Rapidinhas Teatrais

Tony Reis, de camiseta branca, em cena de Navalha na Carne com Sylvia Prado e Marcelo Drummond - Foto: Igor Marotti Dumont/Divulgação

Tony Reis, de camiseta branca, em cena de Navalha na Carne com Sylvia Prado e Marcelo Drummond – Foto: Igor Marotti Dumont/Divulgação

Por MIGUEL ARCANJO PRADO

Dose dupla
O ator baiano Tony Reis está feliz da vida no Oficina. É que desde a última quarta (6), ele encara duas peças no espaço. Aos fins de semana, está em Mistérios Gozósos. Já toda quarta e quinta, às 21h, dá vida a Veludo, o gay maltratado em Navalha na Carne, peça emblemática de Plínio Marcos.

Inovador
Falando em Navalha na Carne, Vado, o cafetão inescrupuloso da trama, é interpretado de forma inédita por Marcelo Drummond, que também dirige a obra. Dá ao personagem sutilezas antes nunca vistas.


Neusa Sueli
A lendária prostituta de Navalha na Carne é vivida por Sylvia Prado. A quem não sabe, vale a informação: ela é atriz tarimbada do Oficina e uma das preferidas de Zé Celso.

Igor Marotti Dumont em cena no Oficina: câmera na mão e mil ideias na cabeça - Foto: Divulgação

Igor Marotti Dumont em cena no Oficina: câmera na mão e mil ideias na cabeça – Foto: Divulgação

Quase um Glauber
Igor Marotti Dumont, o potente jovem cineasta mineiro, faz as imagens ao vivo de Navalha na Carne. Transformando tudo num filme de ângulos inusitados e originais, porque o rapaz é talentoso com uma câmera na mão e mil ideias na cabeça.

Danielle Rosa, em cena de Mistérios Gozósos, no Oficina - Foto: Jennifer Glass/Fotos do Ofício/Divulgação

Danielle Rosa, em cena de Mistérios Gozósos, no Oficina – Foto: Jennifer Glass/Fotos do Ofício/Divulgação

Tabuleiro da baiana
Um dos charmes em ver Navalha na Carne no Oficina é encontrar a musa do grupo, a baianíssima Danielle Rosa, na portaria do teatro com seu bar de tabuleiro. Vende cervejas, doses de cachaça e quitutes. Além de exalar seu charme de sempre. Ah, dia desses, a atriz juntou um grupo de amigos e fez um bate-volta no litoral paulista. Só para dar um mergulho no mar.

Susto
O ator Roderick Himeros, aí todo brilhante na imagem, garantiu à coluna que estará com tudo em cima em Mistérios Gozósos. É que no último fim de semana ele machucou o joelho ao tentar fazer um golpe de capoeira. Foi parar no hospital, mas já está se recuperando. A coluna deseja melhoras ao rapaz.

Já pintou o verão
Após aquecer o inverno de 2015, o projeto Das Bandas do Oficina promete esquentar também o verão com seus shows no teatro eleito o mais belo do mundo pelo The Guardian. Começa no dia 15 de janeiro, próxima sexta, às 19h, com Lucas Weglinksi. O projeto se repete no mesmo horário nos dias 22 e 29 de janeiro. Estão todos convidados.

Bloco antropofágico
O Das Bandas do Oficina ainda abrigará os ensaios do Bloco Pau Brasil, feito pela trupe do Bixiga. Ele desfila nos dias 30 e 31 de janeiro pelo bairro central paulistano. Ah, é tanta coisa neste janeiro que o Oficina fez até um calendário. Olha só:

Orgia histórica
Ivam Cabral está todo feliz com o sucesso da cena de orgia do filme A Filosofia na Alcova, segundo longa de seu grupo teatral, Os Satyros, previsto para ainda este ano. Ele garante que foram 90 pessoas “atuando” na famigerada cena do longa feito em parceria com Rodolfo García Vázquez. O que faz da cena a maior orgia da história do cinema nacional, superando todas as pornochanchadas, que, perto de Marquês de Sade, eram quase contos infantis. Quem quiser pode contar.

Sexo em multidão: orgia do filme A Filosofia na Alcova contou com 90 pessoas, garante Ivam Cabral - Foto: André Stefano/Divulgação

Sexo em multidão: orgia do filme A Filosofia na Alcova contou com 90 pessoas, garante Ivam Cabral – Foto: André Stefano/Divulgação

Falando nisso
O filme Hipóteses para o Amor e a Verdade, do Satyros, já está em cartaz há 22 semanas em São Paulo, no cinema Caixa Belas Artes, ali na esquina de avenidas Paulista e Consolação. Um sucesso e tanto.

A menina e a flor
A atriz Cléo de Páris viajou do Rio Grande do Sul de volta a São Paulo com uma flor dada por seu sobrinho. Poesia e amor.

Jovens suicidas

Com clima sórdido, a peça Roleta Russa está de volta aos palcos paulistanos. Ela reestreou nesta quinta (7), no Espaço dos Parlapatões, na praça Roosevelt, em São Paulo. Cumpre temporada até 26 de fevereiro, quinta e sexta, 21h, com ingresso a R$ 50 a inteira e R$ 25 a meia. Anotou?

Cena da peça Roleta Russa: em cartaz no Parlapatões, em SP - Foto: Divulgação

Cena da peça Roleta Russa: em cartaz no Parlapatões, em SP – Foto: Divulgação

Best-seller
O texto de Roleta Russa é uma adaptação do livro Suicidas, de Raphael Montes, que vendeu mais de 20 mil cópias e foi traduzido para mais de dez idiomas. Sucesso.

Time completo
Estão no elenco da montagem adpatada e dirigida por Cesar Augusto Dan Rosseto, Diogo Pasquim, Emerson Grotti, Felipe Palhares, Gabriel Chadan, Helio Souto, Lorrana Mousinho, Maria Dornelas e Virgínia Castellões. Interpretam jovens em um porão que brincam com um revólver. Credo.

Kyra Piscitelli: se refrescando no mar do Caribe neste verão - Foto: Reprodução

Kyra Piscitelli: se refrescando no mar do Caribe neste verão – Foto: Reprodução

Viajante
Olha aí acima a boa vida da jornalista e crítica teatral Kyra Piscitelli, querida da coluna, em Cartagena das Índias, na Colômbia. Isso que é aproveitar o verão!

Oportunidade
Tem um projeto de teatro? ?A produtora catarinense Magma Cultura seleciona grupos interessados em participar de projetos culturais já aprovados pela Lei Rouanet para 2016. É preciso ter no repertório espetáculos infantis ou infanto-juvenis. Inscrições até 18 de janeiro no email [email protected]

Itinerante
A Magma pede para a coluna avisar que os grupos precisam ter disponibilidade para viajar. No e-mail, devem ser enviados todos os materiais possíveis sobre as peças: vídeo, foto, clipping e otras cositas más que o proponente julgar interessante. As peças selecionadas serão apresentadas Brasil afora em um palco-caminhão.

Marcelo Medici em cena de Cada Dois com seus Pobrema - Foto: Divulgação

Marcelo Medici em cena de Cada Dois com seus Pobrema – Foto: Divulgação

Eu voltei
Marcelo Medici e sua peça Cada Dois com Seus Pobrema estão de volta toda quarta e quinta, 21h, no Teatro Shopping Frei Caneca, entre 13 de janeiro e 25 de fevereiro de 2016. Ele divide o palco com Ricardo Rahtsam, sob direção de Paula Cohen.

Daniel Lobo em cena de Nise da Silveira - Guerreira da Paz - Foto: Maristela Giassi/Cultura Nise/Divulgação

Daniel Lobo em cena de Nise da Silveira – Guerreira da Paz – Foto: Maristela Giassi/Cultura Nise/Divulgação

História viva
Daniel Lobo marcou para 22 de janeiro, no Masp, a estreia de seu espetáculo multimídia Nise da Silveira – Guerreira da Paz. A obra aborda a vida da médica psiquiatra alagoana que era discípula de Jung. A ficha técnica reúne nomes importantes como a bailarina Ana Botafogo, o poeta Ferreira Gullar, o diretor José Celso Martinez Corrêa e a monja Coen Sensei. Fica em cartaz até 28 de fevereiro. Ao fim de todas as sessões, o artista vai conversar com o público. Tipo o Antônio Fagundes faz.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *