Dois ou Um com Ricardo Corrêa

O ator Ricardo Corrêa está na peça jovem A Social, que estreia neste sábado (4), no Espaço dos Parlapatões, em São Paulo – Foto: Renato Peixoto

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O ator Ricardo Corrêa estreia a peça A Social, escrita por ele, no Espaço dos Parlapatões (praça Roosevelt, 158, São Paulo), neste sábado (4). A temporada vai até 28 de agosto, sempre aos sábados, às 17h. Focada no público jovem, a peça dirigida por Thiago Ledier com a Cia. Artera de Teatro mostra adolescentes que descobrem o mundo ao redor. No elenco estão Ana Tardivo, Davi Reis, Mari Blanski, Thiago Carreira e o próprio Ricardo. Ele aceitou o convite do Atores & Bastidores do R7 para participar da coluna Dois ou Um. Dez perguntas cheias de possibilidades. Ou não.

Adolescência ou juventude?
Os dois. Nesses últimos tempos a minha ligação está muito forte com adolescentes, seja na vida e na arte. Fase difícil, cheia de medos. Juventude pra mim é um estado de alma. As pessoas que se encontram vivendo a sua juventude são aquelas que movimentam novas ideias no meio em que vivem. São os jovens que, por terem acesso às experiências dos seus antecessores e por terem a disponibilidade de uma vida inteira pela frente, podem introduzir novidades.

Roosevelt ou Jardins?
Os dois. Apesar de que na Roosevelt se concentra a maioria dos meus amigos e conhecidos. Gosto da cidade em si, onde tem amigos se é feliz.

Boechat ou Malafaia?
Respeitar as diferenças.

Eduardo Cunha ou Jean Wyllys?
Jean Wyllys  e o fim do preconceito contra a população LGBT.

Redução da maioridade ou educação para todos?
Educação para todos. Para o Estado é mais fácil punir do que educar.

Ciclovia ou carro blindado?
Ciclovia. Cada vez mais gente na rua, ocupando essa cidade, seja de bicicleta, skate ou patins, se manifestando.

Sertanejo universitário ou rock’n’roll?
Rock’n’roll. Mas se tocar sertanejo na festa, eu danço sem problemas.

Thiago Carreira ou Thiago Ledier?
Os dois. São talentosos e grandes parceiros.

Carta pelo correio ou Whatsapp?
Whatsapp. Alguém hoje em dia manda carta?

Qualquer maneira de amor vale a pena ou saber amar é saber deixar alguém te amar?
Qualquer maneira de amor vale a pena. Mais amor! Acho que as pessoas devem ter o direito de amar quem elas quiserem.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Phillipe disse:

    Ainda mando cartas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *