Entrevista de Quinta: “A classe teatral precisa se unir mais”, diz Anette Naiman, do Teatro Garagem

A atriz Anette Naiman no espelho do camarim de seu Teatro Garagem – Foto: Bob Sousa

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Foto BOB SOUSA

A atriz Anette Naiman é criadora do Teatro Garagem, em São Paulo. Tudo começou com um sonho antigo, de poder fazer arte sem se preocupar com o espaço. O início foi uma reforma na garagem de sua casa, na zona oeste paulistana. Acabou tendo a ideia de transformar o lugar em um teatro, que logo ganhou uma cara rock’n’roll.

O Teatro Garagem completa 10 anos de existência. Para celebrar, a artista encena o monólogo Frederic Chpin por George Sand, até 20 de dezembro, sexta e sábado, 21h, com ingresso a R$ 40 a inteira. O endereço é rua Silveira Rodrigues, 331, Vila Romana (tel. 0/xx/11 9-9122-8696).

Ernesto Hypólito, que foi criador do programa Metrópole, da TV Cultura, dirige a obra que inaugura o projeto Concerto Teatro e que ainda tem participação do pianista Adriano Heidrich.

Nesta Entrevista de Quinta ao Atores & Bastidores do R7, Anette fala sobre o desafio de manter um centro cultural, o projeto de expansão em 2015 e ainda comenta a crise atual que vive os teatros paulistanos.

Leia com toda a calma do mundo.

MIGUEL ARCANJO PRADO — Qual é o conceito do seu teatro?
ANETTE NAIMAN — É um teatro independente, que na verdade é minha própria casa. Eu estudei no Indac [escola de atores de SP], que era uma casa, e essa influência ficou em mim. Fazíamos muitos experimentos pelas salas e quartos da casa que eram as salas de aula. Quando me formei, vi a luta para conseguir espaço para ensaiar e se apresentar. Isso me assustava e via que era fundamental para meu trabalho ter um espaço para conseguir levantar uma peça.

MIGUEL ARCANJO PRADO — Aí resolveu criar um teatro em casa?
ANETTE NAIMAN — Estava grávida e resolvi criar um mezanino dentro da garagem, que tinha pé direito alto. Uma espécie de quarto de bagunça para as crianças. Nesta construção, teve de ser feito um desnível para o portão da garagem poder abrir. Aí me veio a ideia de que eu poderia fazer parte também da sala de bagunça. Comecei a chamar amigos, propor leituras, esse desejo que tinha de ter liberdade para criar se concretizou. Virou o Teatro Garagem.

A atriz Anette Naiman na porta do Teatro Garagem, em São Paulo – Foto: Divulgação

MIGUEL ARCANJO PRADO — Como foi esse começo do espaço?
ANETTE NAIMAN — Li um texto de Ligia Fagundes Telles e resolvi montar. Procurei a Ligia em um evento, e uma amiga dela me perguntou quem era eu. Falei que era uma atriz que estava com um teatro em casa, e ela me sugeriu montar outro texto da Ligia, Apenas um Saxofone. Fiz com direção do Caetano Vilela. Começamos uma linguagem rock’n’roll e inauguramos a garagem, em um começo do sonho de ter um teatro independente e livre de burocracias. Desde então, mergulhei na literatura feminina. Agora, estou na Hilda Hilst.

MIGUEL ARCANJO PRADO — E como você fez com a burocracia?
ANETTE NAIMAN — Começou um teatro clandestino [risos]. Fui na Prefeitura e exigiram muitas coisas. Nunca incomodei vizinhos, inclusive os convidava para assistir. No começo foi muito tranquilo. Vinha público, mas não era uma coisa que bombava e não fazia questão de alardear porque ainda era um teatro experimental. Consegui ficar em cartaz entre 2004 e 2008 com um espetáculo solo. Em 2005, fui para o Fringe do Festival de Curitiba e foi muito boa a repercussão. Em 2008, senti necessidade de abrir o espaço. Comecei a elaborar a ideia de transformar a casa num espaço cultural.

MIGUEL ARCANJO PRADO — Você ainda mora no Teatro Garagem?
ANETTE NAIMAN — Não. Morei lá até o final de 2011, quando fui morar em uma casinha no Sumaré, onde estou até hoje. Fiz inúmeros parceiros, como Sergio Roveri, Pascoal da Conceição, Vinícius Piedade, Roberto Borenstein, Clóvys Torres, Jarbas Capusso, Manoela Ramalho… O teatro expandiu. Começou com 27 lugares, e agora expandimos. Em 2011, compramos a casa vizinha. A ideia de expansão se solidificou. Agora são duas casas, a Casa 1 e a Casa 2.

Interior de um dos espaços para o Teatro Garagem, em São Paulo – Foto: Divulgação

MIGUEL ARCANJO PRADO — Como você consegue sobreviver?
ANETTE NAIMAN — Na verdade, vale a pena registrar que meu grande apoiador e patrocinador é meu marido, o engenheiro Daniel Rosembaum, da Solonet, que faz projetos de fundações. Ele é a minha fundação. É legal contar que quando eu inaugurei o teatro ele era o bilheteiro e meus filhos, Sean, que hoje tem 14 anos, e Zoë, que está com 17 anos, ajudavam em tudo.

MIGUEL ARCANJO PRADO — Como você esta situação de teatros sendo fechados pela especulação imobiliária, que culminou no despejo do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos na semana passada, que é seu vizinho?
ANETTE NAIMAN — Em homenagem a todos esses fechamentos de teatro, essa coisa agressiva, convidei o Pascoal da Conceição para fazer essa abertura em 2014. Esta é minha mensagem. Mesmo tendo o espaço, também sofri muito. Nosso alvará só veio em 2013. Eu me mudei em 2011 e fiquei esperando até o final de 2013 a liberação desse alvará de funcionamento do Instituto Cultural. A partir do final de 2013 me senti livre para expandir. Poder ter um teatro neste momento é uma sensação ambígua, ter o privilégio de poder ser dona de um espaço, uma coisa que vislumbrei lá atrás, quando ainda era estudante e já vislumbrava as dificuldades. De certa forma, eu fui visionária nisso. A primeira coisa que me moveu a criar meu espaço foi ser livre em um espaço meu. Era ali que tinha minha liberdade e minha autonomia de ser artista. Apenas uma década depois eu vejo esse movimento que eu comecei lá atrás eu me sinto precursora. Eu batalhei muito lá atrás e hoje eu quero te dizer que eu me sinto muito triste de ver essa realidade do nosso teatro. Eu mesma tenho dificuldade de captar dinheiro. Nós somos muito solitários nesta luta. Eu acho que força da classe precisa ser maior. A classe teatral precisa se unir mais.

MIGUEL ARCANJO PRADO — O que planeja pra 2015?
ANETTE NAIMAN — Em 2015, como o espaço se ampliou, a gente quer receber propostas e projetos de artistas da cidade. A gente tem oito espaços de ocupação. E vamos inaugurar a nova garagem em 2015. Quero dizer que minha casa está aberta a todos os artistas. Dentro dessa crise horrível do teatro na qual as pessoas estão sendo despejados, e eu me incluo porque já passei por isso, eu tenho um privilegio de ter um espaço e poder dizer a todos os artistas que meu espaço está aberto sempre a receber companhias e grupos.

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

 

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Até vou concordar com a Anette: é preciso que a classe teatral se una. Nem digo a classe artística porque já se viu que, entre os artistas, tem muito adepto da filosofia “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Enquanto a especulação imobiliária é problema para grupos, artistas televisivos que poderiam fazer algo se quisessem vivem em revistas de celebridades circulando por centros de compras ostentando bolsas que valem o preço de um carro popular… e não fazem nada para ajudar a própria classe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *