Quinteto moderninho chama a atenção no Mirada

A partir da esq.: Felipe, Ametônyo , Túlio, Gabriela e Isabela chamam a atenção do público do Mirada 2014 com seu visual moderninho; eles poderiam ou não ser uma banda de punk-rock em um filme de Almodóvar dos anos 80? – Foto: Miguel Arcanjo Prado

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Enviado especial do R7 a Santos*

No prédio da Casa da Frontaria Azulejada, no centro histórico da cidade de Santos, um quinteto de  moderninhos chama a atenção de quem acaba de sair da sessão do espetáculo Entra A e B, do grupo paraguaio En Borrador Teatro en Construcción, que integra a programação internacional do Mirada 2014, o Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas de Santos.

Os cinco jovens amigos têm ares de quem acabou de sair daquele filme Pepe, Lucy, Bom y Otras Chicas del Montón, de Pedro Almodóvar, de 1980 – se não viu ainda, corra pra ver.

Exibem cada qual um visual punk-artístico que, combinados, formam um conjunto de forte poder visual. Poderiam ser uma banda de punk-rock de sucesso, se não estivéssemos nos tempos de funk e sertanejo universitário nas paradas de sucesso.

A reportagem quis conhecer melhor os meninos. São o ator paulista Felipe Rocha, o ator paraibano Ametônyo Silva, o bailarino catarinense Túlio Rosa, a atriz santista Gabriela Moraes e a bailarina paulista Isabela Gonçalves.

Felipe está trabalhando nas atividades formativas do Mirada, ao lado de Cibele Forjaz. Ametônyo faz artes cênicas na USP (Universidade de São Paulo) e está conhecendo o festival. Túlio, por sua vez, entrou de carona no carro que descia a serra e está descobrindo tudo. “É minha primeira vez no Mirada, minha primeira vez em Santos, meu primeiro dia, minha primeira peça. Simplesmente entrei no carro e estou aqui”, explica.

Já Gabriela, que também estuda artes cênicas na USP, faz as vezes de anfitriã, já que é nativa da cidade. “Vim em todos os Miradas”, diz, toda experiente. “Acho um festival muito relevante para a cena cultural brasileira”, decreta.

Já Isabela, a ruivinha de cabelo raspado do lado, conta que é de Presidente Prudente, mas mora em São Paulo. Ela também estreia no festival teatral que movimenta a Baixada Santista até o dia 13 de setembro. “Já tinha vindo na Bienal da Dança e quis conhecer o festival de teatro. Tenho amigos se apresentando. Vamos ver como é que é”.

A reportagem encerrou o bate-papo – até porque eles precisavam entrar na fila para ver outra peça, a paulista Stereo Franz – dizendo que eles deveriam montar uma banda urgentemente. Pelo menos visualmente, já estão prontos. Eles sorriram e responderam: Quem sabe?

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite do Sesc São Paulo.

 

Leia a cobertura do R7 no Mirada

Conheça a programação do Mirada

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    São modernos, articulados e com um visual interessante. De fato, parece um grupo de “Punk rock” dos Anos 80 no melhor sentido do termo: articulados, vanguardistas, luminosos. Têm um estilo naturalmente despojado, mas com impactante atitude, não algo forçadamente descolado como fazem alguns “posers” de plantão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *