Crítica: O dia em que Karina Buhr me cazuzou

Karina Buhr no palco do projeto Das Bandas do Oficina - Foto: Teatro Oficina

Karina Buhr toca seu tamborzinho no palco do projeto Das Bandas do Oficina – Foto: Teatro Oficina

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Muito já tinha ouvido falar de Karina Buhr. A moça baiana-pernambucana já me chamava a atenção, vez ou outra citada por um amigo como coisa obrigatória de se ver e de se ouvir. Geralmente, amigo inteligente e interessante.

Ela acabou por chamar minha atenção de vez quando se recusou a fazer um show em um empreendimento imobiliário de São Paulo, posicionando-se contra a verticalização excessiva de nossas cidades em nome da força da grana que ergue e destrói coisas belas. Coisa rara em artistas contemporâneos.

Pois bem. Assim que soube que Karina Buhr faria um dos shows do projeto Das Bandas do Oficina, a melhor coisa que aconteceu para a música paulistana neste inverno, no histórico teatro da rua Jaceguay comandado por Zé Celso e seus jovens atores, decidi: precisava tomar vergonha na cara e conhecer Karina Buhr de perto.

A noite começou bem tímida, com música instrumental. Tudo parecia não se afobar, em preparo para o furacão energético que estava por vir. E aí surgiu Karina Buhr, um vulcão em ebulição.

Com um figurino que poderia ser tanto de Claudia Leitte quanto de Gaby Amarantos, ela conseguiu, de cara, ressignificar tudo com sua atitude roqueira, incluindo aí a roupa que faz a cabeça das atuais divas pop. Karina não roqueira pré-fabricada. É roqueira de verdade.

Karina Buhr: ousadia e puro rock'n'roll - Foto: José de Holanda

Karina Buhr: ousadia e puro rock’n’roll – Foto: José de Holanda

Karina também é pop, sim, mas é politizada. É ousada. Grita, cai no chão, chega perto da plateia. Bem perto, mesmo. É afagada por seu público, em transe coletivo diante de sua presença. Convoca todos para sua catarse, tal qual um Cazuza de saias. Ou melhor, de maiô, preto, com transparência e brilho.

Karina herda a rebeldia inteligente de Cazuza. E nos cazuza com sua força. Sua música é múltipla, híbrida, sacode com tudo. Diante do desafio que ela é ao vivo, só é possível segui-la. Karina é puro rock, dilacerante. E quebra todas as regras do mercado fonográfico, no qual ela não precisa sequer entrar no gráfico.

Ainda bem.

Karina Buhr no Das Bandas do Oficina * * * * *
Avaliação: Ótimo

Ps. Karina lança seu mais novo disco, Selvática, nos dias 2 e 3 de outubro na Choperia do Sesc Pompeia, em São Paulo. Imperdível.

De peito aberto para a arte: cartaz do show de Karina Buhr em SP - Foto: Divulgação

De peito aberto para a arte: cartaz do show de Karina Buhr em SP – Foto: Divulgação

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. setembro 15, 2015

    […] Leia a crítica para o último show de Karina Buhr […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *