Phedra conhece Watusi em encontro de divas

Phedra D. Córdoba e Watusi: encontro de divas em SP – Foto: Eduardo Enomoto

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Fotos EDUARDO ENOMOTO

O vento forte de tempestade próxima acelera os passos dos transeuntes no calçadão do centro histórico paulistano. Com cuidado, a diva cubana Phedra D. Córdoba caminha pelas pedras portuguesas com seu salto alto no fim de tarde.

Assim que chega à porta do imponente prédio Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo, logo faz um pedido: quer saber onde pode encontrar um grande espelho. Afinal, quer dar um último retoque antes do grande encontro.

Na noite desta quinta (11), o Atores & Bastidores do R7 promoveu o inédito e histórico encontro entre duas divas dos palcos: Phedra D. Córdoba e Watusi, esta última integrante do elenco do musical Eu Vou Tirar Você Deste Lugar – As Canções de Odair José, que cumpre temporada no CCBB até o fim de janeiro de 2015. O espetáculo marca a estreia de Watusi no teatro brasileiro.

Generosa, Watusi recebe Phedra em seu palco e fala em castelhano – Foto: Eduardo Enomoto

Ao ver Phedra, logo que sobe ao palco, vinda do camarim, Watusi, num gesto de carinho e hospitalidade, passa a falar castellano. Como velhas amigas, contam casos e descobrem amigas em comum, como as cantoras cubana Celia Cruz e Olga Guillot.

Moulin Rouge e Satyros

Se Watusi foi estrela do Moulin Rouge na virada dos anos 1970 e 1980, Phedra rodou mundo com seu bailado, desde que fugiu, ainda menina, de sua Havana natal, na década de 1950.  Ambas tornaram-se nomes respeitados do teatro de revista brasileiro. No século 21, uma cai na estrada cantando, enquanto outra atua com seu grupo teatral Os Satyros.

Phedra mora no frenesi teatral da praça Roosevelt, onde é diva soberana. “Sou uma árvore da praça Roosevelt”, define. Já Watusi se divide entre a caótica Copacabana e uma casinha antiga em Mendes, na região serrana do Rio. “Estou entre a paz e a loucura. Mas a paz é uma loucura também e tem de ter muito talento para ficar na paz”, filosofa.

A cubana Phedra D. Córdoba e a carioca Watusi trocam figurinhas – Foto: Eduardo Enomoto

Phedra revela que fugiu de casa, em Havana, ainda menino, porque queria ser diva e dançar pelo mundo. Passou por boa parte da América Latina, incluindo aí os célebres teatros da av. Corrientes, em Buenos Aires, até receber o convite de Walter Pinto para ser estrela no Brasil.

“O mais importante é estar no palco”

Já Watusi conta que ficou famosa após posar para um pôster que virou febre no Brasil e lhe abriu portas para ir dançar e cantar em Paris, onde virou mito celebrado pela imprensa francesa. “A questão de diva é um modo como as pessoas lhe enxergam. O que sei fazer é cantar e dançar, estar em cena. Às vezes penso que a palavra diva não me cabe, mas eu gosto quando me chamam assim. Porque é um reconhecimento de que consegui projetar a emoção que as pessoas esperavam de mim. O mais importante para mim sempre é estar no palco. Estou aqui e muito feliz”, conta.

Phedra e Watusi se conheceram pessoalmente a convite do R7 – Foto: Eduardo Enomoto

Generosa, Watusi faz questão de elogiar o elenco que atua com ela no musical com as músicas de Odair José. “É um grupo bonito e talentoso. O Sérgio [Maggio, autor e diretor do musical] foi muito corajoso em me convidar”.

E revela que foi o violonista e compositor Baden Powell quem disse a célebre frase: “Se Watusi não existisse teria de ser inventada”, durante uma turnê em Baden Baden, na Alemanha, onde adorava estar por conta do trocadilho com seu nome. “Falei essa frase dele em uma entrevista e todos os jornais da Europa a publicaram”, conta a diva do Moulin Rouge.

Phedra D. Córdoba conversa com Sérgio Maggio, diretor do musical Eu Vou Tirar Você Desse Lugar – As Canções de Odair José, em cartaz no CCBB-SP – Foto: Eduardo Enomoto

Phedra D. Córdoba lembra o comentário no meio artístico quando Watusi conseguiu a glória parisiense. “Nessa época eu trabalhava em um teatro na praça Júlio de Mesquita, e a gente ficava sabendo do sucesso da Watusi na França pelos jornais. Hoje, a nova geração de atores só quer saber do talento deles, não acompanha os artistas do passado nem os de sua geração. Na minha época, não, a gente torcia uma pela outra”, lembra a cubana.

Phedra D. Córdoba em meio ao elenco e à banda do musical Eu Vou Tirar Você Desse Lugar – As Canções de Odair José, no CCBB-SP, até o fim de janeiro de 2015 – Foto: Eduardo Enomoto

E Phedra faz questão de elogiar a colega carioca: “Ela é maravilhosa, é uma tremenda! As pessoas sempre me falavam bem dela e sempre quis conhece-la. Para mim, este encontro é um grande prazer”, afirma.

O diretor Sérgio Maggio vê tudo com olhos brilhantes, parece feliz em presenciar o encontro das divas. “Tanto Watusi quanto Phedra representam o tempo áureo do teatro de revista. Colocar as duas cara a cara é um encontro mágico. Estou muito emocionado”, finaliza.

Divas dos palcos: a cubana Phedra D. Córdoba e a carioca Watusi, juntas, em encontro histórico promovido pelo Atores & Bastidores do R7 – Foto: Eduardo Enomoto

Eu Vou Tirar Você Desse Lugar – As Canções de Odair José
Quando: Segunda e quinta a sábado, 20h, domingo, 19h. 90 min. Até 22/12/2014. Depois volta em
Onde: CCBB (r. Álvares Penteado, 112, Sé, São Paulo, tel. 0/xx/11 3113-3651)
Quanto: R$ 10
Classificação etária: 14 anos

Curta a nossa página no Facebook

 

 

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Miriam Bemelmans disse:

    Adorei! Matéria incrível!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *