Eleições geram discórdia no teatro brasileiro

A partir do alto, em sentido horário: Pedro Vilela, Cléo De Páris, Leo Moreira Sá e Rodrigo Negrini: racha por conta do segundo turno das eleições para presidente chegou também na turma dos palcos – Fotos: Divulgação/Arquivo pessoal

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O clima não é dos melhores no meio teatral quando o assunto é o segundo turno das eleições presidenciais, marcado para o próximo dia 26 de outubro. Assim como no resto do Brasil, os artistas estão em pé de guerra nas redes sociais. Tudo porque alguns votam em Dilma, outros em Aécio e ainda há os que não querem votar e são pressionados pelos dois lados.

As discussões prometem esquentar à medida que o pleito se aproxima. Há farpas por todos os lados. Mas também há demonstrações de amor ao candidato escolhido.

O apoio é mais explícito naqueles que votam em Dilma. Como os atores do Grupo Magiluth, de Recife, que trocaram suas fotos no perfil do Facebook por um retrato no qual suas imagens se fundem com a da candidata à reeleição.

Pedro Vilela, diretor da trupe pernambucana, ironizou, antes de postar um vídeo com o apoio de Chico Buarque à candidata do PT. “Enquanto os eleitores de Aécio postam vídeo com Alexandre Frota apoiando a candidatura, nos resta a doçura de Chico”.

Leo Moreira Sá e Pedro Vilela: apoio à candidatura de Dilma em suas timelines – Foto: Reprodução

Já o ator e iluminador paulistano Leo Moreira Sá foi sucinto ao dizer porque vota em Dilma: “Se Feliciano está com Aécio, eu não estou”, referindo-se ao deputado conhecido por sua homofobia latente e que apoia o tucano.

Mas também há fervor entre os fãs do PSDB. O ator Rodrigo Negrini, que acaba de fazer a temporada do musical Crazy for You com Claudia Raia, bradou em sua timeline: “Vai, Aécio!!!”, assim que o nome do tucano foi confirmado no segundo turno. Ele aproveitou a frase para definir seu estado de espírito: “se sentindo esperançoso”.

Tucanos: Cléo De Páris e Rodrigo Negrini estão com Aécio no segundo turno – Foto: Reprodução

Outra tucana de carteirinha [e ex-petista, segundo relato da própria], Cléo De Paris, do grupo Os Satyros, já perdeu um monte de amigos virtuais nos últimos meses. Tudo por conta de seu posicionamento político. Cansada de tanto bate-boca virtual, esta semana ela avisou em sua timeline: “Amigo ou não, falou coxinha ou m… que corresponda NOS MEUS POSTS [com caixa alta mesmo], deletei”. Recado dado.

O caminho da paz

Enquanto a guerra parece não ter fim, Zé Henrique de Paula, diretor do Núcleo Experimental, preferiu a paz.

Fez uma retirada elegante e até citou Guy Debord, autor do clássico A Sociedade do Espetáculo, de 1967 (se você não conhece, corra urgentemente para uma biblioteca próxima).

Perfil do diretor do Núcleo Experimental Zé Henrique de Paula no Facebook está vazio – Foto: Reprodução

Zé Henrique de Paula: Guy Debord para deixar rede social – Foto: Eduardo Enomoto

Zé Henrique se despediu assim: “E tchau pra todo mundo — me mandem e-mails ou me telefonem. Vamos tomar um café, uma cerveja, marcar um almoço, assistir a uma peça, fazer uma viagem, um projeto, uma pedalada. Mas fora daqui”.

E postou o trecho abaixo do livro de Debord:

“Tudo que era antes vivido diretamente tornou-se mera representação. O espetáculo não é uma coleção de imagens; é a relação social entre pessoas que é mediada por imagens”.

[r7_poll id=19232]

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Vinicius Massucato disse:

    Que pena de cias e artistas que tem o rabo preso com o PSDB, com o Alckmin e Serra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *