Aplicativos de “pegação” inspiram peça em Recife: Teatro de Fronteira encerra maratona teatral

Rodrigo Cavalcanti, em cena de Complexo de Cumbica: dilemas de um jovem gay no palco de Recife - Foto: Divulgação

Rodrigo Cavalcanti, em cena de Complexo de Cumbica: dilemas de um jovem gay no palco de Recife – Foto: Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

O grupo recifense Teatro de Fronteira parece incansável na luta atrás de seu teatro cada vez mais próximo do real.

Neste sábado (24), a trupe encerra uma verdadeira maratona teatral que resultou em duas peças em cartaz neste mês de outubro, Complexo de Cumbica e Na Beira, e ainda uma oficina de performance na capital de Pernambuco.

Conectados com nossos vizinhos ao sul, eles utilizam o Biodrama, conceito desenvolvido pela encenadora argentina Viviana Telles, como ponto de partida de seus trabalhos.

“É um caminho cheio de descobertas”, diz o diretor Rodrigo Dourado.

A peça Na Beira traz uma espécie de Forrest Gump pernambucano, um menino nascido em Surubim, no interior pernambucano, e que rumou até Recife atrás do artístico. Plínio Maciel encena a obra, misturando ele próprio com seu personagem.

Rodrigo Cavalcanti está em Complexo de Cumbica: última sessão neste sábado (24) - Foto: Divulgação

Rodrigo Cavalcanti está em Complexo de Cumbica: última sessão neste sábado (24) – Foto: Divulgação

Já Complexo de Cumbica é uma peça que conta a história de um jovem rapaz gay de uma metrópole: a obra descortina elementos de seu cotidiano, expondo até encontros fortuitos por meio de aplicativos de “pegação”. Em cena, como performer, está Rodrigo Cavalcanti. Esta ainda dá tempo de ver: a última apresentação é neste sábado (24), às 20h, no Teatro Joaquim Cardozo (r. Benfica, 157, Madalena, Recife).

Depois, a oficina gratuita Performance em Cena, que teve 30 selecionados entre mais de 150 inscritos, acontece até 30 de outubro no Centro Cultural Benfica.

Conheça a página no Facebook do Teatro de Fronteira e acompanhe a trajetória do grupo pernambucano!

 

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *