Satyros volta a Curitiba com peça consagrada

Ivam Cabral, Marta Baião, Fábio Penna, Julia Bobrow e Eduardo Chagas em Curitiba: após consagrar Pessoas Perfeitas em SP, grupo Satyros está de volta a Curitiba, cidade que faz parte de sua história – Foto: Annelize Tozzetto/Clix

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Enviado especial do R7 a Curitiba*
Foto ANNELIZE TOZETTO/Clix

A apresentação da peça Pessoas Perfeitas na Mostra Oficial do Festival de Teatro de Curitiba tem um gostinho especial para o grupo Satyros, que completou recentemente 25 anos de história.

Afinal, parte desta trajetória aconteceu na capital do Paraná, onde tiveram sede até 2005. Curitiba é a terra de Ivam Cabral, fundador do grupo ao lado de Rodolfo García Vázquez.

Ambos são autores do espetáculos e levaram o Prêmio Shell de Melhor Autor pelo trabalho. A peça ainda abocanhou o Prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes) de melhor espetáculo de 2014 ao lado de O Homem de la Mancha.

Tais credenciais transformam a volta do Satyros consagrado nacionalmente a Curitiba como uma espécie de retorno de Tieta, a personagem lendária de Jorge Amado que volta a Santana do Agreste após enriquecer em São Paulo.

Ivam conta ao Atores & Bastidores do R7 que “é uma volta emocionante” e que sente “uma alegria imensa”. Até mesmo porque as apresentações deste fim de semana no Teatro Paiol são também seu retorno ao espetáculo após tratar um câncer.

“Curitiba é onde tudo começou, onde me criei. Vem minha família inteira ao teatro. E o curitibano tem aquela coisa de se arrumar todo para ir ao teatro, é todo um ritual”, conta Ivam.

O ator ainda se emociona de pisar no palco que foi inaugurado por ninguém menos do que Vinicius de Moraes. “O Paiol é um teatro político, que o Vinicius inaugurou nos anos 70. Para a gente é um palco revolucionário. Fazer esta peça, neste momento do País, é incrível”, declara.

Ivam Cabral (de amarelo) ao lado de Celso Curi, curador do evento, Gabriela Duarte, Marco Nanini e Leandro Knopfholz, diretor do Festival de Teatro de Curitiba – Foto: Annelize Tozetto/Clix

“Arte pela arte já deu”

Marta Baião, atriz da peça, afirma que gosta de trabalhos artísticos que dialoguem com a sociedade atual, como afirma ser o caso de Pessoas Perfeitas.

“Fazer arte pela arte já deu. Temos de ter um teatro que dialogue com a população. A arte tem de dialogar com seu tempo. Vivemos um momento político absurdo e uma conjuntura que não é favorável aos artistas. Precisamos nos mobilizar”, convoca.

A atriz Julia Bobrow, que também integra o elenco de Pessoas Perfeitas, comemora sua segunda vez no Festival de Curitiba: “Vim com Rosa de Vidro e acho muito especial estar aqui de novo. Estava contando os dias. Demos o melhor nosso para essa peça durante o processo, mas não tínhamos expectativa de que seria uma peça tão premiada”.

Outro que vem pela segunda vez é Eduardo Chagas, que já fez a peça Uma Pilha de Pratos na Cozinha no evento ao lado de Mário Bortolotto. O ator revela que participar de festivais enriquece o artista. “É sempre bom sair do nosso nicho. Ver como o espetáculo funciona em outro lugar. E o Festival de Curitiba tem uma enorme repercussão”, conta.

Se Julia e Eduardo vêm pela segunda vez, Fábio Penna, seu colega de elenco, estreia no Festival. “Conhecia já muitos festivais, menos esse. Agora, espero voltar bastante. Adorei” diz.

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite do Festival de Teatro de Curitiba.

Acompanhe em tempo real o R7 no Festival de Teatro de Curitiba 2015!

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Regina disse:

    Qual a data da apresentação?

  2. Phillipe disse:

    Até que enfim a ficha caiu e já tem gente enxergando o óbvio ululante. Adorei ler cada palavra pronunciada, com extrema lucidez, por Marta Baião. E ainda que eu tenha a visão romantizada de “fazer arte pela arte”, concordo absolutamente com as afirmativas dela de que”vivemos um momento político absurdo e uma conjuntura que não é favorável aos artistas” e de que “precisamos nos mobilizar”. Realmente precisamos nos mobilizar. Espero que o “impeachment” seja em breve uma realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *