Crítica: Em Trago Seu Amor, Dellani Lima expõe de forma sensível a dor do fim

Cena do filme Trago Seu Amor, de Dellani Lima - Foto: Divulgação

Geraldo Júnior e Léo Kildare Louback em cena do filme Trago Seu Amor, de Dellani Lima – Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Quem espera um cinema pasteurizado de fácil deglutição certamente não é público capaz de dialogar com o filme Trago Seu Amor, de Dellani Lima.

O cineasta, paraibano de Campina Grande radicado em São Paulo, mas com forte diálogo com o cinema feito no restante do País, incluindo aí Minas, onde morou muito tempo, é sensível e proponente com suas imagens.

Dellani parece querer transpor para a tela grandes e pequenos sentimentos que invadem um ser cujo amor se esvai, muitas vezes sem percepção (ou culpa?) própria.

No longa, para concretizar seu discurso imagético, utiliza três distintos casais em conflito, o último deles composto por dois homens, fato sutil, mas que, no Brasil atual, pode ser lido como posicionamento político muito bem-vindo em nome do direito ao amor para todos.

Enquanto a cinematografia de Dellani parece não encontrar abrigo nos dois primeiros casais, ainda sem peso cênico para o tipo de cinema que ele propõe, Trago Seu Amor cresce de forma considerável na última história (com Léo Kildare Louback e Geraldo Júnior), justamente por ter atuações mais potentes e que dialogam com a profundidade proposta pelo diretor.

Em Trago Seu Amor, Dellani Lima exibe, ainda de forma tímida, a potência sensível que já o torna nome do cinema brasileiro contemporâneo a ser acompanhado de perto por espectadores de sentidos aguçados.

Trago Seu Amor * * *
Avaliação: Bom

Leia entrevista exclusiva com Dellani Lima

Você pode gostar...

1 Resultado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *