocha e Hugo Bonemer. É uma comédia sobre como os homens enxergam as mulheres…

Alô, mamãe!
Virou moda. Como os ingressos para The Old Woman são disputados a tapa no Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros, em São Paulo, quem consegue a dádiva de ver a peça de Bob Wilson com Baryshnikov e Willem Dafoe logo faz questão de tirar foto do ingresso e do palco. E postar instantaneamente nas redes sociais. Pra ninguém duvidar, né? Leia a crítica.

Galvarino (Chile) participa da Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo de SP – Foto: Pierre Duarte

Teatro grátis
Começa nesta sexta a 9ª Mostra Latino-Americana de Teatro de Grupo. São 12 peças de 11 lugares da América Latina e até uma da Europa. E o melhor: ninguém paga nada. Se a coluna fosse você, iria. Confira a programação completa.

Mirada
Falando em festival, a coluna descobriu que o Mirada – Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas de Santos, promovido pelo Sesc São Paulo, será realizado entre 4 e 13 de setembro. Ainda tivemos acesso ao número de espetáculos: serão 41, sendo 25 internacionais e 16 nacionais. Vai abalar as estruturas. O blog vai cobrir o evento todinho e contar tintim por tintim, é claro.

Mercosul
O diretor, ator e dramaturgo mineiro Léo Kildare Louback acaba de voltar de Buenos Aires, onde foi dar uma oficina. Assim que colocou os pés em Belo Horizonte, ainda falando castellano, ficou sabendo que sua peça Como Matar a Mãe – 3 Atos participará do Circuito Cultural Praça da Liberdade. Outra peça na qual atua, Between, também foi selecionada. Está feliz da vida.

Ivam Cabral revela a maquiagem que usará na peça Pessoas Perfeitas, do Satyros – Foto: Divulgação

Carão
É assim, tal qual está na foto acima, que o ator Ivam Cabral aparecerá na nova peça dos Satyros, Pessoas Perfeitas, que estreia dia 15 de agosto na praça Roosevelt. Estão todos convidados.

Ausência
A nova peça do grupo, dirigida por Rodolfo García Vázquez, não tem Cléo De Páris. Nem Phedra D. Córdoba. Tem gente que está deprimida com a notícia.

Libera geral
É nesta sexta (1º), a partir das 19h, na Fnac da av. Paulista, 901, em São Paulo, o lançamento da biografia de Ronnie Von. Ao contrário de Roberto Carlos, que manda recolher livros por aí, o ex-roqueiro psicodélico e hoje apresentador comportado deixou os autores, Antonio Guerreiro e Luiz Cesar Pimentel, escreverem o que queriam sobre ele. Eles contaram tudo sobre Ronnie Von – O Príncipe Que Podia Ser Rei na última Entrevista de Quinta.

Nova temporada grátis: Juan Manuel Tellategui (o alemão Ernest) e Anderson D’Kássio (o norte-americano Cliff) em cena do musical Cabaret, novas sessões sextas e sábados, às 21h, até setembro, em SP – Foto: Eduardo Enomoto

Venha pro Cabaret!
Também no centro paulistano, volta ao cartaz neste sábado (2), às 21h, no Espaço da Cia. do Pássaro (r. Álvaro de Carvalho 177, metrô Anhangabaú), o musical Cabaret, dirigido por André Latorre. A entrada é gratuita. Toda sexta e sábado, 21h, até o fim de setembro. No elenco, estão Rita Gutt, Anderson D’Kássio, Juan Manuel Tellategui, Gabriel Ivanoff e Liza Caetano, entre outros. Chegue cedo, para não disputar ingresso a tapa na fila. Quem foi à temporada de 2013 no Teatro Ruth Escobar sabe do que a coluna está falando…

Diversidade
Tem um filme na gaveta com a temática de diversidade? As inscrições de filmes para o festival Mix Brasil estão abertas até o fim do mês. Saiba mais.

Nova formação de elenco da peça A Toca do Coelho: três atores deixaram a peça – Foto: João Caldas

Mudança de hábito
Como o blog adiantou com exclusividade nesta semana, a peça A Toca do Coelho reestreia dia 15 em Vitória, no Espírito Santo, no Teatro Universitário, com elenco reformulado. Saíram Maria Fernanda Cândido, Selma Egrei e Felipe Hintzé. Do elenco original da peça dirigida por Dan Sutulbach só restaram Reynaldo Gianecchini e Simone Zucato. Os substitutos são Bárbara Paz, Neusa Maria Faro e Rafael de Bona. A foto acima é da nova formação e também em primeiríssima mão para a coluna.

Encontro marcado
Os críticos teatrais da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes) se encontram na próxima segunda (4) para discutir os melhores espetáculos do primeiro semestre em São Paulo. O encontro, já tradicional acontece duas vezes por ano no apartamento do crítico e ex-presidente da instituição Aguinaldo Cristofani Ribeiro da Cunha.

Cidadão do mundo
Pedro Granato mal voltou de Nova York, onde fez um mergulho com outros diretores de diversas partes do mundo, e já está em ritmo frenético. Neste sábado, estreia nova peça, Submarino, no Teatro da Cultura Inglesa de São Paulo. Também dará uma oficina no Centro Cultural São Paulo que prevê a montagem de um espetáculo — já tem gente se matando por uma das vagas. Ah, ele contou para a coluna que, entre os amigos que fez na temporada nos Estados Unidos, está o artista russo Maxim Didenko. Isso é que é intercâmbio!

Amigos de infância: o russo Maxim Didenko e o brasileiro Pedro Granato, em Nova York – Foto: Divulgação

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Marcelo Mota disse:

    Mirada
    Falando em festival, a coluna descobriu que o Mirada – Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas de Santos, promovido pelo Sesc São Paulo, será realizado entre 4 e 13 de setembro. Ainda tivemos acesso ao número de espetáculos: serão 41, sendo 25 internacionais e 16 internacionais. Vai abalar as estruturas. O blog vai cobrir o evento todinho e contar tintim por tintim, é claro.

    Afinal são quantos nacionais e internacionais?

    • Miguel Arcanjo Prado disse:

      Marcelo, são 25 internacionais e 16 nacionais. O erro já foi corrigido. Obrigado pela leitura atenta e continue conosco aqui no blog. Sua visão é sempre bem-vinda. Aquele abraço!

  2. Phillipe disse:

    1. O Gerald parece ser do tipo provocador, mas concordo com alguns de seus comentários. Só não apreciei a crítica ao teatro brasileiro, como se o nosso fosse mais atrasado. Há certos temas que nem sequer são abordados em certos países, então não acho que o Brasil seja tão atrasado assim em se tratando de teatro. Aliás, acho que certas produções por aqui são até avançadas em excesso, ainda que sejam casos isolados.
    2. Nem tinha lido estas RAPIDINHAS TEATRAIS e havia comentado anteriormente sobre um certo deslumbramento com a peça do Bob Wilson. Que comentário certeiro o que fiz! Imagino o frisson que a peça deva causar em peruaças enlouquecidas ou em pessoas obcecadas por celebridades. Com certeza, a grande maioria vai para apreciar a peça pelo texto e pelos atores, mas há também quem deva estar indo só para postar que está lá, já que essa peça é o “programa descolado da vez”.
    3. Sobre as posturas de Ronnie e Roberto, penso que a postura de ambos devem ser respeitadas. Cada um tem seus motivos. O importante é que ambos são bons artistas, com grande público e com uma trajetória belíssima. Roberto, especificamente, é a prata da casa. Graças a ele, o nome do Brasil foi posto nas alturas. Basta dizer que ganhou um Grammy em 1989, vencendo o mexicano José José e os espanhois Dyango, José Luis Perales e Raphael. E, salvo engano, foi o único brasileiro de todos os tempos a vencer o Festival de San Remo. O que dizer mais? É um excesso de excelência. A alcunha de “Rei” é totalmente apropriada. Hoje, com o apoio da mídia e das redes sociais, ídolos são criados/fabricados, porém Roberto saiu sistematicamente quebrando barreiras – várias internacionais inclusive – numa época em que as redes sociais não existam. Portanto, é um ícone, um pioneiro que marcou para sempre o nome na história da Música do Brasil e do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *