Antunes abre e Zé Celso fecha festival de Presidente Prudente, que chega à maioridade

Dois monstros do teatro brasileiro juntos no festival: Antunes abre e Zé Celso fecha Fentepp – Fotos: Bob Sousa

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Fotos BOB SOUSA

Por longos anos São José do Rio Preto abrigou o mais importante festival de teatro do interior paulista, com seu FIT (Festival Internacional de Teatro). Pois 2014 pode mudar essa tradição, com a chegada de um reformulado Fentepp (Festival Nacional de Teatro de Presidente Prudente), realizado pela Prefeitura de Presidente Prudente, no interior paulista, em parceria com o Sesc São Paulo e a Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo.

A curadoria foi feita por Rodrigo Elói (coordenação) e Adriana Macedo, do Sesc São Paulo; Luiz Fernando Marques, o Lubi, diretor convidado do Grupo XIX; e Denilson Biguetti, da Secretaria Municipal de Cultura de Presidente Prudente.

O objetivo é impulsionar o evento em sua maioridade, já que chega à 21ª edição entre 21 e 29 de novembro próximo. São 25 espetáculos de todo o País que fazem 47 apresentações em espaços fechados, como Centro Cultural Matarazzo e o Sesc Thermas de Presidente Prudente, e abertos, como ruas e praças da cidade. Quatro companhias foram convidadas e as outras, selecionados pela curadoria num total de 300 inscritos.

Os ingressos já estão à venda e custam R$ 17 a inteira, R$ 8,50 a meia-entrada, válida para a classe teatral prudentina, estudantes, aposentados, servidores de escolas públicas e deficientes, mediante comprovação. Já comerciários e dependentes pagam só R$ 5. Os espetáculos infantis e com classificação livre têm entrada gratuita.

Antunes, Zé e Bob

Para impressionar, a programação traz dois bastiões do teatro brasileiro. Ela abre com Nossa Cidade, o premiado recente espetáculo do diretor Antunes Filho. E fecha com Walmor y Cacilda 64: Robogolpe, do Teat(r)o Oficina de José Celso Martinez Corrêa, o Zé Celso.

O fotógrafo do teatro Bob Sousa, em autorretrato: primeira exposição do livro Retratos do Teatro

Além dos dois ícones, o evento ainda terá a primeira exposição do livro Retratos do Teatro (Ed. Unesp), do fotógrafo Bob Sousa, colaborador deste blog. Serão 20 retratos de ícones dos palcos, entre os quais estão Antunes Filho e Zé Celso, é claro.

A programação ainda traz um dos espetáculos mais aclamados de 2014, o carioca Conselho de Classe, da Cia. dos Atores,  com sua inteligente abordagem do ambiente da escola pública brasileira abandonada pelos governantes.

Mas nem só de megassucessos se faz uma programação de um festival nacional de teatro. Assim, grupos de variadas partes do Brasil foram selecionados pela curadoria do festival.

Paulistas dominam programação

Há faltas sentidas, como de um grupo mineiro, ou de representantes das regiões Centro-Oeste e Norte, que não integram o Fentepp. Há uma centralização em espetáculos paulistas, para um festival que deseja ser nacional.

O poético Sabiás do Sertão, da Cia. Cênica de São José do Rio Preto, foi um dos selecionados — outras duas peças da mesma cidade são Mundomudo, da Cia. Azul Celeste, e Expresso Caracol, da Cia. dos Pés.

A pintora mexicana Frida Khalo é homenageada na peça Obra Inacabada de Frida Khalo, do grupo local Cia. de Teatro Vermelho, único representante de Presidente Prudente no Fentepp. Ainda do interior paulista tem Quem Roubou meu Sapatinho, do Grupo Teatral InSônia, de Ribeirão Preto.

A turma da Baixada Santista, que atualmente tem um importante festival internacional também promovido pelo Sesc, o Mirada, em Santos, está muito bem representada com o grupo Teatro do Kaos, de Cubatão, que apresenta Os Sapatos que Deixei pelo Caminho.

Além de Antunes e Zé Celso, a capital paulista domina a programação, com ainda os espetáculos A Rainha do Rádio, da Cia. A Quatro Mãos, O Menino que Mordeu Picasso, da Charge Produções Artísticas, Acusação a uma Atriz, da MiniCia. Teatro, Otelo e a Loira de Veneza ou o Pancadão da Traição, da Cia. Lona de Retalhos, A Morte de Ivan Ilitch, do Núcleo Caixa Preta, Monóculo, do Tecelagem Grupo de Teatro, e Pop, da Cia. Noz de Teatro.

Outros Estados

De outros estados do Sudeste, o Espírito Santo manda Anjos e Abacates, da Repertório Artes Cênicas e Cia., de Vitória. Já o Rio envia Dá Licença, Minha Gente, do Grupo Teatral Cutucurim, de Angra dos Reis.

O Nordeste é representado por Felinda, da Cia. Carroças de Mamulengos, da cidade cearense de Juazeiro do Norte, e por Fúlvio e o Mar, do Coletivo Atores à Deriva, de Natal.

Du Sul tem a peça Das Águas, da Cia. Carona, da cidade catarinense de Blumentau, Um Dois, Três: Alice!, da Téspis Cia. de Teatro, da cidade catarinense Itajaí, e Bilie, da curitibana Dezoito Zero Um Cia. de Teatro. Além dos também curitibanos da Pivete Cia. de Arte, que apresentam a peça O Rato, e Londrina, também no Paraná, que envia Números, da Cia. Os Palhaços de Rua.

Saiba mais sobre o 21º Fentepp!

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Desejo boa sorte ao Fentepp! Não é porque não vou e nem posso ir que deixarei de desejar que o festival seja um sucesso! Que tudo seja bom por lá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *