Crítica: Teatro dando uma de pobre coitado vira motivo de riso em peça mexicana no Mirada

Mexicana Menores que o Guggenheim mostra angústia de se fazer teatro – Foto: Copo Diseño

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Enviado especial do R7 a Santos*

Estar atentos aos editais. Escrever projetos. Entregar toda a documentação direitinho. Esperar pelo resultado. Nem sempre ganhar. E, quando tudo dá certo, a vitória vai só até o fim da temporada. Porque, depois, é preciso recomeçar tudo outra vez.

A conhecida instabilidade profissional e financeira do artista de teatro na América Latina é o pano de fundo da peça mexicana Menores que o Guggenheim, do grupo Los Guggenheim. O espetáculo foi apresentado no Mirada, o Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas de Santos, que chegou ao fim neste sábado (13).

Na encenação, mergulhada na metalinguagem até o último fio de cabelo, um grupo de teatro tenta sobreviver com uma nova peça, enquanto procura espantar o fantasma dos tempos em que dois de seus integrantes tentaram se aventurar na Europa em um sonho fracassado de conquistar o “Primeiro Mundo”.

O título da peça sai da relação de um dos personagens com o Museu Guggenheim Bilbao, no País Basco, diante do qual se dá conta de ser um latino-americano e não um europeu, em um rompante de autopreconceito.

Alejandro Ricaño, que assina dramaturgia e direção, constrói uma atmosfera de fracasso iminente, tão comum nos países latino-americanos, com um sentimento presente de inferioridade diante da metrópole de seu passado colonial que ainda é difícil expurgar.

O achado da montagem é expor esta realidade de interiorização da própria cultura diante daquela europeia, vista como superior, infelizmente, ainda tão presente neste lado do Atlântico. E ainda mostrar que os donos do discurso de que o teatro é um pobre coitado também têm seus mecanismos de oprimir o ainda em situação pior. Isso fica muito claro na relação de opressão que os produtor-diretor da peça tem com seu elenco.

A peça acerta ao fazer seu discurso sobre uma base de humor, tendo intérpretes carismáticos em cena conquistando o espectador até mesmo quando os diálogos são de um preconceito evidente.

Na encenação, o artifício dos artistas para levantar a obra de teatro dentro da obra de teatro dá lugar a outras discussões latentes que circundam a história, como a orientação sexual escondida de um dos integrantes ou o racismo em relação ao ator albino do elenco — uma metáfora para a situação do próprio negro no teatro mexicano; e também brasileiro.

O único tropeço da peça é estender-se demasiadamente em sua reta final, o que acaba de tornar enfadonho o seu repetir tal qual um disco arranhado sobre o mesmo tema. Um bom corte na parte derradeira teria feito muito bem.

De toda forma, Menores que o Guggenheim é um espetáculo que registra com propriedade a angústia cotidiana comum ao artista latino-americano, com seu sonho de realizar sua arte. Por mais que olhe para o próprio umbigo, o faz com mérito, inteligência e graça. E mostra que, para sair desse disco arranhado de pobre coitadinho é preciso, antes de tudo, abandonar de vez esse choramingar.

Menores que o Guggenheim
Avaliação: Bom

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite do Sesc São Paulo.

Leia a cobertura do R7 no Mirada

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Menores que o Guggenheim
Avaliação: Bom

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *