Artistas do Fringe superam famosos no Festival de Teatro de Curitiba 2015

Adriano Petermann em A Anta de Copacabana, apresentada no Fringe: ator é o grande destaque masculino no Festival de Teatro de Curitiba 2015 – Foto: Virginia Benevenuto/Clix

Por MIGUEL ARCANJO PRADO
Enviado especial do R7 a Curitiba*

Artistas desconhecidos do grande público mostraram muito mais fôlego do que as celebridades da televisão neste 24º Festival de Teatro de Curitiba, que chegou ao fim neste domingo (5), após 13 dias e 422 peças na programação.

As peças do Fringe, a mostra paralela com atores vindos dos quatro cantos do País na raça, foram muito mais instigantes do que as apresentadas na Mostra Oficial repleta de artistas mais famosos.

Público do Festival de Curitiba supera o do Lollapalooza

Veja as 12 melhores fotos do Festival de Curitiba

Veja as peças do Fringe em 20 imagens marcantes

Sem apoio financeiro e muitas vezes bancadas pela garra dos próprios artistas, as peças do Fringe tiveram atores presentes no palco de forma interessante e intensa. Já peças como famosos, como Através de um Espelho ou Depois do Ensaio, derraparam com apresentações insossas e atuações desprovidas de verdade.

Além disso, mais do que na Mostra Oficial, no Fringe pulsaram temas que mobilizam a sociedade, em espetáculos que dialogam com o contemporâneo e a realidade nacional, repleta de problemas.

O ator Adriano Petermann mostrou segurança e propriedade no monólogo A Anta de Copacabana (leia crítica), o boca a boca mais comentado do Fringe em 2015, com direção de Rafael Camargo. Tornou célebre a frase: “Tudo uma cambada de filha da puta”. Outra peça que conquistou o público e foi comentada em cada esquina curitibana foi Tchekhov, na Mostra Ave Lola, com o tradicional grupo da capital paranaense.

Comédia O Último Copo abordou crise hídrica e alfinetou PT e PSDB no palco – Foto: Nilton Russo/Clix

A comédia O Último Copo, apresentada pela Cia. Aerolito, de Curitiba, sob direção do Palhaço Macacheira, fez o público do TUC (Teatro Universitário de Curitiba) refletir sobre a situação de falta d’água que atormenta grandes cidades brasileiras. Em linguagem clown, a Palhaça Semilla e o Palhaço Tchonsky fizeram o público entrar em sua proposta altamente subversiva em relação ao poder instalado, seja ele à direita ou à esquerda. Riram tanto do tucano quanto da estrela vermelha. E o público foi ao delírio.

O mesmo palco do TUC abordou a sexualidade dos moradores de rua e o problema do vício no crack, mazela que tanto perturba nosso ambiente urbano, na peça Estação dos Passageiros Invisíveis. Os artistas da InMundos Companhia Teatral, de Juiz de Fora, Minas Gerais, apresentaram um panorama desconcertante. A atriz Pri Helena destacou-se com uma atuação segura e nada histriônica.

Qual o preço do caráter? O ator André Félix em Iepe, da Trupe Temdona – Foto: Annelize Tozetto/Clix

O poder e sua influência no comportamento de uma pessoa foi o foco da peça Iepe, da Trupe Temdona, de São Caetano do Sul, região do ABC Paulista. Já os gaúchos do Grupo Trilho de Teatro Popular, de Porto Alegre, mostraram no espetáculo Umbigo a situação de isolamento do homem atual. Ambos recados cheios de potência.

A violência urbana permeou A Bolsa, com Taciana Moura Morais, de Fortaleza, Ceará. Em uma encenação simples, a atriz deu vida à angústia de uma mulher vítima de uma assalto que revira sua cabeça por completo. Já o amor e suas mazelas foi tema da peça paulistana Memórias, Crônicas e Declarações de Amor, inspirada pelo disco homônimo de Marisa Monte e em fatos reais vividos pelos integrantes do grupo Atocontínuo.

Geleia Geral mostrou vida e obra de Torquato Neto com vigor, poesia e inocência – Foto: Divulgação

Um espetáculo original foi Geleia Geral, do grupo Conexão Street, de Teresina, Piauí. Vitorino Rodrigues criou uma encenação surreal para apresentar a vida e a obra do compositor Torquato Neto, um dos criadores da Tropicália. Com um misto de vigor e inocência, a trupe comoveu o público do Café Teatro Toucher la Lune com sua apresentação corajosa, experimental e viva.

Fernanda Fuchs foi um dos destaques femininos no Fringe. A atriz de Curitiba mostrou vigor e domínio da plateia em Corrente Fria, Corrente Quente, peça escrita por ela mesma. No monólogo, vive uma menina que espera, em um porto, o pai voltar do mar. Com um canto envolvente, convida a plateia a embarcar em seus devaneios sensoriais sem medo. E o público vai junto, sem culpa ou vergonha, no ritual cênico estabelecido.

Relato bíblico sob a prisma do teatro contemporâneo: A Vaca Pródiga – Foto: Annelize Tozetto/Clix

A Vaca Pródiga, da Cia. de Teatro de Breque, de Curitiba, mostrou irreverência cênica ao misturar parábola bíblica e teatro contemporâneo sob direção de Nina Rosa Sá e com Pablito Kucarz e Tatiana Blum no elenco. O deboche também esteve presente em O Jumento e a Moça, do grupo Anaïs Teatrum, de Palhoça, Santa Catarina, que, de forma simples, desconstruiu tabus sexuais desavergonhadamente.

O discurso político e pró-diversidade também esteve presente no Fringe. Homofobia – Livre-se Desse Preconceito falou deste mal tão em voga em nossa sociedade, sobretudo entre políticos conservadores. A peça da Cia. de Teatro Saltimbancos, de Curitiba, fez graça com um tal de Infeliciano, que tenta impedir a felicidade alheia a todo o custo. O público aprovou. Na cena off Festival, Simone Magalhães foi ovacionada na Casa Selvática com seu show Por que Não Tem Paquita Preta? (leia a crítica).

Fagner Zadra, que ficou tetraplégico em um acidente na festa de abertura do Festival de Teatro de Curitiba de 2014, riu de sua situação na comédia “sit down” Rizadra e foi muito aplaudido pelo público pela coragem – Foto: Nilton Russo/Clix

Rir da própria situação como forma de exorcizar o que não se explica foi o que garantiu o sucesso do espetáculo Rizadra – Sit Down Comedy. Como o nome do espetáculo indica, o ator e humorista Fagner Zadra, que ficou tetraplégico após um acidente na abertura do Festival de Teatro de Curitiba em 2014 (leia entrevista exclusiva), cria um novo gênero de humor “stand-up” (de pé, em inglês): o “sit down” (sentado, em inglês). Ao brincar consigo mesmo, conseguiu respeito e aplauso cúmplice do público.

O Fringe ainda deu espaço a trabalhos experimentais e frutos de árdua pesquisa. Como a do gênero horror, abordado na Mostra Glóriah Vigor Mortis, com peças assustadoras dirigidas por Paulo Biscaia Filho e atores da Cia. Vigor Mortis com toda a intensidade que o estilo pede.

Flávio Magalhães em cena de Encruzilhada: encontro com o outro – Foto: Lina Sumizono/Clix

Encruzilhada, com o Grupo de Pesquisa e Experimentação em Arte e Cultura da Unespar, também de Curitiba, apresentou um trio de artistas entregues no palco. Com música ao vivo, convidaram o público a adentrar um espaço diminuto onde se desnudaram e expuseram delicado estudo do movimento corporal para estabelecer uma conexão real entre gente.

Também na linha experimental e repleta de ousadia, outro grande destaque do Festival de Teatro de Curitiba em 2015 foi a peça Escravagina, com a atriz Maite Schneider. Na obra, a transexual desnuda seu corpo e alma em um grito de fúria contra o sistema opressor e em busca do amor verdadeiro, aquele que deixa o outro existir, em vez de exigir sua morte. Nesta montagem, Cesar Almeida encontra direção sensível para deixar que a performance aconteça sem barreiras. E o público compreende a necessidade de Maite transbordar-se diante de todos para seguir em frente com dignidade. Foi aplaudida de pé.

Escravagina: Maite Schneider fez grito de amor e fúria no palco do Mini-Guaíra – Foto: Divulgação

Público do Festival de Curitiba supera o do Lollapalooza

Veja as 12 melhores fotos do Festival de Curitiba

Veja as peças do Fringe em 20 imagens marcantes

*O jornalista Miguel Arcanjo Prado viajou a convite do Festival de Teatro de Curitiba.

Acompanhe em tempo real o R7 no Festival de Teatro de Curitiba 2015!

Curta a nossa página no Facebook

Leia também:

Saiba o que os atores fazem nos palcos e nos bastidores

Descubra a cultura de uma maneira leve e inteligente

Todas as notícias que você quer saber em um só lugar

 

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Carlos de Souza disse:

    E o espetáculo Tesão Piá? O mais vendido do festival onde está?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *