Núcleo Bartolomeu recebe ordem de despejo

A artista Claudia Shapira, fundadora do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, recebeu ordem de despejo na noite desta terça-feira (11) – Foto: Bob Sousa

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Foto BOB SOUSA

Mais um capítulo da saga dos grupos teatrais contra a especulação imobiliária na cidade de São Paulo.

O Núcleo Bartolomeu de Depoimentos recebeu, na noite desta terça (11), uma ordem de despejo de sua sede alugada na Lapa, zona oeste paulistana.

A atriz Roberta Estrela D’Alva conta o que ocorreu:

— Por volta das 22h30 um oficial de Justiça procurou a Claudia [Shapira, fundadora do grupo] para entregar uma ação de despejo. Pelo documento temos 15 dias para desocupar o imóvel.

O grupo pretende passar esta quarta (12) em reunião com seu advogado para ver quais serão os próximos passos para tentar resistir.

O Núcleo Bartolomeu de Depoimentos é mais um grupo que sofre com a especulação imobiliária na cidade de São Paulo, que vem atormentando e despejando vários teatros de suas sedes tradicionais.

Neste ano, o CIT-Ecum precisou também sair de sua sede, na rua da Consolação, após conquistar reconhecimento do público e da crítica no espaço.

Uma das táticas mais utilizadas pela especulação imobiliária para espantar o teatro dos edifícios onde querem construir novos empreendimentos é aumentar o aluguel até que os artistas não consigam mais pagar.

No caso do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, a situação foi a seguinte: o proprietário da sede da companhia transferiu o imóvel em comodato para a INK Incorporadora, para evitar a necessidade de negociação com o grupo. Os artistas não tiveram a possibilidade de negociar sua permanência no espaço.

Integrantes do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos: prazo de 15 dias para deixar sede – Foto: Bob Sousa

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Lamento muitíssimo. Mas o proprietário também tem seus direitos. Cabe ao núcleo procurar as medidas cabíveis por advogado, como noticiado aqui no blog. É uma questão a ser discutida nos tribunais. Espero que tudo se resolva da forma mais amigável possível!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *