Crítica: Maria Pagés põe fogo no palco do Teatro Coliseu com flamenco contra a caretice do mundo

Maria Pagéns dança no Teatro Coliseu, em Santos, durante o Mirada 2014: em seu corpo a dança flamenca ganha contornos inimagináveis, como as da das curvas no concreto de Oscar Niemeyer – Foto: Dani Sandrini

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Enviado especial do R7 a Santos*

O vermelho que envolve o corpo da bailarina Maria Pagés é um grito de resistência contra a morte da utopia. Afinal, se não há mais a possibilidade de se sonhar com algo melhor, o que nos resta?

No corpo de Pagés, a dança flamenca ganha contornos inimagináveis tais quais os das curvas propostas no concreto do arquiteto Oscar Niemeyer, com o qual dialoga no espetáculo Utopia, um dos destaques do Mirada 2014, o Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas de Santos realizado pelo Sesc São Paulo até o próximo dia 13.

Na montagem, a coreógrafa e bailarina espanhola e seu grupo investigam os limites da ideologia impossível no embalo da onda que se ergueu no mar. O espetáculo, apresentado diante de um boquiaberto Teatro Coliseu, em Santos, no último fim de semana, é um convite ao sonho que não pode ser esmagado pela realidade mesquinha e conservadora.

Marcha careta

Ela faz isso muito bem ao substituir uma marcha militar repleta de caretas medonhas por samba solar. É um samba de beira de praia, acompanhado de forma vibrante pelos bailarinos. É a forma de Pagés dialogar com o Brasil e a cidade que a recebe.

O espetáculo assume nuances distintas. Vai do fogo puro a momentos de introspecção. E mesmo após o samba, no Brasil praticamente o fim de tudo, ela consegue voltar a momentos mais densos, um grande feito.

A música, executada ao vivo por Ana Ramón, Chema Uriarte, Fred Martins, José Fyty Carrillo, Juan de Mairena, Rubén Levaniegos e Sergio Menem enche ainda mais a dança de sentido em um diálogo que atinge diretamente o coração do espectador, tudo sob o comando de som minucioso de Albert Cortada.
 
Bailarinos entregues

Maria Pagés, que não é boba, além de ter José Barrios como assistente coreográfico, faz questão de ser cercada de um time de bailarinos cheios de paixão e que merecem ser nomeados: Eva Varela, José Barrios, José Antonio Jurado, Isabel Rodríguez, Maria Pagés, Paco Berbel e Rubén Puertas.

Juntos formam um conjunto coeso e entregue, merecedor dos aplausos fartos no final da obra e que enganaram até o operador da cortina do Teatro Coliseu, que teimou em fechá-la antes do tempo correto do fim da obra na sessão vista pelo R7. Mas nada que a força de Maria Pagés e seu grupo não tirassem de letra.

Utopia
Avaliação: Ótimo

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite do Sesc São Paulo.

Leia a cobertura do R7 no Mirada

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Havia feito um comentário anteriormente porém lamentavelmente se perdeu por falha operacional. De qualquer forma, bela foto de Dani Sandrini!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *