Satyrianas fora da praça Roosevelt? Veja 7 opções

Fachada da Casa Amarela: na programação da Satyrianas – Foto: Martinha Baião

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Quem gosta de tranquilidade não precisa ir para a praça Roosevelt para curtir o festival Satyrianas 2014, que acontece até meia-noite de domingo (23), com 78 de muita arte em São Paulo. Além do ponto efervescente no centro paulistano, há espaços com programação espalhados por São Paulo. O Atores & Bastidores do R7 selecionou sete destaques da Satyrianas fora da praça. Veja só que beleza.

1 – Teatro & Poesia
O espetáculo Poema Cênico para Ferreira Gullar apresenta a obra do poeta maranhense com direção de Ana Nero. No elenco estão Janaina Suaudeau, Joana Dória de Almeida e Smaya Enes. Sexta (21), 17h, no Ateliê Compartilhado da Casa Amarela (r. da Consolação, 1.075, Consolação). Pague quanto puder.

O cineasta Daniel Gaggini é o curador do Satyricine na Matilha Cultural – Foto: Divulgação

2 – Cinema na veia
Daniel Gaggini (foto acima) é o curador da mostra Satyricine. Todas as noites do festival terão exibição de curtas e longas. Foram mais de 50 inscritos, dos quais 17 foram selecionados totalizando 300 minutos de cinema nacional. Até domingo (23), sempre a partir das 19h, na Matilha Cultural (r. Rego de Freitas, 542, República). Pague quanto puder.

O escritor argentino Julio Cortázar: peça do Teatro de Narradores – Foto: Divulgação

3 – Viva Cortázar
O escritor argentino Julio Cortázar (foto acima), cujo centenário de nascimento foi celebrado neste ano, é o autor do conto Grafitti, no qual se inspira a peça A Mim Também Dói, do Teatro de Narradores. A direção é de Renan Tenca. Sábado (22), às 21h, e domingo (23), às 19h, no Espaço Maquinaria do Teatro de Narradores (r. 13 de Maio, 240, 2º andar, Bela Vista). Pague quanto puder.

Grupo Gattu posa em frente ao Teatro do Sol em Santana: na Satyrianas – Foto: Divulgação

4 – Cortem-lhe a cabeça!
A comédia política cheia de irreverência Reino, do Grupo Gattu, também participa da Satyrianas, com a história de uma rainha que não quer abandonar jamais o poder. Sábado (22), 21h, e domingo (23), 20h, no Teatro do Sol (r. Damiana da Cunha, 413, Santana). Pague quanto puder.

Peça Chá das 5: homens vivem papéis femininos no Teatro Augusto – Foto: Divulgação

5 – Família perturbada
Um encontro familiar inusitado e cheio de confusões acontece na peça Chá das 5. A direção é de Eduardo Martini para o texto da comédia escrita por Regiana Antonini. Um detalhe: as mulheres da história são vividas por nove atores, todos homens. Sexta (21), 21h30, no Teatro Augusta (r. Augusta, 943, Bela Vista). Os cem primeiros pagam quanto puder.

Teatro da Vertigem faz peça na Satyrianas em passagem subterrânea do centro – Foto: Divulgação

6 – Debaixo do viaduto
O Teatro da Vertigem participa da Satyrianas com a peça A Última Palavra É a Penúltima – 2.0, montada na passagem subterrânea do Viaduto do Chá, na praça Ramos de Azevedo. Sexta (21), sábado (22) e domingo (23), às 19h e às 21h. Pague quanto puder.

Fausto, da Cia. São Jorge de Variedades, está em cartaz na Satyrianas – Foto: Divulgação

7 – A vida de Goethe
A Cia. São Jorge de Variedades comemora seus 15 anos com a peça Fausto. A direção é assinada por Claudia Shapira e Georgette Faddel. Sexta (21), sábado (22), às 20h, e domingo (23), às 19h30, no Teatro João Caetano (r. Borges da Lagoa, 650, Vila Clementino). Pague quanto puder.

Veja programação completa da Satyrianas

Curta nossa página no Facebook!

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos bastidores

Descubra tudo o que as misses aprontam

Tudo que você quer está num só lugar: veja!

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Rafael Azevedo disse:

    É de entristecer quando vemos desprezo da própria mídia. Na casa Amarela, artistas que ocuparam e que permanecem realizando cultura em suas dependências, se quer são mencionados neste evento “Satyrianas fora da praça Roosevelt?”, como é o caso da Cia. BARÁ, que estará com seu belíssimo espetáculo, com duração de três horas, e que realiza um cortejo até o parque Augusta. Eles realizam um trabalho, não somente cultural, mas social, importantíssimo, mas isso pouco é visto, não é mesmo?

  2. Phillipe disse:

    Certamente assistiria a Reino. E com atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *