Rapidinhas teatrais

Foto: Márcio Boaro

Mônica Raphael está em 1924, a Revolução Esquecida: estreia dia 10, no Sesc Belenzinho – Foto: Márcio Boaro

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Bombas em SP
Márcio Boaro assina texto e direção de 1924, a Revolução Esquecida, que estreia dia 10 de dezembro e vai até dia 20, no Sesc Belenzinho, em São Paulo. A Cia. Ocamorana conta o período em que São Paulo foi bombardeada, nove décadas atrás, por conta de uma insurreição militar. Estão no elenco Cristiano Tomiossi, Heitor Goldflus, Manuel Boucinhas, Maria Carolina Dressler e Mônica Raphael.

Tem um projeto?
O Teatro APCD, em Santana, São Paulo, seleciona projetos artísticos para temporada no primeiro semestre de 2016. As propostas de shows e peças adultas e infantis podem ser encaminhadas até o dia 31 de janeiro para o e-mail [email protected]. A programação começa a partir de 20 de fevereiro e segue até julho, quando será recebido o Festival de Humor Risadaria; depois retorna de agosto a novembro. A casa recebeu 30 mil espectadores em 2015.

Indicações
Atenção para o tipo de peças que eles procuram: “Por causa das dimensões do APCD, 800 lugares, buscamos espetáculos que se comuniquem com o maior número de espectadores possível. O público de teatro de bairro gosta de comédias e musicais. Buscamos atender a sua preferência, sempre com foco na qualidade”, fala o responsável pela programação, Geondes Antonio. Projetado por Heitor Coltro, o teatro está a 100 m do metrô Tietê e funciona no interior da Associação Paulista dos Cirurgiões Dentistas, entidade com 103 anos e mais de 40 mil associados.

 

coluna-santana-diaz-santana

Grande ator moçambicano, Diaz Santana passa alguns dias em São Paulo – Foto: Divulgação

Moçambique é aqui
O ator moçambicano Diaz Santana está por São Paulo neste mês. É que ele se apresentou no Sesc Santana no último domingo (29) com a peça Cinza sobre as Mãos, de seu grupo, a Cia. Lareira Artes, de Maputo. A encenação de Elliot Alex contou também com os atores Lucrécia Noronha e Sérgio Mabombo e integrou o Festival de Teatro Lusófono. O texto de Laurent Gaudé critica as guerras, que provocam sofrimento e migrações forçadas. Necessário.

Crise
Os artistas de teatro estão preocupados com o rumo da crise política e econômica no Brasil. Se já está difícil montar uma peça agora, imagina em 2016, se a situação piorar. Para não se desesperar, muitos preferem o otimismo e oram para que tudo dê certo. Como diz o ditado popular, a esperança é a última que morre.

Bruxas
Wiked é o próximo musical do Teatro Renault, em São Paulo, substituindo Mudança de Hábito. Estreia marcada para 4 de março de 2016.

Camaleoa: Mel Lisboa está em três peças ao mesmo tempo - Fotos: Bob Sousa e Divulgação

Camaleoa: Mel Lisboa está em três peças ao mesmo tempo – Fotos: Bob Sousa e Divulgação

Trabalhadora
Mel Lisboa é uma verdadeira operária do teatro. Às segundas e terças, faz o musical Luz Negra, com o Pessoal do Faroeste, na região da Luz, centro de São Paulo. Já às quartas e quintas está no Teatro Faap, em Higienópolis, no espetáculo Otelo, de Shakespeare. E aos fins de semana viaja o Brasil com o musical Rita Lee Mora ao Lado. Danada.

Palco na veia
Por enquanto, Mel está sem contrato com a televisão. Assim, tem mais tempo para se dedicar ao teatro. Os público agradece.

Diva
Falando em Luz Negra, a peça da Cia. Pessoal do Faroeste, Thais Dias, atriz também do grupo Coletivo Negro, é uma dádiva no elenco. Faz personagem de porte altivo. E arrasa.

Thais Dias: atriz é o destaque do espetáculo Luz Negra - Foto: Bob Sousa

Thais Dias: atriz é o destaque do espetáculo Luz Negra – Foto: Bob Sousa

Piracicabana
Para quem não sabe, Thais Dias é de Piracicaba, no interior de São Paulo, e acaba de assinar sua primeira direção teatral na cidade natal: Degredo, do Grupo Forfé. Com o coração apertado, porque tinha peça em São Paulo, ela não pode ir à estreia da obra no Fentepira (Festival Nacional de Teatro de Piracicaba). Ficou arrasada. Mas os atores, no palco, fizeram questão de lembrar sua presença de alma entre eles.

Robson Figueiredo e Leona Jhovs na Sede Luz do Faroeste - Foto: Robson Figueiredo

Robson Figueiredo e Leona Jhovs no camarim da Sede Luz do Faroeste – Foto: Robson Figueiredo

Selfie
Olhaí o produtor Robson Figueiredo, o Bob, e a atriz Leona Jhovs fazendo pose no camarim antes de Luz Negra começar.

Mulher no teatro
Você é artista mulher e tem uma peça de teatro escrita? Então, fique esperta! Estão abertas até 22 de dezembro as inscrições para a 4ª edição do concurso Feminina Dramaturgia – Prêmio Heleny Guariba, que lembra a artista desaparecida pela ditadura civil-militar, em 1971. O concurso, idealizado exclusivamente para mulheres que escrevem peças teatrais, premiará três textos. A Comissão Julgadora é formada pelas atrizes, diretoras e professoras Jhaíra Rodrigues, Neusa Steiner e Carlota Novaes.

Prêmio e leitura
A peça vencedora receberá o prêmio de R$ 3.000,00, a 2ª colocada R$ 2.500,00 e a 3ª R$ 2.000,00. Também fará parte do prêmio a apresentação pública das três peças escolhidas em forma de leitura dramática.

Como fazer
As interessadas devem ir pessoalmente ao Teatro Studio Heleny Guariba, das 11h às 22h, ou mandar pelo correio, para o endereço: praça Roosevelt, 184, São Paulo, CEP: 01303-020. O envelope deve conter: três cópias do texto inédito (os nomes das personagens devem constar em uma folha separada antes do texto), uma folha com o pseudônimo, nome, RG, CPF e endereço com telefone.

Lama integra cena de Mistérios Gozósos, em cartaz no Oficina, inclusive no Natal e no Ano-Novo - Foto: Jennifer Glass

Lama integra cena de Mistérios Gozósos, em cartaz no Oficina, inclusive no Natal e no Ano-Novo – Foto: Jennifer Glass

Crime ambiental
A lama da barragem da Samarco/Vale que se rompeu em Mariana invadiu a peça Mistérios Gozósos, em cartaz no Teat(r)o Oficina, em São Paulo. Zé Celso sempre em diálogo profundo com seu tempo.

Quase cubanos
Após passagem marcante por Cuba, a peça Pessoas Perfeitas, do grupo Os Satyros, faz temporada no Teatro Cacilda Becker, na Lapa, em São Paulo, de quinta a domingo. Estão todos convidados.

Angela Ribeiro é Waléria em Roleta Russa: só quatro sessões - Foto: Divulgação

Angela Ribeiro é Waléria em Roleta Russa: só quatro sessões – Foto: Divulgação

Tenebrosa
Angela Ribeiro, a atriz querida da coluna, entrou para a peça Roleta Russa para substituir Virgínia Castelões nos dias 4, 5, 6 e 7 de dezembro no Viga Espaço Cênico. Vai fazer Waléria, que participa de uma roda suicida. Ela convida todo mundo a aparecer, viu, gente?

Bienal
A II Bienal de Teatro da USP segue de vento em popa até dia 18 de dezembro. A maioria dos espetáculos é encenada no Tusp, na rua Maria Antônia, em São Paulo. O foco são produções latino-americanas da melhor qualidade.

Cena da peça Mergulho: em cartaz até 10 de dezembro no Viga Espaço Cênico - Foto: Ligia Jardim

Cena da peça Mergulho: em cartaz até 10 de dezembro no Viga Espaço Cênico – Foto: Ligia Jardim

Quarteto fantástico
Um acidente bizarro une a vida de quatro mulheres. Este é o mote de Mergulho, peça inspirada no romance Hotel Mundo, de Ali Smith. É a décima peça da Companhia Delas e fica em cartaz em São Paulo só até 10 de dezembro. Cássio Pires assina a dramaturgia. Silvana Garcia, a direção. No Viga Espaço Cênico, pertinho do metrô Sumaré, quartas e quintas, 21h, com ingresso baratinho: R$ 20 a inteira e R$ 10 a meia. Vai, gente.

Pela educação
Fernanda Maia, a grande diretora musical de Urinal, visitou a Escola Estadual Julio Prestes, onde estudou, em Sorocaba, ocupada pelos estudantes que são contra o fechamento das escolas pelo governo paulista. Foi bem recebida pelos alunos: “Poucas vezes eu vi tanta doçura. Estão aprendendo muito mais em todo este processo do que se estivessem sentados numa sala assistindo aulas”, conta, impressionada com o que viu.

Enquanto isso…
A polícia espanca os estudantes que protestam. Mesmo estes sendo menores de idade. O horror.

Julio Reny: show, filme e biografia no Teatro Cemitério de Automóveis, em São Paulo - Foto: Divulgação

Julio Reny: show, filme e biografia no Teatro Cemitério de Automóveis, em São Paulo – Foto: Divulgação

Faz parte do meu show
O cantor e compositor gaúcho Julio Reny lança sua biografia Julio Reny Histórias de Amor & Morte, de Cristiano Bastos, e ainda faz show no Teatro Cemitério de Automóveis, em São Paulo. É nesta sexta (4), a partir das 21h. A noite ainda prevê o Filme sobre um Bom Fim, que mostra a juventude transviada dos anos 80 em Porto Alegre. Pacote completo.

Lauanda Varone e Liza Caetano, em cena de Hermanas Son las Tetas, de Juan Manuel Tellategui - Foto: Bob Sousa

Lauanda Varone e Liza Caetano, em cena de Hermanas Son las Tetas, de Juan Manuel Tellategui – Foto: Bob Sousa

Angustias e Magdalena
O fotógrafo do teatro Bob Sousa liberou as aguardadas imagens da peça Hermanas Son las Tetas, de Juan Manuel Tellategui, com Liza Caetano e Lauanda Varone. Veja a galeria.

Hairspray em duas versões: Liza Caetano, como Tracy, em 2014, e Simone Gutierrez, como a mesma personagem em 2009 - Foto: Eduardo Enomoto e Divulgação

Hairspray em duas versões: Liza Caetano, como Tracy, em 2014, e Simone Gutierrez, como a mesma personagem em 2009 – Foto: Eduardo Enomoto e Divulgação

Encontro de Tracys
Falando em Liza Caetano, a atriz, que em 2014 interpretou Tracy no musical Hairspray, dirigido por André Latorre, encontrou-se outro dia no Teatro Porto Seguro, em São Paulo, com a colega Simone Gutierrez, que viveu a mesma personagem em 2009, quando Miguel Falabella adaptou e dirigiu o musical. Ambas foram ver Alessandra Maestrini em Yentl em Concerto. A coluna registrou o encontro.

As atrizes Liza Caetano e Simone Gutierrez, que viveram a personagem Tracy em diferentes montagens de Hairspray, se encontram na peça de Alessandra Maestrini, Yentl em Concerto - Foto: Divulgação

As atrizes Liza Caetano e Simone Gutierrez, que viveram a personagem Tracy em diferentes montagens de Hairspray, se encontram na peça de Alessandra Maestrini, Yentl em Concerto – Foto: Miguel Arcanjo Prado

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *